Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Campos da Zona da Mata: fatores zonais e azonais na composição fitogeográfica do município de Lima Duarte-MG

Roberto Marques Neto

Resumo


No domínio tropical atlântico, uma série de unidades de paisagem se consubstancia a partir da intersecção entre elementos zonais e azonais, existindo em meio a cinturões florestais uma série de fisionomias vegetais campestres na forma de redutos em condição de enclave forjado pela altitude e\ou fatores edáficos. A partir dessa premissa, este trabalho discute o quadro fitogeográfico do município de Lima Duarte, localizado na porção sudeste da Zona da Mata Mineira, numa abordagem geoecológica, correlacionando as manifestações fitofisionômicas com a litologia, o relevo, os solos e elementos climáticos. Indubitavelmente, é na conjugação desses fatores que se podem interpretar as diferentes formações florestais e campestres que ainda coexistem com as formas vigentes de uso da terra.


Palavras-chave


Campos rupestres. Campos altimontanos. Cristas quartzíticas. Lima Duarte.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. N. Brasil: paisagens de exceção: o litoral e o pantanal mato-grossense: patrimônios básicos. Cotia, SP: Ateliê, 2006.

______. Os domínios de natureza do Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2003.

______. Potencialidades paisagísticas brasileiras. Geomorfologia, n. 55, p. 1-28, 1977.

ABREU, N. L.; SANTIAGO, A. L.; MENINI NETO, L. Novos registros de Orchidaceae para a flora do estado de Minas Gerais, Brasil. Orchidstudium – International Journal of Orchid Study, v. 2, n. 2-3, p. 37-40, 2007.

BENITES, V. M. et al. Solos e vegetação nos complexos rupestres de altitude da Mantiqueira e do Espinhaço. Floresta e Ambiente, Seropédica-RJ, v. 10, n. 1, p. 76-85, 2003.

BERTALANFFY, L. V. Teoria geral dos sistemas. Petrópolis-RJ: Vozes, 1973.

CAVALCANTI, L. C. S. Da descrição de áreas à teoria dos geossistemas: uma abordagem epistemológica sobre sínteses naturalistas. Tese (Doutorado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

DIAS, H. C. T. et al. Geoambientes no Parque Estadual do Ibitipoca, município de Lima Duarte-MG. Revista Árvore, v. 26, n. 6, p. 777-786, 2002.

______. Geoambientes e pedogênese no Parque Estadual do Ibitipoca, município de Lima Duarte-MG. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) – Departamento de Solos, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2000.

DUTRA, S. M.; SALIMENA, F. R. G.; MEININI NETO, L. Annonaceae na Serra Negra, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 785-793, 2012.

FERRI, M. G. Vegetação brasileira. São Paulo: Edusp, 1980.

HEILBRON, M. et al. Província Mantiqueira. In: MANTESSO NETO, V. et al. (Org.). Geologia do continente sul-americano: evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca, 2004. p. 203-234.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. (Série Manuais Técnicos em Geociências, 1).

ISACHENKO, A. G. Principles of landscape science and Physical Geography Regionalization. Carlton: Melbourne, 1973.

LEMOS, R. C.; SANTOS, R. D. Manual de método de trabalho de campo. Campinas-SP: SBCS, 1976.

MAGALHÃES, G. M. Sobre os cerrados de Minas Gerais. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 38, p. 59-70, 1966.

MARQUES NETO, R. Biogeografia dos complexos rupestres de altitude em quartzito no sul de Minas Gerais. Geografia, v. 39, n. 3, p. 511-523, 2014.

______ et al. Estrutura e dinâmica da paisagem no município de Lima Duarte-MG: uma abordagem geoecológica. Caminhos de Geografia, v. 15, n. 52, p. 134-150, 2014.

MESSIAS, M. C. T. B. et al. Fitossociologia de campos rupestres quartzíticos e ferruginosos do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica, v. 26, n. 1, p. 230-242, 2012.

MONTEIRO, R. F.; FORZZA, R. C. A família Bromeliaceae no Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Bol. Bot. Univ. de São Paulo, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 7-33, 2008.

OLIVEIRA FILHO, A. T. et al. O mosaico de fitofisionomias do Parque Estadual do Ibitipoca. In: FORZZA, R. C. et al. (Org.). Flora do Parque Estadual do Ibitipoca e seu entorno. Juiz de Fora, MG: Editora da UFJF, 2013. p. 53-93.

RAPINI, A. et al. A flora dos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade, v. 4, n. 1-2, p. 15-23, 2008.

RIZZINI, C. T. Tratado de fitogeografia do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1979.

ROCHA, G. C. O meio físico da região de Ibitipoca: características e fragilidade. In: FORZZA, R. C. et. al. (Org.). Flora do Parque Estadual do Ibitipoca e seu entorno. Juiz de Fora, MG: Editora da UFJF, 2013. p. 27-52.

SEMIR, J. Revisão taxonômica de Lychnophora Mart. (Vernoniacea: compositae). Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) – Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1991.

UFJF. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Projeto Floresta Negra, [s.d]. Disponível em: http://www.ufjf.br/florestanegra/. Acesso em: 29 nov. 2015.

VALENTE, A. S. M.; GARCIA, P. O.; SALIMENA, F. R. G. Zona da mata mineira: aspectos fitogeográficos e conservacionistas. In: PAULA, A. P.; OLIVEIRA, L. (Org.) Arqueologia e patrimônio da zona da mata mineira. Juiz de Fora, MG: Editar, 2006. p. 79-91.

VASCONCELOS, M. F. O que são campos rupestres e campos de altitude nos topos de montanha do Leste do Brasil? Revista Brasileira de Botânica, v. 34, n. 2, p. 241-246, 2011.

WALTER, H. Vegetação e zonas climáticas. 5. ed. São Paulo: EPU, 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.108037

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Roberto Marques Neto

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br