Força muscular de membros inferiores em mulheres com artrite reumatoide e mulheres sem a doença

há diferença?

  • Ana Carolina Pereira Nunes Pinto Universidade Federal do Amapá
  • Jamil Natour Universidade Federal de São Paulo
  • Império Lombardi Junior Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Artrite Reumatoide, Força Muscular, Extremidade Inferior

Resumo

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória sistêmica, crônica, que acomete preferencialmente a membrana sinovial das articulações. Dentre as qualidades de aptidão física que podem ser reduzidas em indivíduos com AR merece destaque a força muscular, que está diretamente relacionada à capacidade de realização de todas as atividades da vida diária, desde as mais simples até as mais complexas. O objetivo deste estudo foi avaliar a força muscular de membros inferiores de mulheres com AR. Métodos: 17 voluntárias com AR (das classes funcionais I, II e III) e 17 sem a doença, com idade média de 54,7+6,63 anos, foram submetidas ao teste de uma repetição máxima para avaliar a força muscular de flexores e extensores de joelho e de abdutores e adutores de quadril. Utilizou-se o teste τ para analisar os dados, sendo considerados estatisticamente significativos os níveis de α <0,05. Em todas as avaliações o grupo de mulheres com AR apresentou valores inferiores quando comparados ao grupo sem a doença. No entanto não houve diferenças estatisticamente significativas entre os grupos. Os níveis descritivos obtidos da comparação entre a força muscular dos grupos foram: para extensores de joelho, p=0,224; flexores de joelho, p=0,467; abdutores de quadril, p=0,190; e adutores de quadril, p=0,127. A força muscular de membros inferiores não difere entre mulheres com AR (das classes funcionais I, II e III) e mulheres sem a doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-17
Como Citar
Pinto, A. C., Natour, J., & Lombardi Junior, I. (2018). Força muscular de membros inferiores em mulheres com artrite reumatoide e mulheres sem a doença. Fisioterapia E Pesquisa, 25(4), 364-368. https://doi.org/10.1590/fpusp.v25i4.152854
Seção
Pesquisa Original