O vocabulário da Ditadura Militar nos panfletos de Eulálio Motta

  • Patrício Nunes Barreiros Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA
  • Liliane Lemos Santana Barreiros Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA
Palavras-chave: Eulálio Motta. Ditadura Militar. Vocabulário

Resumo

Trata-se de um estudo do vocabulário da ditadura militar em nove panfletos escritos por Eulálio Motta, no período de 1960 a 1970. Este corpus é um recorte de uma pesquisa maior que permitiu inventariar um diversificado vocabulário que o escritor fez uso para difundir suas ideias na região de Mundo Novo, Bahia. Eulálio Motta foi responsável pela produção, circulação e recepção de seus panfletos, textos lidos em praças públicas, nas vilas e fazendas, alcançando centenas de pessoas. Por meio de sua ação panfletária e da utilização de um vocabulário que situa ideologicamente um discurso em favor do regime, Eulálio Motta difundiu uma imagem da ditadura militar na região de Mundo Novo. O estudo lexicológico que ora apresentamos concentra-se no vocabulário da ditadura e está subsidiado na teoria de estruturação dos campos lexicais, fundamentada em Stephen Ullmann (1973 [1964]), Pierre Guiraud (1989 [1969]), Horst Geckeler (1976), Mario Vilela (1979; 1995) e, principalmente, Eugenio Coseriu (1964a; 1964b; 1967; 1973; 1976). Tal abordagem permitiu observar como Eulálio Motta incorporou novas lexias e excluiu ou ressemantizou outras em seus usos linguísticos, motivado por interesses diversos. Além disso, possibilitou o conhecimento de costumes e valores socioculturais do povo sertanejo, expresso em seus usos linguísticos.

Biografia do Autor

Patrício Nunes Barreiros, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA
Doutor em Letras e Linguística (UFBA-2013), Mestre em Literatura e Diversidade Cultural (UEFS-2007), Licenciado em Letras (UEFS-2002), professor do Departamento de Letras da Universidade Estadual de Feira de Santana, atuando na graduação e na Pós-Graduação (Mestrado em Estudos Linguísticos e Mestrado Profissional em Letras). Desenvolve pesquisa nas áreas de Filologia, História Cultural das Práticas de Escrita e Lexicologia. 
Liliane Lemos Santana Barreiros, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA
Doutorado em andamento pelo Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestrado em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB, 2013), Graduação em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS, 2007). Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, lotada no Departamento de Letras e Artes - DLA. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística Histórica e Lexicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Filologia Românica; Documentação de acervo; Edição de textos; Estudos do Léxico.

Referências

Abbade CMS. O estudo do léxico. In: Teixeira MCR, Queiroz RCR, Santos RB, organi- zadoras. Diferentes perspectivas dos estudos filológicos. Salvador: Quarteto; 2006.

Barreiros PN. O Pasquineiro da roça: edição dos panfletos de Eulálio Motta [tese]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2013.

Bechara E. Estudo estrutural do léxico: a lexemática. In Bechara E. Moderna Gramática portuguesa. 37a ed. Rio de Janeiro: Lucerna; 1999.

Bezerra MA. O vocabulário na pesquisa e no ensino. In: Bezerra MA, organizadora. Estudar vocabulário: como e por quê? Campina Grande: Bagagem; 2004. p. 11-37.

Biderman MTC. As ciências do léxico. In: Oliveira AMPP. de; Isquerdo AN, organiza- doras. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande-MS: UFMS; 1998. p. 11-20.

Bizzocchi AL. Léxico e ideologia na Europa Ocidental. São Paulo: Annablume; 1997.

Coseriu E. Para una semántica diacrónica estructural. 1964a. In: Coseriu E. Princípios de semántica estructural. 2a ed. Vers. esp. Marcos Martinez Hernández, rev. por el autor. Madrid: Gredos; 1991 [1977].

Coseriu, Eugenio. Introducción al estudio estructural del léxico. 1964b. In: Coseriu, E. Princípios de semántica estructural. 2a ed. Vers. esp. Marcos Martinez Hernández, rev. por el autor. Madrid: Gredos; 1991 [1977].

Coseriu E. Las solidaridades léxicas. 1967. In: Coseriu E. Princípios de semántica estruc- tural. 2a ed. Vers. esp. Marcos Martinez Hernández, rev. por el autor. Madrid: Gredos; 1991 [1977].

Coseriu E. El estudio funcional del vocabulário. (Compendio de lexemática). 1976. In: Coseriu E. Gramática, semántica, universales: estudios de lingüística. Vers. esp. Marcos Martinez Hernández, rev. por el autor. Madrid: Gredos; 1978.

Coseriu E. Teoria del lenguaje y lingüística general: cinco estudios. 3a ed. Madrid: Gredos; 1973.

Ferraz AP. A inovação lexical e a dimensão social da língua. In: Seabra MCTC, organizadora. O léxico em estudo. Belo Horizonte: Ed. UFMG; 2006.

Ferreira LMR. A Imprensa integralista na Bahia: o caso do jornal o Imparcial. Revista de História Regional; 11(1); 2006: 53-86.

Figueiredo C. Novo dicionário da língua portuguesa. 4a ed. Lisboa: Arthur Brandão; 1926.

Geckeler H. Semántica estructural y teoria do campo léxico. Vers. esp. de Marcos Martinez Hernández rev. por el autor. Madrid: Gredos; 1976.

Guiraud P. A semântica. Maria Elisa Mascarenhas, tradutora. 5a ed. Rio de Janeiro: Ber- trand Brasil; 1989 [1969].

Lüdtke H. História del léxico românico. Vers. esp. de Marcos Martinez Hernandéz. Ma- drid: Gredos; 1974.

Motta EM. Evocações, Eureka. Mundo Novo: Avante; 1942.

Motta EM. Manuscrito, Caderno Fotocopiado, 1949.

Motta EM. Vitória do Brasil!. Panfleto, Mundo Novo, 02 abr. 1964.

Motta EM. Diário de um João Ninguém II. Caderno Manuscrito. 1968.

Motta EM. Quinto Aniversário. Panfleto, Mundo Novo, 31 mar. 1969.

Motta EM. Sexto Aniversário. Panfleto, Mundo Novo, 31 mar. 1970.

Motta EM. A pergunta de Rafael. Panfleto, Mundo Novo, out. 1972.

Motta EM. Nono Aniversário. Panfleto, Mundo Novo, 31 mar. 1973.

Motta EM. No décimo Aniversário. Panfleto, Mundo Novo, 02 abr. 1974.

Motta EM. No décimo primeiro aniversário. Panfleto, Mundo Novo, 31 mar. 1975.

Motta EM. Liberdade no ano 12. Panfleto, Mundo Novo, 29 abr. 1976.

Motta EM. No ano 12 da revolução. Panfleto, Mundo Novo, 05 abr. 1976.

Nascentes A. Dicionário etimológico da língua portuguêsa. Prefácio de W. Meyer-Lübke. Rio de Janeiro: Francisco Alves; 1932.

Sampaio CN. Poder & representação: o legislativo da Bahia na segunda república (1930- 1937). Salvador: Universidade Federal da Bahia; Assembleia Legislativa da Bahia; 1985.

Saussure F. Curso de linguística geral. Antônio Chelini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein, tradutores. 27a ed. São Paulo: Cultrix; 2006 [1916].

Silva AM. Dicionario da lingua portuguesa. Fac-símile da 2a ed. (1813). Rio de Janeiro: Litho-Typographia Fluminense; 1922.

Telles CM. Léxico e edição semidiplomática. In: Sella AF, Corbari CC, Bidarra J, organi- zadores. Pesquisas sobre léxico: reflexões teóricas e aplicação. Campinas (SP); Cascavel (PR): Pontes; EDUNIOESTE; 2012. p. 137-158.

Ullmann S. Semântica: uma introdução à ciência do significado. J. A. Osório Mateus, tradutor. 3a ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 1973 [1964].

Vilela M. Estruturas léxicas do português. Coimbra: Almedina; 1979. Vilela M. Léxico e gramática. Coimbra: Livraria Almedina; 1995.

Villalva A, Silvestre JP. Introdução ao estudo do léxico: descrição e análise do Português. Petrópolis, RJ: Vozes; 2014.

Publicado
2016-04-07
Como Citar
Barreiros, P., & Barreiros, L. (2016). O vocabulário da Ditadura Militar nos panfletos de Eulálio Motta. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 385-420. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p385-420
Seção
Artigos