Ilhas de calor: representações espaciais de cidades de pequeno porte por meio de modelagem

Autores

  • Danielle Cardozo Frasca Teixeira Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus Presidente Prudente (SP)
  • Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus Presidente Prudente.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.113406

Palavras-chave:

Clima urbano. Ilha de calor urbana. Modelagem. Rancharia-SP. Verão.

Resumo

Entendidas como bolsões de ar quente que se formam sobre a superfície urbana, as ilhas de calor atmosféricas resultam de alterações no uso da terra, de atividades humanas e de características do relevo em escala local. O monitoramento desse fenômeno se baseia tradicionalmente em procedimentos clássicos, que usam de métodos de interpolação que desconsideram as feições da superfície e produzem relativas generalizações. Este artigo apresenta uma sequência de procedimentos para a modelagem da ilha de calor relacionando a temperatura do ar com categorias de uso da terra em estudo aplicado a Rancharia-SP, cidade de pequeno porte situada no ambiente tropical. O procedimento mostra um avanço significativo no tratamento dos dados de fina escala, pois permite identificar as feições superficiais que concorrem para a formação da ilha de calor e pode orientar intervenções no espaço urbano que atenuem seus efeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Cardozo Frasca Teixeira, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus Presidente Prudente (SP)

Graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Tecnologia campus Presidente Prudente (2005). Mestra em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia (Conceito Capes 7) - UNESP - Campus Presidente Prudente (2015). Membro do Grupo de Pesquisa Interações na Superfície, água e atmosfera - GAIA. Pesquisadora/bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) entre os anos 2013 e 2015. Doutoranda em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia (Conceito Capes 7) - UNESP - Campus Presidente Prudente. Pesquisadora/Bolsista pelo CNPq. Ênfase em Climatologia Urbana de cidades de pequeno porte.

Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus Presidente Prudente.

Departamento de Geografia, Programa de Pós-Graduação em Geografia.  Atuação em Geografia Física, com ênfase nos seguintes temas: clima urbano e qualidade ambiental urbana.

Referências

AGRITEMPO, [s.d]. Disponível em: http://www.agritempo.gov.br/. Acesso em: 25 jun. 2013.

AMORIM, M. C. C. T. Climatologia e gestão do espaço urbano. Mercator, Fortaleza, v. 9, n. 1, p. 71-90, dez. 2010. Número especial.

______. Intensidade e forma da ilha de calor urbana em Presidente Prudente-SP: episódios de inverno. Geosul, Florianópolis, v. 20, n. 39, p. 65-82, 2005.

AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V.; CARDOSO, R. S. Modelagem espacial da ilha de calor urbana em Presidente Prudente-SP, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v. 16, p. 29-45, 2015.

AMORIM, M. C. C. T. et al. Características das ilhas de calor em cidades de porte médio: exemplos de Presidente Prudente (Brasil) e Rennes (França). Confins [Online], n. 7, 2009. Disponível em: http://confins.revues.org/index6070.html. Acesso em: 11. abr. 2017.

ARNFIELD, A. J. Two decades of urban climate research: a review of turbulence, exchanges of energy and water and the urban heat island. International Journal of Climatology, v. 23, p. 1-26, 2003.

CHEN, X. L. et al. Remote sensing image-based analysis of the relationship between urban heat island and land use/cover changes. Remote Sensing of Environment, n. 106, p. 133-146, 2006.

FIALHO, E. S. Ilha de calor em cidade de pequeno porte: caso de Viçosa, na zona da mata mineira. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FOISSARD X.; QUENOL, H.; DUBREUIL, V. Analyse et spatialisation de l’ilot de chaleur urbain dans l’agglomération rennaise. In: COLLOQUE DE L'AIC, COTONOU, 26., 2013, Bénin. Actes... Bénin, p. 242-247, set. 2013.

FERNÁNDEZ GARCÍA, F. Manual de climatología aplicada: clima, medio ambiente y planificación. Madrid: Síntesis, 1996.

______. La influencia de la ciudad sobre las precipitaciones: el caso de Madrid. Estudios Geográficos, Madrid, p. 397-412, 1990.

______. El clima de la Meseta Meridional: los tipos de tiempo. Madrid: Universidad Autónoma, 1986.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficinas de Textos, 2010.

GOOGLE. Google Earth. Versão 7.1.8, 2015. Escala aproximada: 213 metros. Disponível em: https://www.google.com/earth/. Acesso em: 17 jan. 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010. Sinopse, 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=354220&idtema=1&search=sao-paulo|rancharia|censo-demografico-2010:-sinopse-. Acesso em: 27 abr. 2017.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Base cartográfica vetorial de setores censitários. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_municipais/municipio_2007/. Acesso em: 27 abr. 2017. Escala 1: 2500.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. [s.d]. Disponível em: http//:www.ibge.gov.br. Acesso em: 14 mar. 2014.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. 2. ed. São José dos Campos: Parenteses, 2009.

LANG, S.; BLASCHKE, T. Análise da paisagem com SIG. Trad. Hermann Kux. São Paulo: Oficina de Textos, 2009.

LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1985.

LOURENÇO, R. W.; LANDIM, P. M. B. Análise de regressão múltipla espacial. Rio Claro: Unesp/IGCE/DGA/Lab. Geomatemática, 2004. Texto Didático 13. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/DIDATICOS/LANDIM/Texto13.pdf. Acesso em: 13 maio 2015.

MENDONÇA, F.; DUBREUIL, V. Termografia de superfície e temperatura do ar na RMC (Região Metropolitana de Curitiba-PR). Revista RA'E GA – O espaço geográfico em análise, n. 9, p. 25-35, 2005.

MONTEIRO, A. O clima urbano do Porto: contribuição para a definição das estratégias de planejamento e ordenamento do território. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian/Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1997.

MONTEIRO, C. A. F. Adentrar a cidade para tomar-lhe a temperatura. Geosul, Florianópolis, v. V, n. 9, p. 80-114, 1990.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2001.

NUNES, L. H.; VICENTE, A. K.; CANDIDO, D. H. Clima da região Sudeste do Brasil. In: CAVALCANTI, I. F. A. et al. Tempo e clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. p. 243-258.

OKE, T. R. Siting and exposure of meteorological instruments at urban sites. In: BORREGO, C.; NORMAN, A.-L. (Ed.). Air Pollution Modeling and its Application XVII. Nova York: Springer, 2007. p. 615-632.

______. Boundary Layer Climates. Florence-EUA: Routledge, 1987.

______. Review of urban climatology: 1968-1973. Geneva: World Meteorological Organization, 1974 (WMO Technical note, 134).

STATHOPOULOU, M.; CARTALIS, C. Daytime urban heat islands from Landsat ETM+ and Corine land cover data: an application to major cities in Greece. Solar Energy, n. 81, p. 358-368, 2006.

TEIXEIRA, D. C. F. O clima urbano de Rancharia-SP. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2015.

______; AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V. Modelagem da ilha de calor urbana para cidade pequena (Rancharia-SP) a partir de imagens do satélite Landsat 7 e de medidas da temperatura do ar. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 17., 2015, João Pessoa. Anais... João Pessoa, 2015. p. 1-8.

USGS. Landsat Missions, [s.d]. Disponível em: http://landsat.usgs.gov/best_spectral_bands_to_use.php. Acesso em: 3 mar. 2016.

______. Earth Explorer, [s.d]. Disponível em: http://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 3 mar. 2016.

______. Earth Resources Observation and Science Center (EROS). Glovis, [s.d]. Disponível em: http://glovis.usgs.gov/. Acesso em: 3 mar. 2016.

WENG, Q. Thermal infrared remote sensing for urban climate and environmental studies: Methods, applications, and trends. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 64, n. 4, p. 335-344, 2009.

Downloads

Publicado

2017-08-14

Como Citar

TEIXEIRA, D. C. F.; AMORIM, M. C. de C. T. Ilhas de calor: representações espaciais de cidades de pequeno porte por meio de modelagem. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 21, n. 1, p. 239-256, 2017. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.113406. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/113406. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos