Paisagem e Literatura

análises geoliterárias no poema Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.167379

Palavras-chave:

Paisagem, Geografia, Literatura

Resumo

Literatura e Geografia caminham lado a lado na materialização do ficcional para o real, dentro de um processo mimético. Assim, este trabalho tem por objetivo trazer observações feitas a partir da leitura do poema Morte e Vida Severina, escrito por João Cabral de Melo Neto, entre os anos de 1954 e 1955, e publicado em 1956. Este poema conta a história de Severino, homem que sai do Sertão em busca de uma melhor qualidade de vida. A metodologia utiliza-se de uma revisão bibliográfica em que apontamos como principais fontes teóricas de consulta: Bachelard (1986), Monteiro (2002), Feitosa (2010), Pinheiro Neto (2012) e Alves (2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Elias Pinheiro Neto, Universidade Estadual de Goiás

É licenciado em Letras (Português/Inglês) pela Universidade Estadual de Goiás (2001) e em Direito pela Universidade Federal de Goiás (1997), especialista em Ensino da Literatura pela Universidade Estadual de Goiás (2003) e Língua Inglesa pela Universidade Estadual de Goiás (2004), mestre em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (CAC/UFG-2011) e doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP-2017). É docente efetivo da Universidade Estadual de Goiás desde 2014. No Câmpus Itapuranga desenvolve atividades de ensino e pesquisa nas graduações de Letras e Geografia, exerce também o cargo de Coordenador Adjunto do Curso de Letras (Português/Inglês) e Editor-Chefe do periódico digital Building the way (ISSN 1519-7220), No Câmpus Cora Coralina (Goiás) integra o quadro de professores no Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Língua, Literatura e Interculturalidade (POSLLI). É professor titular de Língua Portuguesa na Secretaria da Educação de Goiás (SEDUCE-GO). Integrante do Grupo de pesquisa: Geografia, Literatura e Arte (GEOLITEART) com sede na Universidade de São Paulo, regularmente cadastrado no CNPq, e dos Grupos de Estudos: Imaginário, Paisagem e Transculturalidade (GEIPaT), com sede na Universidade Federal de Goiás (IESA) e do Espaço, Sujeito e Existência, Dona Alzira, com sede na Universidade Federal de Goiás (LABOTER / IESA). Interessa-se por pesquisas na área de aproximação entre ciência e arte, especialmente em Geografia e Literatura e estudos de Literatura Brasileira.

Júlio César Suzuki

Graduado em Geografia (UFMT, 1992) e em Letras (UFPR, 2004), com mestrado (USP, 1997) e doutorado (USP, 2002) em Geografia Humana e estágio pós-doutoral na Université Panthéon-Sorbonne (2007-2008), Université Rennes 2 (2014-2015) e Université de Pau et des Pays de l’Adour (2014-2015). Atualmente, é professor do Departamento de Geografia/FFLCH/USP e orientador junto ao Programa de Pós-graduação em Integração da América Latina (PROLAM/USP). E-mail: jcsuzuki@usp.br.

André Luiz Martins de Lima, Universidade Estadual de Goiás / Câmpus Itapuranga

Graduando em Letras Português Inglês e suas respectivas literaturas – Acadêmico PIBIC/CNPq

Referências

ALVES, Ida Ferreira. Paisagem e poesia: uma certa maneira de ver e escrever. São Paulo: EDUSP, 2018.

ARAÚJO, Heloísa Araújo de. Geografia e Literatura: um elo entre o presente e o passado no Pelourinho. In: SILVA, Maria Auxiliadora da; SILVA, Harlan Rodrigo Ferreira da (Org.). Geografia, literatura e arte: reflexões. Salvador: Edufba, 2010. p. 33-50.

BACHELARD, Gaston. O direito de sonhar. 2. ed. São Paulo: DIFEL, 1986.

DEZIDERO, Débora Bueno Brochado; TERRA, Ronaldo. Morte e Vida Severina: um universo simbólico. Ateliê de História, v. 3, n. 1, p. 243-255, 2015. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/ahu/article/view/4950/4790. Acesso em: 18 ago.2018.

FEITOSA, Antonio Cordeiro. O conhecimento e a experiência como condição fundamental para a percepção da paisagem. In: ALVES, Ida; FEITOSA, Márcia Manir Miguel (Org.). Literatura e paisagem: perspectivas e diálogos. Rio de Janeiro: Editora da UFF, 2010. p. 31-42.

MARANDOLA, Janaina de Alencar e Silva. Caminhos de morte e de vida o rio Severino de João Cabral de Melo Neto. 2007. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2007. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/95656. Acesso em 30 nov.2019.

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. O mapa e trama: ensaios sobre o conteúdo geográfico em criações romanescas. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2002.

PINHEIRO NETO, José Elias. Geografia e literatura: a paisagem ficcional em O mapa e a trama. In.: XIX Encontro Nacional de Geógrafos I - ENG., 2018, João Pessoa. Anais eletrônicos. João Pessoa: UFPA, 2018. Disponível em: http://www.eng2018.agb.org.br/resources/anais/8/1531397355_ARQUIVO_GEOGRAFIAELITERATURA.pdf. Acesso em: 30 nov. 2019.

______. Geografia e Literatura: a paisagem geográfica e ficcional em Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. Boletim Campineiro de Geografia, n. 2, v. 2, São Paulo: UNICAMP, 2012. Disponível em: http://agbcampinas.com.br/bcg/index.php/boletim-campineiro/article/view/61. Acesso em: 10 fev. 2020. p. 322 - 340.

SUZUKI, Júlio César. Espaço na crônica de Mário de Andrade – O Turista Aprendiz. Geograficidade, v.1, n.1, Inverno, Niterói: UFF, 2011, p. 87-98. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geograficidade/article/view/12810/pdf. Acesso em: 05 ago. 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-15

Como Citar

Pinheiro Neto, J. E., Suzuki, J. C., & Lima, A. L. M. de. (2020). Paisagem e Literatura: análises geoliterárias no poema Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. Revista Geografia, Literatura E Arte, 2(1), 50-63. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.167379

Edição

Seção

Artigos