Medeia e Gota D'Água

espaços em desvario e o devir-vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.174360

Palavras-chave:

Medeia e Gota D’Água, Espaços em desvario, Linhas de fuga, Devir-vida

Resumo

Em Medeia (Sêneca), a mãe, Medeia, contra o desterro, mata os filhos; em Gota D’Água (Chico Buarque e Paulo Pontes), Joana, a Medeia carioca-brasileira, mata os filhos como “solução” final contra o despejo. Ambas, tragédias! Será? Aqui propomos pensar as mortes como “linhas de fuga” deslocando as tragédias para os mundos da normalidade e da normatividade do reino gerido pelo rei (Medeia) e do conjunto habitacional controlado pelo dono (Gota D’Água). Em uma e em outra narrativa as mortes criam espaços em desvario, denunciando que as vidas são mais que objetos a serem comandados por forças de linhas duras ou segmentares, e inventam, extraordinariamente, um devir-vida sem culpa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jones Dari Goettert, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutor em Geografia (Pres. Prudente) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004); pós-doutorado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (2010-2011) e especialização em Literatura: Tradição e Cânone Literário pela Universidade Federal da Grande Dourados (2012-2013). Atualmente é professor da Universidade Federal da Grande Dourados

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2003.

BUARQUE, Chico & PONTES, Paulo. Gota D’Água. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

CARDOSO, Zelia de Almeida. O tratamento das paixões nas tragédias de Sêneca. Letras Clássicas. N. 3. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas –FFLCH-USP, 1999, p. 129-145.

DELEUZE, Gilles. Abecedário. s/d. http://www.oestrangeiro.net/esquizoanalise/67-o-abecedario-de-gilles-deleuze (acessado em 13/3/2012).

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Kafka: para uma literatura menor. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Mil platôs. Vol. 3. São Paulo: Ed. 34, 1996.

FERNANDES, Florestan. A função social da guerra na sociedade Tupinambá. 2 ed. São Paulo, Pioneira, 1970.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HOBSBAWM, Eric J. & Joan W. Scott. Sapateiros politizados. In: HOBSBAWM, Eric J. Mundos do trabalho. 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000, p. 149-191.

LUKÁCS, György. Arte e sociedade: escritos estéticos (1932-1967). 2 ed. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 2011.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

ROY, Arundhati. O deus das pequenas coisas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SÉNECA. Medeia. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos – Universidade de Coimbra, 2011.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar. São Paulo: Difel, 1983.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia. São Paulo: Difel, 1980.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

Goettert, J. D. (2018). Medeia e Gota D’Água: espaços em desvario e o devir-vida. Revista Geografia, Literatura E Arte, 1(2), 52-73. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.174360

Edição

Seção

Artigos