Floninha e sua turma

proposta de educação ambiental a partir do teatro de fantoches

Autores

  • Tamiris Regina Ribeiro Souza de Souza Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Thallyta Shigeko Kobayashi Lameu Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Karine Bueno Vargas Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0001-7998-8522

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.168240

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Unidade de Conservação, Teatro de Fantoches

Resumo

A representação da arte através de fantoches é uma forma de expressão cultural e artística, que muito pode contribuir com a Educação Ambiental, sendo a ponte de interlocução entre o educador e o educando. A história de Floninha e sua turma (2019) teve seus personagens inspirados pela fauna e flora presentes na Unidade de Conservação Flona Mário Xavier/ICMBio, situada no município de Seropédica/RJ, e os problemas ambientais presentes na unidade foram transformados em personagens vilãs, sendo possível apresentar o contexto da paisagem e os impactos ambientais ali presentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamiris Regina Ribeiro Souza de Souza, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduanda em Licenciatura Plena/Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, bolsista do Programa de Bolsas Institucionais em Projetos de Extensão e Pesquisa em Direitos Humanos da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) com a pesquisa “Conhecendo a Memória Viva da Flona Mário Xavier e Fortalecendo o Pertencimento Socioambiental Seropedicense” e voluntária no Programa de Extensão Guarda Compartilhada Flona Mário Xavier (DGG/UFRRJ). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) e integrou o Laboratório Sentidos Urbanos e Juventude (LabSuJu), pesquisando gênero, raça, espacialidade e rodas de samba.

Thallyta Shigeko Kobayashi Lameu, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduanda em Geografia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Atualmente é bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) e realiza pesquisas pelo Laboratório integrado de Geografia Física Aplicada (LiGA/UFRRJ). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e voluntária do projeto de extensão Guarda Compartilhada Flona Mário Xavier (UFRRJ).

Karine Bueno Vargas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduada em Geografia (bacharelado/licenciatura) pela Universidade Estadual de Maringá - UEM. É Mestra e Doutora em Geografia (Análise Ambiental e Regional) pelo Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Maringá - UEM. Atualmente é professora adjunta do Departamento de Geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e do Programa de Pós-Graduação em Geografia - PPGGEO. Faz parte do Laboratório Integrado de Geografia Física Aplicada (LIGA), coordena o Programa Residência Pedagógica (Núcleo Geografia Seropédica), o Grupo de Estudos em Biogeografia e Dinâmicas da Paisagem, o Programa de Extensão Guarda Compartilhada Flona Mário Xavier e o Grupo de trabalho de Educação Ambiental do Comitê Guandu. Possui experiência em Geografia Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Geomorfologia, Biogeografia, Educação Ambiental e Ensino de Geografia Física.

Referências

BALDIN, N.; DALRI, S. A.; HOFFMANN J. F.; DESORDI D. A. C.; MENDONÇA, F. P.; MANNES, M. Teatro de Fantoches e Educação Ambiental: A importância pedagógica dessa relação. Revista Educação Ambiental em Ação, n. 34, dez. 2010 (digital). Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=959. Acesso em: 19 ago. 2020.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997, p. 126.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 19 ago. 2020.

GUERRA, R. A. T.; GUSMÃO, C. R.C.; SIBRÃO, E. R. Teatro de Fantoches: uma estratégia em Educação Ambiental. In: Global Trends on Environmental Education. AZEITEIRO, U. M.; PEREIRA, M. J.; LEAL-FILHO, W.; CAEIRO, S.; BACELAR-NICOLAU, P.; MORGADO, F.; GONÇALVES, F. (Eds). Discursos. Universidade Aberta, Lisboa, nº especial, p. 361-375. 2004.

KOMATSU, A. Rã de 2 cm interrompe obra de PAC no Rio. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 04 out.2019. Economia & Negócios. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,ra-de-2-cm-interrompe-obra-do-pac-no-rio,445646. Acesso em: 04 jan. 2020.

MAGALHÃES, C. S.; VIEIRA, V. T.; SCHLEE, R. L. As Lições Sobre Educação Ambiental nos Livros de Literatura Infantil – Ensinando Modos de Cuidar do Planeta. CONEDU – Congresso Nacional de Educação, 18 a 20 de setembro de 2014. Anais... Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/index.php/artigo/visualizar/6935. Acesso em: 19 ago. 2020.

MARTINS, D. H. O diálogo entre Geografia e a arte: aproximações possíveis a partir de um categórico geográfico. Revista Espaço Acadêmico, nº. 192, p. 97-108, maio/2017.

MILARÉ, É. Fantoches e Outras Histórias. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente do Governo do Estado de São Paulo, 1994.

OLIVEIRA, W. C. de. A contribuição da Geografia para a Educação Ambiental: As Relações Entre a Sociedade e a Natureza no Distrito Federal. 2007. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade de Brasília, 2007.

OLIVEIRA, A. R. A.; RODRIGUES, J. V. DA R.; SILVA, ARAÚJO, L.; DAYUBE, T. A.; FERREIRA, M. S. G. F.; MOREIRA, L. O.; VARGAS, K. B. O uso do aplicativo Vicon Saga na criação de roteiro biogeográfico na trilha Jibóia/trilha do valão do drago na Floresta Nacional Mário Xavier – Seropédica – RJ. In: IV Jornada de Geotecnologias (JGEOTEC), Seropédica, 2018.

REZENDE, I. M. N. de; MAGALHÃES, K. M. Teatro de Fantoches: Uma Ferramenta em Educação Ambiental. Revista Educação Ambiental em Ação, n. 44, jun./ago. 2013. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1518. Acesso em: 19 ago. 2020.

SANTOS, M. A natureza do espaço: Técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 2 reimpr. São Paulo: Edusp, 2006.

SOARES, L. M. de S. Teatralizando o Ensino de Geografia. Revista Brasileira de Educação em Geografia. Campinas-SP, v.3, n.5, p. 57-81, jan./jun., 2013. Disponível em: http://www.revistaedugeo.com.br/ojs/index.php/revistaedugeo/article/view/56. Acesso em: 26 mar. 2020.

SOUZA, R. L. N. Restauração da Mata Atlântica: potencialidades, fragilidades, e os conflitos ambientais na floresta nacional Mário Xavier, Seropédica/RJ. 2017. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2017.

VARGAS, K. B.; FARIAS, H.; SAMPAIO, A. C.; BARROS, R. C.; SOUZA, R. L. N. A Floresta Nacional Mario Xavier como espaço livre de uso público no município de Seropédica-RJ. 1º Edição. Tupã: Editora: ANAP, 2019, p. 115-133.

Downloads

Publicado

2020-10-15

Como Citar

Souza, T. R. R. S. de, Lameu, T. S. K., & Vargas, K. B. . (2020). Floninha e sua turma: proposta de educação ambiental a partir do teatro de fantoches. Revista Geografia, Literatura E Arte, 2(1), 36-49. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2020.168240

Edição

Seção

Artigos