Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Espacialidades e interseccionalidades na vivência de mulheres prostitutas mães na cidade de Ponta Grossa-PR

Juliana Przybysz, Joseli Maria Silva

Resumo


Este artigo visa compreender como a interseccionalidade entre maternidade/maternagem e prostituição feminina de baixa renda constituem espacialidades na cidade de Ponta Grossa-PR. A partir do desempenho de papéis sociais tidos como opostos – o de mãe, associado ao amor, e o de prostituta, associado ao pecado –, entendemos que as espacialidades vividas pelas mulheres mães prostitutas transpassam esses paradoxos a partir da interseccionalidade. As experiências sociais dessas mulheres são vistas como práticas encaixadas construídas por e através do espaço. A concomitância dos dois papéis faz com que essas mulheres criem estratégias espaciais para desenvolver a prostituição e a maternidade/maternagem.


Palavras-chave


Espacialidades. Gênero. Prostituição. Interseccionalidades. Maternagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BADINTER, E. O conflito: a mulher e a mãe. São Paulo: Record, 2011.

______. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CATONNÉ, J. P. A sexualidade, ontem e hoje. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

CRENSHAW, K. W. Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, 1991.

DUNCAN, N. Renegotiating Gender and Sexuality in Public and Private Spaces. In: ______. Bodyspace: Destabilizing Geographies of Gender and Sexuality. New York: Routledge, 1996. p. 127-145.

ENGELS, F. A origem da família da propriedade privada e do Estado. Tradução de Leandro Konder. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HUBBARD, P. Cities and Sexualities. Canada: Routledge, 2012.

______. Sex and the city: geographies of prostitution in the urban west. Aldershot: Ashgate, 1999.

JOHNSTON, L. Man: Woman. In: CLOKE, P.; JOHNSTON, R. Spaces of Geographical Thought: Deconstructing Human Geography’s Binaries. London: SAGE Publications, 2005. p. 119-141.

JULIANO, D. El trabajo sexual en la mira: polémicas y estereotipos. Cadernos Pagu, Campinas, n. 25, p. 79-106, jul./dez. 2005.

______. Excluidas y marginales: una aproximación antropológica. Madrid: Cátedra, 2004.

LAQUEUR, T. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução de Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LONGHURST, R. Maternities: gender, bodies and space. Nova Yourk: Routledge. 2008.

MASSEY, D. B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução de Hilda Pareto Maciel, Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

McCALL, L. The Complexity of Intersectionality. Signs – Journal of Women, Culture and Society, Boston, v. 30, n. 3, p. 1771-1800, 2005. doi: 10.1086/426800.

McDOWELL, L. Gender, identity and place: understanding feminist geographies. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1999.

MORAES, A. F. Mulheres da vila: prostituição, identidade social e movimento associativo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA. Disponível em: http://pontagrossa.pr.gov.br/acidade. Acesso em: 27 jan. 2015.

PULIDO, L. Cummunity, Place, and Identity. In: JONES III, J. P.; NAST, H. J.; ROBERTS, S. M. Thresholds in Feminist Geography: Difference, Methodology, Representation. Boston: Rowman & Littlefield, 1997. p. 11-28.

RAGO, M. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar – Brasil (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

ROUGEMONT, D. A história do amor no Ocidente. Tradução de Paulo Brandi, Ethel Brandi Cachapuz. 2. ed. reform. São Paulo: Ediouro, 2003.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SILVA, E. A.; SILVA, J. M. Ofício, engenho e arte: inspiração e técnica na análise de dados qualitativos. Revista Latino Americana de Geografia e Gênero, v. 7, n. 1, p. 132-154, jan./jul. 2016.

SILVA, J. C. O conceito de território na geografia e a territorialidade da prostituição. In: RIBEIRO, M. A.; OLIVEIRA, R. S. Território sexo e prazer: olhares sobre o fenômeno da prostituição na geografia brasileira. Rio de Janeiro: Gramma, 2011. p. 19-41.

SILVA, J. M. Fazendo geografias: pluriversalidades sobre gênero e sexualidades. In: ______ (Org.). Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009. p. 25-53.

______; SILVA, M. G. S. N. Introduzindo as interseccionalidades como um desafio para a análise espacial no Brasil: em direção às pluriversalidades do saber geográfico. In: SILVA, M. G. S. N.; SILVA, J. M. (Org.). Interseccionalidades. Gênero e Sexualidades na análise espacial. Ponta Grossa: Todapalavra, 2014. p. 17-35.

SILVA, J. M. et al. O corpo como elemento das geografias feministas e queer: um desafio para a análise no Brasil. In: SILVA, J. M.; ORNAT, M. J.; CHIMIN JUNIOR, Al. B. Geografias malditas: corpos, sexualidades e espaços. Ponta Grossa: Todapalavra, 2013. p. 85-142.

VALENTINE, G. Theorizing and researching intersectionality: a challenge for feminist geography. The Professional Geographer, v. 59, n. 1, p. 10-21, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.117719

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Juliana Przybysz, Joseli Maria Silva

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br