Queixas musculoesqueléticas no ombro

características dos usuários e dos atendimentos na atenção primária

  • Júlia Gonzalez Fayão Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Thiele de Cássia Libardoni Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Jaqueline Martins Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Cesário da Silva Souza Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Anamaria Siriani de Oliveira Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
Palavras-chave: Dor Musculoesquelética, Ombro, Atenção Primária à Saúde

Resumo

A dor no ombro representa a terceira principal queixa musculoesquelética da população. Afeta fatores físicos, psicológicos e econômicos do indivíduo. A atenção primária à saúde é essencial para a eficácia do cuidado dos pacientes acometidos. Este estudo é observacional transversal e obteve um perfil dos usuários e das consultas médicas com relato de dor no ombro durante um ano na atenção primária do município de Ribeirão Preto (SP). Foram analisados em prontuários os registros das consultas médicas agendadas e sem agendamento prévio. Nestes registros foram coletados dados dos pacientes que apresentaram queixas de dor musculoesquelética no ombro (dados sociodemográficos e características das consultas), que foram analisados de forma descritiva e pelos testes qui-quadrado de Pearson, razão de chance e regressão logística múltipla. A frequência de consultas médicas por queixa de dor no ombro foi de 9,2%. O perfil dos indivíduos que se queixaram de dor no ombro se caracterizava por mulheres, com idade avançada, casadas, alfabetizadas e que apresentavam alguma ocupação. As consultas em sua maioria tiveram retornos agendados, oferecimento de orientações terapêuticas e poucos encaminhamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-04-22
Como Citar
Fayão, J., Libardoni, T., Martins, J., Souza, C., & Oliveira, A. (2019). Queixas musculoesqueléticas no ombro. Fisioterapia E Pesquisa, 26(1), 78-84. https://doi.org/10.1590/1809-2950/18016826012019
Seção
Pesquisa Original