Diferentes paisagens do município de Ubatuba-SP: um estudo geográfico

Palavras-chave: Landscape. Landscape units. Environmental Cartography. Ubatuba. Physical Geography.

Resumo

Para a geografia, o estudo da paisagem é fundamental para a compreensão dos fenômenos resultantes da relação entre a dinâmica social e a dinâmica da natureza, permitindo avaliar os resultados da relação entre o tempo/espaço social e o tempo/espaço natural. Este trabalho trata da identificação das unidades da paisagem no município de Ubatuba (SP), partindo da avaliação da paisagem por meio do estudo das condicionantes do meio físico e social, destacando a importância da espacialização para a construção da síntese, representada por meio da Cartografia Ambiental. A compartimentação paisagística de Ubatuba em unidades baseou-se, principalmente, em aspectos geomorfológicos, geológicos e vegetacionais, resultando na identificação de 12 unidades que representam o mosaico que compõe essa paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelly Cristina Melo, Universidade de São Paulo
Geógrafa, mestre e doutora em Geografia. Docente no ensino superior nas áreas de Planejamento, Avaliação de Impactos e Paisagem.
Sueli Ângelo Furlan, Universidade de São Paulo
Profa. Dra. Departamento de Geografia, FFLCH, USP.

Referências

AB’SABER, A. N. Degradação da natureza por processos antrópicos na visão dos geógrafos. Inter-Fácies, São José do Rio Preto, n. 106, p. 1-27, 1982.

ADAMS, C. Caiçaras na mata atlântica: pesquisas científicas versus planejamento e gestão ambiental. São Paulo: Ed. Annablume/Fapesp, 2000.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global – esboço metodológico. Revista IGEOG/USP – Caderno de Ciências da Terra, São Paulo, n. 13, p. 1-27, 1971.

BRASIL. Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 dez. 2006.

______. Decreto no 750, de 10 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de regeneração de Mata Atlântica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 fev. 1993.

CÂNDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Duas Cidades, 1987.

CONTI, J. B. Circulação secundária e efeito orográfico na gênese das chuvas na região les-nordeste paulista. IGEOG/USP – Série Teses e Monografias, São Paulo, n. 18, 1975.

CRUZ, O. A Serra do Mar e a preservação de suas vertentes. Orientação, São Paulo, n. 7, 1986.

______. A Serra do Mar e o litoral na área de Caraguatatuba – contribuição e geomorfologia litorânea tropical. 1972. Tese (Doutorado em Geografia Física/Geomorfologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972. (2 volumes).

GIMENES, A. F.; ALMEIDA, M. A.; SANTOS, M. C. S. R. Geologia da região administrativa 3 (Vale do Paraíba) e parte da região administrativa 2 (Litoral) do Estado de São Paulo. São Paulo: IPT, 1978.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/. Acesso em: 9 fev. 2018.

______. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 1992. n. 1. (Manuais Técnicos em Geociências).

IF. Instituto Florestal. Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar. São Paulo: Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, 2008.

IG. Instituto Geológico de São Paulo. Regeneração socioambiental de áreas degradadas pela mineração de saibro (caixas de empréstimo) de Ubatuba-SP. São Paulo: IG/SMA/Fapesp/DG-USP/Prefeitura Municipal de Ubatuba, 2006.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Catálogo de imagens. Landsat 7, 2002. Disponível em: http://www.dgi.inpe.br/CDSR/. Acesso em: 9 fev. 2018.

IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Carta Geotécnica do Município de Ubatuba-SP. São Paulo: IPT-IG, 1991.

LAMEIRA, W. J. de M. Mapeamento das unidades ambientais da bacia do rio Buquira - SP: um estudo integrado. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

LUCHIARI, M. T. O lugar no mundo contemporâneo: turismo e urbanização em Ubatuba-SP. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

______. Turismo, natureza e cultura caiçara: um novo colonialismo? In: SERRANO, C.; BRUHNS, H. (Orgs.). Viagens à natureza: turismo, cultura e ambiente. Campinas: Ed. Papirus, 1998. p. 59-84.

MARCÍLIO, M. L. Caiçara, terra e população: estudo de demografia histórica e da história social de Ubatuba. In: DIEGUES, A. C. (Org.). Enciclopédia caiçara – história e memória caiçara. São Paulo: Hucitec/Nupaub/CEC/USP, 2005. v. IV. p. 199-220.

MARTINELLI, M. As representações gráficas da Geografia: os mapas temáticos. Tese (Livre-Docência em Cartografia Temática) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

______. Cartografia ambiental: uma cartografia diferente? Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 7, p. 61-80, 1994.

MEGALE, J. F. Max Sorre: geografia. São Paulo: Ed. Ática, 1984.

MONTEIRO, C. A. F. Geossistema: a história de uma procura. São Paulo: Ed. Contexto, 2000.

MORAES, A. C. R. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma Geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1999.

______. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec, 1995.

MUEHE, D. Geomorfologia costeira. In: TEIXEIRA GUERRA, A. J.; CUNHA, S. B. Geomorfologia, uma atualização de bases e conceitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. p. 253-302.

RODRIGUES, C. A teoria geossistêmica e sua contribuição aos estudos geográficos e ambientais. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 14, p. 69-77. 2001.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. da. A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica. Mercator – Revista de Geografia da UFC, ano 01, n. 01, p. 95-112, 2002.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

ROSS, J. L. S.; MOROZ, I. C. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo: USP/IPT/FAPESP, 1997. (Escala 1:500.000).

SANSOLO, D. G. Planejamento ambiental e mudanças na paisagem do núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar-Ubatuba, São Paulo. Tese (Doutorado em Geografia Física/Planejamento Ambiental) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

SANT’ANNA NETO, J. L. Ritmo climático e a gênese das chuvas na Zona Costeira Paulista. Dissertação (Mestrado em Geografia Física/Climatologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Ed. Hucitec, 1996.

SÃO PAULO. Macrozoneamento do Litoral Norte do Estado de São Paulo – Plano de Gerenciamento Costeiro. São Paulo: SMA, 1996. (Série Documentos).

SILVA, F. L. de M. O risco geológico associado à ocupação de áreas de mineração no município de Ubatuba-SP. Dissertação (Mestrado em Geociências) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

TOMINAGA, L. K. Avaliação de metodologias de análise de risco a escorregamentos: aplicação de um ensaio em Ubatuba-SP. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, 1977.

VALE, C. C. Séries geomórficas costeiras do Estado do Espírito Santos e os habitats para o desenvolvimento dos manguezais: uma visão sistêmica. Tese (Doutorado em Geografia Física/Geomorfologia Litorânea) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

Publicado
2018-03-15
Como Citar
Melo, K., & Furlan, S. (2018). Diferentes paisagens do município de Ubatuba-SP: um estudo geográfico. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 21(3), 650-666. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.116478
Seção
Artigos