Geografia da população e Literatura

sobre a viabilidade desse encontro e seus possíveis resultados

Autores

  • José Carlos Milléo Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.164103

Palavras-chave:

Geografia da População, Literatura, Paisagem

Resumo

A geografia da população acumula um considerável cabedal de conhecimentos sobre o homem nos aspectos mais básicos de sua existência. Neste manancial encontram-se ali dissecados as possibilidades e escolhas de consumo deste homem, a duração de sua existência, seu sexo e suas tendências reprodutivas e até mesmo os aspectos de sua morte. É preciso reconhecer que essa operação de triagem, classificação e ponderação mostra-se altamente eficaz no processo de administração dos crescentes números sob a tutela e vigilância do Estado ou nas esferas do planejamento privado. Por outro lado, há uma incômoda lacuna entre este ramo e a literatura. Esta, se não tem o homem como objeto único, lhe está do mesmo modo visceralmente ligada, habilitando-se tranquilamente a tornar-se uma privilegiada fonte de inspiração ou de subsídios à geografia da população.

Assim, o objetivo deste artigo é passar em revista tal lacuna, enquanto busca simultaneamente investigar algumas de suas razões. Como decorrência do aludido objetivo, a paisagem aparece como um conceito que pode estabelecer esta ligação. Neste sentido, para fundamentar a proposição que ora encaminhamos, dois argumentos principais são convocados: a paisagem é examinada como um conceito dotado de grande tradição dentro da pesquisa geográfica, mas, principalmente, é considerada sua habilitação, tendo em vista a origem diretamente ligada à arte. Por fim, como saldo deste esforço são apontados alguns caminhos abertos à conciliação, com destaque para uma nova postura que a geografia da população precisa assumir diante da aparência, do visível, bem como do papel subjetividade na análise do fenômeno geográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos Milléo, Universidade Federal Fluminense

Graduado em Geografia pela Univesidade Estadual de Ponta Grossa - PR (1985) com mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Rio Claro - SP (1993) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense - RJ (2005). Professor adjunto da Universidade Federal Fluminense (Campus de Niterói), leciona e pesquisa na área de Geografia, com ênfase em Geografia da População. Atualmente se dedica ao estudo dos Indicadores Sociais e à construção de uma abordagem geografica desta questão.

Referências

CABRAL, Luís Otávio. A paisagem enquanto fenômeno vivido. Geosul, Florianópolis, v.5, 0.30, p 34-45, jul./dez. 2000.

CHEVALIER, Jacques. Espace de vie ou espace vécu? L'ambiguïté et les fondements du concept d'space vécu. L'Espace Géographique, n. 1, 1974.

CLAVAL, Paul. Epistemologia da Geografia. UFSC. Florianópolis. 2014.

CUNHA, Alexandre Mendes. Espaço, paisagem e população: dinâmicas espaciais e movimentos da população na leitura das vilas do ouro em Minas Gerais ao começo do século XIX. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 27, nº 53, p. 123-128, 2007.

DAMIANI, Amélia. População e Geografia. 5ª edição. Contexto: São Paulo, SP. 1991.107 p.

DE MARTONNE, Emannuel. Panorama da Geografia. Cosmos: Lisboa. 1953.

DARDEL, Eric. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, (1952- 2015).

DESROSIÉRES, Alain. La política de los grandes números. Barcelona: Melusina, 2004.

GEORGE, Pierre. Geografia da População. Coleção Saber Atual, Difel, São Paulo. 1971.

GÓES, Eda Maria; BELTRÃO SPOSITO, Maria Encarnação. Práticas espaciais, cotidiano e espaço público:o consumo como eixo da análise do calçadão de Presidente Prudente-SP. Revista da ANPEGE, [S.l.], v. 12, n. 19, p. 39-65, jun. 2017. ISSN 1679-768X. Disponível em: <http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/6373>. Acesso em: 03 maio 2019.

HUFF, Darrel. Como mentir com estatística. Rio de Janeiro: Edições Financeiras, 1968.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço. Rio de Janeiro. Bertrand, 2005.

MILLÉO, José Carlos. Mudanças sociais, população e espaço: buscando renovar as bases para o estudo dessa relação na contemporaneidade. Rev. Tamoios, São Gonçalo RJ, ano 10, n. 2, p. 88-100, jul/dez. 2014.

MOREIRA, Ruy. O Discurso do avesso (para a crítica da Geografia que se ensina). Rio de Janeiro: Contexto,.2014.

PAGANELLI, Tomoko. Reflexões sobre categorias, conceitos e conteúdos geográficos: seleção e organização. In: PONTUSHCKA, Nícia Nacib; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Geografia em Perspectiva.. São Paulo: Contexto.2002. p.149-158

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1997.

SERPA, Angelo. Milton Santos e a paisagem: parâmetros para a construção de uma crítica da paisagem contemporânea. Paisagem Ambiente: ensaios, n. 27, São Paulo, p. 131 – 138, 2010.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 2013.

TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE e SUPREN,1977.

ZUSMAN, Perla. La descripción en Geografía: un método, una trama. Boletín de Estudios Geográficos, nº 102, p. 135-149, 2014. Disponível em: <http://bdigital.uncu.edu.ar/6811>. Acesso em: 03 mai.2019.

Downloads

Publicado

2020-10-15

Como Citar

Milléo, J. C. (2020). Geografia da população e Literatura: sobre a viabilidade desse encontro e seus possíveis resultados. Revista Geografia, Literatura E Arte, 2(1), 91-106. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.164103

Edição

Seção

Artigos