O processo de produção/adaptação de material didático de fonética e fonologia para deficientes visuais

Autores

  • Edson Carlos Romualdo Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil http://orcid.org/0000-0003-0892-7188
  • Gabriela de Souza Marques Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p539-568

Palavras-chave:

Fonética. Fonologia. Deficiência visual. Inclusão educacional. Ensino-aprendizagem. Braille.

Resumo

Este artigo apresenta o processo de produção/adaptação de material didático de fonética e fonologia para deficientes visuais, oriundo de uma pesquisa motivada pela ausência de meios para levar a uma acadêmica deficiente visual do curso de Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM) os símbolos fonéticos e fonológicos, uma vez que constituem conhecimentos fundamentais para o desenvolvimento profissional de futuros professores de língua materna. Diante dessa lacuna e a favor da inclusão, o intuito era vislumbrar a melhor forma de representar os símbolos. Para tanto, entrevistas semiestruturadas foram realizadas com profissionais da educação especial que trabalham com cegos, segundo os quais o Braille é o recurso mais eficaz no processo de ensino e aprendizagem de não videntes. Assim, o resultado da pesquisa foi a adaptação em Braille, feita pelo Centro de Apoio Pedagógico (CAP) de Maringá, de um livro acerca de fonética e fonologia – inclusive dos símbolos –, organizado com destinação para a formação de professores.

Biografia do Autor

Edson Carlos Romualdo, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil

Professor Associado de Linguística do Departamento de Teorias Linguística e Literárias da UEM

Referências

Antonio JD, Benites SAL, organizadores. Fonética e fonologia. Maringá: EDUEM; 2011.

Baptista JALS. A invenção do Braille e sua importância na vida dos cegos. Lisboa: Gráfica 2000. 9 p. [citado em 9 out. 2014]. Disponível em: http://www.gesta.org/braille/braille01.htm.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Presidente: Ulysses de Oliveira Panisset. [citado em 19 nov. 2014]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf

Brasil. Ministério Público Federal; Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva, organizadores. O acesso de alunos com deficiência às escolas comuns da rede regular. 2ª ed. Brasília: Ministério Público Federal; 2014. [citado em 19 nov. 2014]. Disponível em: http://www.adiron.com.br/arquivos/cartilhaatual.pdf

Brasil. Ministério da Educação. Braille Fácil 3.5a. [citado em20 abr. 2015]. Disponível em: http://intervox.nce.ufrj.br/brfacil/

Brasil. Ministério da Educação. Lei n. 9.394 de 20 dezembro de 2006. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília (1996 dez. 20). [citado em 21 maio 2014]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 9/2001 de 18 de janeiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília (2002 jan. 18). [citado em 21 maio 2014]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf

Brasil. Ministério da Educação. Parecer CNE/CES 492/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Diário Oficial da União, Brasília (2001 jul. 9). [citado em 6 abr. 2014]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0492.pdf

Brasil. Ministério da Educação. Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições. Portaria n. 1.679 de2 dezembro de 1999. [citado em 21 maio 2014]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/c1_1679.pdf

Brasil. Decreto n. 2.306 de 19 de agosto de 1997. Brasília (1997 ago. 19). [citado em 21 maio 2014]. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1997/decreto-2306-19-agosto-1997-437195-publicacaooriginal-1-pe.html

Brasil. Lei n. 9.131 de 24 de novembro de 1995. Brasília (1995 nov. 24). [citado em 21 maio 2014]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9131.htm

Callou D, Leite Y. Iniciação à fonética e à fonologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 1993.

Câmara Jr. JM. Estrutura da língua portuguesa. 7ª ed. Petrópolis: Vozes; 1976.

Kassar MCM. Educação especial na perspectiva da educação inclusiva: desafios da implantação de uma política nacional. Educar em Revista. Curitiba, n. 41, p. 61-79, jul./set. 2011, EDUFPR. [citado em 18 fev. 2015]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n41/05.pdf

Manzini EJ. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e roteiros. In: Seminário Internacional sobre pesquisa e estudos qualitativos, 2, 2004, Bauru. A pesquisa qualitativa em debate. Anais. Bauru: USC; 2004. CD-ROM. [citado em 23 maio 2014]. Disponível em: http://www.marilia.unesp.br/Home/Instituicao/Docentes/EduardoManzini/

Manzini_2004_entrevista_semi-estruturada.pdf

Silva TC. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 6ª ed. São Paulo: Contexto; 2002.

Triviños ANS. Entrevista semiestruturada como técnica de coleta de informações. In: Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 1ª ed., 21ª reimpr. São Paulo: Atlas; 2012. p. 145-152.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Romualdo, E. C., & Marques, G. de S. (2016). O processo de produção/adaptação de material didático de fonética e fonologia para deficientes visuais. Filologia E Linguística Portuguesa, 17(2), 539-568. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p539-568

Edição

Seção

Artigos