A cidade como espaço de batalha: de Gaza ao Rio de Janeiro

  • Márcio José Mendonça Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Militarization. Urban War. Vertical Geopolitics. Political Volume. Urbicide.

Resumo

Este estudo enxerga a cidade não apenas como o lugar primordial de realização do capitalismo, mas também como palco das futuras guerras, uma vez que se observa que tem sido tomada e pensada como espaço de batalha nas guerras contemporâneas. Consideramos que a cidade vem sendo utilizada por grupos insurgentes, tais como terroristas, rebeldes e traficantes de drogas, que se escondem e utilizam a infraestrutura física da cidade no combate a exércitos regulares como uma forma de diminuir sua inferioridade em relação ao poderio militar. Por conta disso, a própria vida na cidade vem sendo afetada por conflitos em terreno urbano, que visam destruir não só o inimigo, mas também seu espaço de sobrevivência, negando-lhe a cidade. Essa destruição do espaço urbano como parte de uma estratégia de guerra é analisada primeiramente em Gaza, para, em seguida, questionarmos em que medida isso se dá na cidade do Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio José Mendonça, Universidade Federal do Espírito Santo
Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes.

Referências

ADEY, P. Aerial life: spaces, mobilities, affects. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010a.

______. Vertical security in the megacity: legibility, mobility and aerial politics. Theory, Culture and Society, v. 27, n. 6, p. 51-67, 2010b.

AGAMBEN, G. Estado de exceção. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALVES, M. H. M.; EVANSON, P. Vivendo no fogo cruzado: moradores de favela, traficantes de droga e violência policial no Rio de Janeiro. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

ARAÚJO, V. Policiais militares viram ‘robocops’ para conter violência em protestos. O Globo Rio, Rio de Janeiro, 27 fev. 2014. Disponível em: https://oglobo.globo.com/rio/policiais-militares-viram-robocops-para-conter-violencia-em-protestos-11730343. Acesso em: 1 jun. 2015.

BELCHER, O. C. The occupied Palestinian territories and late-modern wars. Human Geography, v. 4, n. 1, p. 1-9. 2011.

COWARD, M. Urbicide in Bosnia. In: GRAHAM, S. (Org.). Cities, war, and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004. p. 154-171.

DAVIS, M. Cidade de quartzo: escavando o futuro em Los Angeles. São Paulo: Boitempo, 2009.

______. Planeta favela. São Paulo: Boitempo, 2006.

ELDEN, S. Secure the volume: vertical geopolitics and the depth of power. Political Geography, v. 34, p. 35-51, 2013.

______. Terror and territory: the spatial extent of sovereignty. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2009.

GRAHAM, S. Cities under siege: the new militar urbanism. Londres: Verso, 2011.

______. Constructing urbicide by bulldozer in the occupied territories. In: ______ (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004a. p. 192-213.

______. Vertical geopolitics: Baghdad and after. Antipode: a radical journal of geography, v. 36, p. 12-23, 2004b.

GRAHAM, S.; HEWITT, L. Getting off the ground: on the politics of urban verticality. Progress in Human Geography, v. 37, p. 72-92, 2012.

HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HILLS, A. Continuity and discontinuity: the grammar of urban military operations. In: GRAHAM, S. (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004. p. 231-250.

HISTÓRICO. UPP RJ, [S.d.]. Disponível em: http://www.upprj.com/index.php/historico. Acesso em: 9 dez. 2017.

KHALILI, L. A habit of destruction. Society & Space, ago. 2014. Disponível em: http://societyandspace.com/material/commentaries/laleh-khalili-a-habit-of-destruction/. Acesso em: 28 ago. 2014.

MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo/Carta Maior, 2013.

MISSE, M. Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

RANGEL, S. UPP é apresentada como trunfo para segurança da Rio-2016.

Folha UOL, São Paulo, mar. 2013. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/esporte/2013/03/1248735-upp-e-apresentada-como-trunfo-para-seguranca-da-rio-2016.shtml. Acesso em: 1 jun. 2015.

SHAW, M. New wars of the city: relationship of “urbicide” and “genocide”. In: GRAHAM, S. (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004. p. 141-153.

SLOTERDIJK, P. Terror from the air. New York: Semiotext, 2009.

SOARES, L. E. Meu casaco de General: 500 dias no front da segurança pública no Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SOLDADO Robocop. O Dia, Rio de Janeiro, 31 mar. 2012. Disponível em: http://odia.ig.com.br/portal/rio/soldado-robocop-1.426217. Acesso em: 1 jun. 2015.

SOUZA, M. L. de. Fobópole: o medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

______. As drogas e a “questão urbana” no Brasil. A dinâmica sócio-espacial nas cidades brasileiras sob a influência do tráfico de tóxicos. In: CORRÊA, R. L.; GOMES, P. C. da C.; CASTRO, I. E. de (Org.). Brasil: questões atuais da reorganização do território. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. p. 419-468.

WEIZMAN, E. Hollow land: Israel’s architecture of occupation. Nova York: Verso, 2012.

______. Strategic points, flexible lines, tense surfaces, and political volumes: Ariel Sharon and the geometry of occupation. In: GRAHAM, S. (Org.). Cities, war and terrorism: towards an urban geopolitics. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2004. p. 172-191.

______. The politics of verticality. Open Democracy, 2002. Disponível em: http://www.opendemocracy.net/ecology-politicsverticality/article_801.jsp. Acesso em: 26 mar. 2014.

Publicado
2018-03-15
Como Citar
Mendonça, M. (2018). A cidade como espaço de batalha: de Gaza ao Rio de Janeiro. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 21(3), 685-702. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.105565
Seção
Artigos