Espaço, Sujeito e existência

mediações entre Geografia e Literatura - o exemplo da representação de Goiânia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.174361

Palavras-chave:

Espaço, Sujeito, Existência, Narrativa literária, Goiânia

Resumo

Ao se indispor contra uma modalidade de pensar geográfico preso ao formalismo acadêmico e negar o sentido ornamental da literatura, propor-se-á uma análise de Goiânia, por meio da aglutinação entre Espaço, Sujeito e Existência. Objetiva-se demonstrar, por meio da interpretação de poemas, o modo pelo qual Goiânia, como uma metrópole regional radicada na Região Centro-Oeste, configura-se  como uma cidade dada à diferentes representações e à diferentes práticas sociais. O pressuposto central do trabalho baseia-se nisso: como filha objetiva do mundo, a literatura alicerça meios subjetivos de se pensar o espaço de maneira sutil e profunda. Sendo assim, cabe aos geógrafos que se ocupam em mediar leituras entre geografia e literatura, interessarem-se pelo adentramento ao mundo, não escapar-se dele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eguimar Felício Chaveiro, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Geografia pela Universidade Católica de Goiás (1987), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Goiás (1996) e doutorado em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Goiás. É coordenador do Núcleo de estudos Espaço, Sujeito e Existência "Dona Alzira".

Referências

ALMEIDA, Maria Geralda & RATTS Alecsandro J. P. (orgs.). Geografia: leituras culturais. Goiânia, GO: Alternativa, 2003, p. 71-88.

BARBOSA, Angelluz. Os guardados da cidade. Poesia. In: CHAVEIRO, Eguimar Felício. Goiânia, travessias sociais e paisagens cindidas. Goiânia, GO: UCG (Coleção: Goiânia em prosa e verso), 2007, p. 66-68.

BARTHES, R. A Aventura semiológica. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fonte, 2001.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. 5ª Ed. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo, SP: Brasiliense, 1985.

BORJA, Jordi & CASTELLS, Manuel. El impacto de La globalización sobre la estructura espacial y social de las ciudades. In: BELIL, Mireia y BENNER, Chris. Local y Global: la gestión de las ciudades em la era de la información. United Nations for Human Settlements (Habitat). Taurus (Pensamiento), 1997, p. 35-74.

CHAVEIRO, Eguimar Felício. Goiânia Reinventada. Goiânia, GO: PUC-GO/Kelps (Coleção: Goiânia em prosa e verso), 2011.

CHAVEIRO, Eguimar Felício. Goiânia, travessias sociais e paisagens cindidas. Goiânia, GO: UCG (Coleção: Goiânia em prosa e verso), 2007.

CLANDININ, D. Jean & CONNELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa. Experiência e História em Pesquisa Qualitativa. Uberlândia, MG: Edufu, 2011.

FELÍCIO, Brasigóis. Viver é devagar. Goiânia, GO: Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer (Coleção Caliandra de Prosa e Poesia), 1996.

FERRARA, Lucreécia D’ Alésio. Ver a cidade. São Paulo, SP: Nobel, 1988.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Palavra e Verdade: na filosofia antiga e na psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Editora Zahar, 1995.

GOLDMANN, Lucien. Dialética e cultura. Tradução: Luiz Fernando Cardoso e Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1967.

LIMA, Solange Teresinha de. Geografia e literatura: alguns pontos sobre a percepção da paisagem. Geosul, Revista do Departamento de Geociências. Florianópolis, SC. V. 15, n.30. pp.7-33, jul/dez. 2000.

LUKÁCS, Georg. Ensaios sobre literatura, 2ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 1968.

MARTINS, Sérgio. A cidade nas sombras da ordem. In: Revista do departamento de Geografia. São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, n° 10, 1996, p. 111-125.

MENDONÇA TELES, José. Crônicas da Campininha. Goiânia, GO: Editora Kelps, 1995.

NASCENTE, Gabriel, Janelas da insônia: poemas. Goiânia, GO: Editora O Popular, 1988.

ORTEGA, José Gasset. A desumanização da arte e outros ensaios da estética. Tradução Miguel Serras Pereira. Coimbra: Almedina, 2003.

PESSANHA, Juliano Garcia. Instabilidade Perpétua. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2009.

SCLIAR. Moacyr. A poesia das coisas simples. Crônicas. Organização e Prefácio: Regina Zilberman. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2012.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e Emoção. São Paulo, SP: HUCITEC, 1996.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo; A imaginação; Questão de Método, Tradução de Rita Correia Guedes, Luiz Roberto Salinas, Bento Prado Júnior. São Paulo, SP: Nova Cultura. 3ª Ed., 1987.

SILVA, Valéria Cristina Pereira da. Representação das cidades. Formação, Presidente Prudente, nº 8, p. 75-86, 2001.

SOUZA. Andréia Aparecida Moreira de. Geografia e literatura. A Representação de Goiânia em Fragmentos de Viver é Devagar de Brasigóis Felício. Goiânia, GO: Kelps, 2010.

TEZZA, Cristovão. O fotógrafo. 2ª ed. revista. Rio de Janeiro, RJ: Record, 2011.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

Chaveiro, E. F. (2018). Espaço, Sujeito e existência: mediações entre Geografia e Literatura - o exemplo da representação de Goiânia. Revista Geografia, Literatura E Arte, 1(2), 74-89. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.174361

Edição

Seção

Artigos