Campos da Zona da Mata: fatores zonais e azonais na composição fitogeográfica do município de Lima Duarte-MG

  • Roberto Marques Neto Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Campos rupestres. Campos altimontanos. Cristas quartzíticas. Lima Duarte.

Resumo

No domínio tropical atlântico, uma série de unidades de paisagem se consubstancia a partir da intersecção entre elementos zonais e azonais, existindo em meio a cinturões florestais uma série de fisionomias vegetais campestres na forma de redutos em condição de enclave forjado pela altitude e\ou fatores edáficos. A partir dessa premissa, este trabalho discute o quadro fitogeográfico do município de Lima Duarte, localizado na porção sudeste da Zona da Mata Mineira, numa abordagem geoecológica, correlacionando as manifestações fitofisionômicas com a litologia, o relevo, os solos e elementos climáticos. Indubitavelmente, é na conjugação desses fatores que se podem interpretar as diferentes formações florestais e campestres que ainda coexistem com as formas vigentes de uso da terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Marques Neto, Universidade Federal de Juiz de Fora
Prof. Adjunto do Departamento de Geociências e do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Juiz de Fora

Referências

AB’SÁBER, A. N. Brasil: paisagens de exceção: o litoral e o pantanal mato-grossense: patrimônios básicos. Cotia, SP: Ateliê, 2006.

______. Os domínios de natureza do Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2003.

______. Potencialidades paisagísticas brasileiras. Geomorfologia, n. 55, p. 1-28, 1977.

ABREU, N. L.; SANTIAGO, A. L.; MENINI NETO, L. Novos registros de Orchidaceae para a flora do estado de Minas Gerais, Brasil. Orchidstudium – International Journal of Orchid Study, v. 2, n. 2-3, p. 37-40, 2007.

BENITES, V. M. et al. Solos e vegetação nos complexos rupestres de altitude da Mantiqueira e do Espinhaço. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v. 10, n. 1, p. 76-85, 2003.

BERTALANFFY, L. V. Teoria geral dos sistemas. Petrópolis-RJ: Vozes, 1973.

CAVALCANTI, L. C. S. Da descrição de áreas à teoria dos geossistemas: uma abordagem epistemológica sobre sínteses naturalistas. Tese (Doutorado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

DIAS, H. C. T. et al. Geoambientes no Parque Estadual do Ibitipoca, município de Lima Duarte-MG. Revista Árvore, v. 26, n. 6, p. 777-786, 2002.

______. Geoambientes e pedogênese no Parque Estadual do Ibitipoca, município de Lima Duarte-MG. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) – Departamento de Solos, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2000.

DUTRA, S. M.; SALIMENA, F. R. G.; MEININI NETO, L. Annonaceae na Serra Negra, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 785-793, 2012.

FERRI, M. G. Vegetação brasileira. São Paulo: Edusp, 1980.

HEILBRON, M. et al. Província Mantiqueira. In: MANTESSO NETO, V. et al. (Org.). Geologia do continente sul-americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca, 2004. p. 203-234.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. (Série Manuais Técnicos em Geociências, 1).

ISACHENKO, A. G. Principles of landscape science and Physical Geography Regionalization. Carlton: Melbourne, 1973.

LEMOS, R. C.; SANTOS, R. D. Manual de método de trabalho de campo. Campinas-SP: SBCS, 1976.

MAGALHÃES, G. M. Sobre os cerrados de Minas Gerais. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 38, p. 59-70, 1966.

MARQUES NETO, R. Biogeografia dos complexos rupestres de altitude em quartzito no sul de Minas Gerais. Geografia, v. 39, n. 3, p. 511-523, 2014.

______ et al. Estrutura e dinâmica da paisagem no município de Lima Duarte-MG: uma abordagem geoecológica. Caminhos de Geografia, v. 15, n. 52, p. 134-150, 2014.

MESSIAS, M. C. T. B. et al. Fitossociologia de campos rupestres quartzíticos e ferruginosos do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica, v. 26, n. 1, p. 230-242, 2012.

MONTEIRO, R. F.; FORZZA, R. C. A família Bromeliaceae no Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Bol. Bot. Univ. de São Paulo, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 7-33, 2008.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. O mosaico de fitofisionomias do Parque Estadual do Ibitipoca. In: FORZZA, R. C. et al. (Org.). Flora do Parque Estadual do Ibitipoca e seu entorno. Juiz de Fora, MG: Editora da UFJF, 2013. p. 53-93.

RAPINI, A. et al. A flora dos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade, v. 4, n. 1-2, p. 15-23, 2008.

RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1979.

ROCHA, G. C. O meio físico da região de Ibitipoca: características e fragilidade. In: FORZZA, R. C. et. al. (Org.). Flora do Parque Estadual do Ibitipoca e seu entorno. Juiz de Fora, MG: Editora da UFJF, 2013. p. 27-52.

SEMIR, J. Revisão taxonômica de Lychnophora Mart. (Vernoniacea: compositae). Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) – Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1991.

UFJF. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Projeto Floresta Negra, [s.d]. Disponível em: http://www.ufjf.br/florestanegra/. Acesso em: 29 nov. 2015.

VALENTE, A. S. M.; GARCIA, P. O.; SALIMENA, F. R. G. Zona da mata mineira: aspectos fitogeográficos e conservacionistas. In: PAULA, A. P.; OLIVEIRA, L. (Org.) Arqueologia e patrimônio da zona da mata mineira. Juiz de Fora, MG: Editar, 2006. p. 79-91.

VASCONCELOS, M. F. O que são campos rupestres e campos de altitude nos topos de montanha do Leste do Brasil? Revista Brasileira de Botânica, v. 34, n. 2, p. 241-246, 2011.

WALTER, H. Vegetação e zonas climáticas. 5. ed. São Paulo: EPU, 1984.

Publicado
2017-08-14
Como Citar
Marques Neto, R. (2017). Campos da Zona da Mata: fatores zonais e azonais na composição fitogeográfica do município de Lima Duarte-MG. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 21(1), 198-216. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.108037
Seção
Artigos