O imaginário utópico brasileiro nas práticas festivas europeias

  • Alessandro Dozena Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande de Norte (UFRN) - Natal.
Palavras-chave: imaginário, cultura, Brasil, práticas festivas, identidade

Resumo

Ao analisar a presença brasileira nas práticas festivas em cidades europeias, enquanto táticas cotidianas que revelam a capacidade utópica e inventiva dos sujeitos participantes, realizamos uma reflexão acerca da dimensão territorial da cultura brasileira, tendo como fundamento algumas práticas culturais festivas. Abordamos em específico a estruturação de alguns espaços festivos, a exemplo do Samba-Festival (Coburg – Alemanha), da Lavage de Madeleine (Paris – França) e do Carnaval de La Grande Motte (La Grande Motte – França). A noção de utopia nos possibilitou o entendimento do imaginário cultural brasileiro apresentando um potencial de ação e para a ação, uma condição para a produção de novas consciências com um caráter lúdico e transgressor, consciências que nem sempre pertencem à lógica produtivista, mas à da imaginação e sensibilidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Dozena, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande de Norte (UFRN) - Natal.
Bacharel e Licenciado pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Mestre em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP), iniciou sua carreira docente em 1998. Foi bolsista do Programa Especial de Treinamento PET/CAPES durante a graduação (1995 a 1997), CAPES durante o mestrado (1998 a 2001) e FAPESP durante o doutorado (2006 a 2009). É Doutor em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (2009), com estágio de doutoramento na Universidade de Barcelona (2008). É professor adjunto do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, campus de Natal, integrando o quadro docente do Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia - PPGe/UFRN, e do Mestrado Profissional em Geografia - GEOPROF/UFRN. Tem trabalhado principalmente com os seguintes temas: práticas culturais e territorialidades, estudos urbanos e regionais, ensino-aprendizagem de Geografia e cultura. É líder do Grupo de Pesquisa "Festas, identidades e territorialidades - FIT/CNPq". Atualmente realiza estágio pós-doutoral na Université Paul-Valéry Montpellier laboratório ARTDev - Acteurs, ressources et territoires dans le développement; sendo bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior - CAPES.

Referências

CAILLOIS, R. L'homme et le sacré. 1ª edição. Paris: Gallimard, 1950. 246p.

CARLOS, A. F. A. O lugar no/do mundo. 1ª edição. São Paulo: Fflch, 2007, 85p.

CAPEL, H. La rehabilitación y el uso del patrimonio histórico industrial. Document d’Análisi Geografica, 1996, vol. 29, p. 19-50.

CROZAT, D. Jeux et Ambigüités de la Construction Musicale des Identités Spatiales. In: AUTOR (Org.). Dados da publicação de livro organizado, 2016.

AUTOR. Dados de publicação de artigo, 2012.

AUTOR. Dados de publicação de livro autoral, 2009.

ÉMERY, B. A utopia brasileira. Portuguese Cultural Studies, 2007, vol. 1, Article 10, p. 73-84.

FREITAS, M. T. de; LEROY, C. Brésil, l'Utopialand de Blaise Cendrars. 1ª edição. Paris: L'Harmattan, 1998. 392p.

GUILLOT, G. Implantations musicales: Brésil et Bretagne à Bordeaux. In: RAIBAUD, Yves (ed.). Comment la musique vient aux territoires. Pessac: Publications de la Maison des Sciences de L'homme d'Aquitaine, 2009, vol. 1, p. 197-208.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 395p.

LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. 1ª ed. São Paulo: Ática, 1991. 216p.

MORUS, T. A Utopia. 6a ed. Lisboa: Guimarães Ed., 1985. 192p.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. 5ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2006. 152p.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: Edusp, 2002. 392p.

VAILLANT A. Territoires de la batucada: circulations et appropriations d’une pratique musicale brésilienne. In: RAIBAUD, Yves (ed.). Comment la musique vient aux territoires. Pessac: Publications de la Maison des Sciences de L'homme d'Aquitaine, 2009, vol. 1, p. 179-196.

ZWEIG, S. Brasil País do Futuro. 7a ed. Porto: Livraria Civilização, 1971. 264p.

Publicado
2016-12-07
Como Citar
Dozena, A. (2016). O imaginário utópico brasileiro nas práticas festivas europeias. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 20(3), 568-584. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2016.115328