Arte pictórica e Cartografia Turística

a eficácia e a ludicidade dos mapas de orientação para o visitante

Autores

  • Sérgio Ricardo Fiori Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2019.168161

Palavras-chave:

Arte, Cartography, Turismo

Resumo

Há séculos, a arte pictórica é utilizada como um dos recursos no desenvolvimento de mapas. O artigo se atém mais especificamente aos produtos cartográficos direcionados a orientação do visitante em momentos de lazer e turismo, que se caracteriza por três fatores essenciais: deve ser informativo (o que é, onde, a que distância), meio de divulgação (marketing), e tem como público potencial pessoas que em geral desconhecem a linguagem cartográfica. Neste contexto, demonstra-se a grande importância do uso da arte pictórica em mapas para o turismo, ressaltando o lúdico, e ao mesmo tempo, a eficácia do produto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Ricardo Fiori, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Em 2011 inicia um pós-doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. A pesquisa visa o desenvolvimento, o uso e a avaliação de mapas temáticos para o lazer e o turismo adaptados a multimídia interativa por meio de um site. Bacharel, mestre e doutor em Geografia pela Universidade de São Paulo. É assessor acadêmico da Academia de Viagens e Turismo (AVT) que, em conjunto com o Laboratório de Ensino e Material Didático (LEMADI) do Departamento de Geografia da FFLCH/USP, realiza cursos e desenvolve materiais didáticos para professores e alunos do ensino fundamental, médio e profissionalizante. Desde 2006 compõe a equipe do projeto ";;Caminhos do Futuro";;, uma parceria entre o Ministério do Turismo, IAP (Instituto de Academias Profissionalizantes), AVT e Núcleo de Turismo da Universidade de São Paulo (http://www.caminhosdofuturo.com.br). Neste projeto, o pesquisador já realizou inúmeras palestras, oficinas, mapas e materiais didáticos relacionados aos temas Cartografia e Turismo em 16 estados brasileiros. Em 2007 também desenvolveu uma coleção de mapas turísticos do município de São Paulo para a SPTuris (http://www.spturis.com/download/mapas.php). Trabalha como ilustrador para algumas editoras em materiais didáticos e paradidáticos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Cartografia Temática, Pictografia / Ilustração, Confecção de Mapas, Turismo e Orientação.

Referências

BARRETO, Margarita. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 9ª ed. Campinas: Papirus, 2000. 164p.

BENI, Mário Carlos. Análise estrutural do turismo. São Paulo: Senac, 1998. 427p.

BERTIN, Jacques. Ver ou ler: um olhar sobre a cartografia - Seleção de textos. Associação dos Geógrafos Brasileiros. São Paulo, SGB, n°. 18, p. 45-53, 1988.

CAMARGO, Luiz Otávio de Lima. Sociologia do lazer. In: ANSARAH, M. G. R. (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. São Paulo: Ed. Senac, 2001. p.235-273.

CARNEIRO, Rosa Janaina Britto. Sinalização turística: diretórios e sistemas nacionais e internacionais. 2001. 206 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.

COELHO NETO, José Teixeira. Semiótica, informação e comunicação. 4ª ed., São Paulo: Editora Perspectiva, 1996. 220 p.

DAVID RUMSEY MAP COLLECTION. Afrique. Anville, Jean Baptiste Bourguignon, 1749. Disponível:<https://www.davidrumsey.com/maps81.html>. Acesso em 21 set. 2020.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. 3ª ed., São Paulo: Martins Fontes, 2015. 235 p.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. 2ª. ed., São Paulo: Editora Perspectiva S.A, 1999. 244p.

DUZER, Chet Van. Sea Monsters on Medieval and Renaissance Maps. London: British Library, 2014. 144 p.

ELETRONUCLEAR. Estudo de Impacto Ambiental de Angra 3: mapa de suscetibilidade à ocorrência de deslizamentos, 2005. Disponível:<http://antigo.nuclear.ufrj.br/eia/anexos/ volume02/anexo17.jpg>. Acesso em 26 mar.2020.

FERNANDES, Manoel do Couto; SALOMÃO GRAÇA, Alan José. Conceitos e aplicações cartográficas diante das necessidades da cartografia turística. In: ARANHA, R. C.; GUERRA, A. J. T. Geografia Aplicada ao Turismo. São Paulo: Oficina de Textos, p. 28-55, 2014.

FIORI, Sérgio Ricardo. Mapas turísticos: o desafio do uso da arte na era digital. 2003. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, 2003.

FIORI, Sérgio Ricardo. Mapas para o turismo e a interatividade: proposta teórica e prática. 2008. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, 2008.

FIORI, Sérgio Ricardo. Cartografia e as dimensões do lazer e turismo: o potencial dos tipos de representação cartográfica. Revista Brasileira de Cartografia. Rio de Janeiro, v.62, n°. 3, p. 527-542, out. 2010. Disponível:<http://www.seer.ufu.br/index.php/ revistabrasileira cartografia/article/view/43688>. Acesso em 18 jun.2019.

FIORI, Sérgio Ricardo. Técnicas de desenho e elaboração de perfis. In: VENTURI, L.A.B. (Org.). Praticando Geografia: práticas de campo, laboratório e sala de aula. São Paulo: Editora Sarandi, p. 381-402, 2011.

FIORI, Sérgio Ricardo. Public Information Symbols in Tourism: importance, challenges, dimensions and empirical research. Revista Brasileira de Cartografia. Rio de Janeiro, v.66, n°.7, p. 1567-1586, dez. 2014. Disponível:<http://www.seer.ufu.br/index.php/

revistabrasileira cartografia/article/view/44748>. Acesso em 21 set. 2020.

FIORI, Sérgio Ricardo. Mapa turístico para o Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas: importância do produto e método para desenvolvimento e uso. In: ANGELO, E.R.B. e BARROS, L.O.C. (Org.). Territórios culturais no Rio de Janeiro: a Feira de São Cristóvão. Rio de Janeiro: Autografia, 2017. p. 282-316.

FIORI, Sérgio Ricardo; LUCENA, Rodolpho Willian Alves. O uso da comunicação visual na Geografia: a ilustração nos ambientes escolar, acadêmico e profissional. Caminhos de Geografia. Uberlândia, n°. 75, v. 21, p. 117-136, 2020. Disponível: Acesso em 20 jun. 2020.

FOLHA CARAGUATATUBA. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. Mapa color, 75x60cm, SF-23-Y-D-VI-1. Escala 1:50.000.

FOLHA PARANABI. Rio de Janeiro: IBGE, 1975. Mapa color, 75x60cm, SF-23-Y-D-VI-4. Escala 1:50.000.

FOLHA SÃO SEBASTIÃO. Rio de Janeiro: IBGE, 1975. Mapa color, 75x60cm, SF-23-Y-D-VI-3. Escala 1:50.000.

FRANCE PRESSE. Crescimento do número de turistas no mundo desacelerou em 2019, caindo 4%. G1, 20 jan.2020. Disponível:<https://g1.globo.com/turismo-e-viagem/ noticia/2020/01/20/crescimento-do-numero-de-turistas-no-mundo-desacelerou-em2019-caindo-4percent.ghtml>. Acesso em 01 set. 2020.

GERBER, Rodney.; BURDEN, Philip. e STANTON, Graham. Development of public Information Symbols for tourism and recreational mapping. The cartographic Journal, v. 27, p. 92-103, 1990.

HARLEY, John Brian. A nova história da cartografia. O correio da UNESCO. São Paulo: FGV, v. 19, n.8, p.4-9, 1991.

HARVARD MAP COLLECTION. Embellishing the map: How cartographers confronted empty spaces. Disponível:<https://www.arcgis.com/apps/MapJournal/index. html? appid=d308acff91544f90af5f1ebdde50549f>. Acesso em 18 jun. 2020.

IGNARRA, Luiz Renato. Fundamentos do Turismo. 2ª. ed., São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. 205p.

INTERNATIONALE TOURISMUS BÖRSE. Maps for tourists: a systematic approach to tourist cartography. Berlin: International Tourist Fair, p. 163-168, 1987.

KOLACNY, Antonín. The nature of cartographic communication. Canadian Cartographer. Toronto: University of Toronto Press, n°. 19, p. 39-45, 1977.

MACKAY, Kelly J. e FESENMAIER, Daniel R. An exploration of cross-cultural destation image assessment. Journal of travel research, v. 38, p. 417-423, 2000.

MACKAY, Kelly J. e FESENMAIER, Daniel R. Pictorial element of destination in image formation. Annals of tourism research, v. 24, n°. 3, p. 537-565, 1997.

MOSCARDO, Gianna. Making visitors mindful: principles for creating sustainable visitor experiences through effective communication. Illinois: Sagamore Publishing, 1999, 132p. (Advances in tourism applications series)

NATIONAL LIBRARY OF AUSTRALIA. Atlas Catalan de 1375. Disponível: https://nla.gov.au/nla.obj-233077521/view. Acesso em 20 jul. 2019.

OLIVEIRA, Lívia de. Estudo metodológico e cognitivo do mapa. Tese de livre docência. Série teses e monografias, n°. 32. São Paulo: IGEOG-USP, 1978. 130 p.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva, 2012. 340 p.

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE ANGRA DOS REIS/RJ. Mapa de declividade de Angra dos Reis, 2013. Disponível: https://pt.slideshare.net/ceaangra dosreis/plano-municipal-de-saneamento-bsico-de-angra-dos-reis-produto-3. Acesso em 26 mar. 2020.

RAISZ, Erwin. Cartografia Geral. 2.ed., Rio de Janeiro: Ed. Científica, 1969. 414 p.

RODRIGUES, Alexandre; THOMÉ, Clarissa. Governador Sérgio Cabral (RJ) deu aval para construção de imóveis em encostas de Angra dos Reis. Laboratório de Climatologia e Análise Ambiental, 2010. Disponível:<http://www.ufjf.br/labcaa/2010/01/05/ governador-sergio-cabral-rj-deu-aval-para-construcao-de-imoveis-em-encostas-de-angra-dos-reis/>. Acesso em 26 mar.2020.

SALICHTCHEV, Konstantin Alexeevitch. Cartographic communication: its place in the theory of science. Canadian Cartographer. Toronto: University of Toronto Press, v. 15, n°. 2, p. 93-9, 1978.

SALOMÃO GRAÇA, Alan José e FIORI, Sérgio Ricardo. Proposal for a touristic web map of the south area of Rio: cartographic communication and the act of representing the landscape in different scales and levels of abstraction. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v. 67, nº 5, p. 1079 - 1090, 2015.

SANDERUS MAPS. Africa by Willem & Joan Blaeu. Disponível:<https://www.sanderus maps.com/our-catalogue/antique-maps/africa/old-antique-map-by-willem-joan-blaeu-27147>. Acesso em 21 set. 2020.

SANTAELLA, Lucia O que é semiótica? São Paulo: Brasiliense, 2012. 132 p.

SCHLICHTMANN, Hansgeorg. Characteristics traits of the semiotic system “map symbolism”. The Cartographic Journal, United Kingdom, v. 22, n°. 1, p. 61-72, 1985.

SIMIELLI, Maria Elena Ramos. Geoatlas. 12ª ed., São Paulo: Ática, 1993. 112p.

SIMIELLI, Maria Elena Ramos. O mapa como meio de comunicação: implicações no ensino de Geografia do 1° grau. 1986. 205 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SIMÕES, José Ferreira. Língua portuguesa aplicada à leitura e à produção de textos. Brasília: ATL, 2007. 260 p.

SOUZA, Sandra Maria Ribeiro de. Do conceito à imagem: fundamentos do design de pictogramas. 1992. 250 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, 1992.

THE JCB LIBRARY. Carta marina et description septentrionalium Terrarum. Disponível:<https://jcb.lunaimaging.com/luna/servlet/detail/JCBMAPS~1~1~1178~104010002:-Carta-marina-et-descriptio-septent>. Acesso em 18 jun. 2020.

TRINDADE POUSADAS. Mapa ilustrado de Trindade. Disponível:< http://www.trindadepousadas.com.br/mapa_de_trindade.html>. Acesso em 21 set. 2020.

VASCONCELLOS, Regina.; ALVES FILHO, Ailton P. Novo Atlas geográfico ilustrado e comentado. São Paulo: FTD, 1999. 88 p.

WOLLHEIM, Richard. A pintura como arte. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. 384p.

XAVIER, Gláucia do Carmo. Significante e significado no processo de alfabetização e letramento: contribuições de Saussure. Cadernos Cespuc, n°. 25, p. 87-102, 2014.

Downloads

Publicado

2020-10-15

Como Citar

Fiori, S. R. (2020). Arte pictórica e Cartografia Turística: a eficácia e a ludicidade dos mapas de orientação para o visitante . Revista Geografia, Literatura E Arte, 2(1), 51-76. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2019.168161

Edição

Seção

Artigos