Força de preensão manual prediz moderadamente a recuperação sensório-motora avaliada pela escala Fugl-Meyer

  • Thayane Correa Pereira Brandão Universidade Nove de Julho
  • Felipe Pereira da Silva Universidade Nove de Julho
  • Soraia Micaela Silva Universidade Nove de Julho
Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Hemiplegia, Força Muscular, Dinamômetro de Força Muscular

Resumo

O acidente vascular encefálico pode deixar sequelas neurológicas, motoras e sensitivas. Para avaliar e acompanhar o prognóstico do paciente, são usados diversos instrumentos funcionais de medida, como a escala de Fugl-Meyer, que apesar de amplamente utilizada para estimar a recuperação sensório-motora, é uma avaliação longa e que exige treinamento. Diante disso, o objetivo deste estudo é analisar se a força de preensão manual, o timed up and go e a medida de independência funcional podem predizer os resultados da escala Fugl-Meyer, com o intuito de otimizar o tempo de avaliação da recuperação sensório-motora, tanto para o acompanhamento da resposta ao tratamento quanto para pesquisas científicas. Para tanto, avaliou-se a força de preensão manual de 35 hemiparéticos crônicos, e em seguida foram aplicadas à escala Fugl-Meyer, que avalia a recuperação motora, a medida de independência funcional nas atividades motoras e o timed up and go, indicativo de mobilidade funcional. Para análise estatística utilizou-se a regressão linear múltipla (r2). A força de preensão manual mostrou-se preditora da recuperação motora (r2=0,46; p=0,001), enquanto a mobilidade (r2=0,255; p=0,007) e a independência funcional (r2=0,054; p=0,2) não foram capazes de predizer os resultados da escala Fugl-Meyer. Após análise, pôde-se inferir que a força de preensão manual é preditora moderada da recuperação motora pós-acidente vascular encefálico, enquanto mobilidade e a independência funcional, não.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayane Correa Pereira Brandão, Universidade Nove de Julho

Discente do curso de Fisioterapia da Universidade Nove de Julho (Uninove)

Felipe Pereira da Silva, Universidade Nove de Julho

Discente do curso de Fisioterapia da Universidade Nove de Julho (Uninove)

Soraia Micaela Silva, Universidade Nove de Julho

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação da Universidade Nove de Julho (Uninove)

Publicado
2018-12-17
Como Citar
Brandão, T., Silva, F., & Silva, S. (2018). Força de preensão manual prediz moderadamente a recuperação sensório-motora avaliada pela escala Fugl-Meyer. Fisioterapia E Pesquisa, 25(4), 404-409. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/fpusp/article/view/152872
Seção
Pesquisa Original