Análise da precipitação pluviométrica no município de Castelo do Piauí, Nordeste do Brasil

  • Francílio de Amorim dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Campus Piripiri
  • Cláudia Maria Sabóia de Aquino Universidade Federal do Piauí, Campus Universitário Ministro Petrônio Portela
Palavras-chave: Precipitação. Estatística descritiva. Índice de anomalia da chuva. Anomalia. Fenômenos atmosféricos e oceânicos.

Resumo

Esta pesquisa analisa a precipitação pluviométrica no município de Castelo do Piauí, localizado no Nordeste do Brasil, por meio de estatística descritiva e do índice de anomalia da chuva (IAC). A partir de uma série histórica anual de 39 anos (1963 a 2001), identificou-se uma média histórica de 1.006,3 mm para o município, tendo 1983 e 1985 sido considerados, respectivamente, o menos e o mais chuvoso. A estação chuvosa concentra-se nos meses de janeiro a abril, sendo março o mais chuvoso, e agosto o menos chuvoso. Foram encontrados valores de variabilidade pluviométrica superiores a 40% para todos os meses e distribuição assimétrica positiva. O IAC permitiu estabelecer os seguintes anos secos e chuvosos: 1963, 1964 e 1989 (muito chuvosos); 1974 e 1985 (extremamente chuvosos); 1976, 1981, 1992, 1993, 1998 e 2001 (muito secos); 1983 e 1990 (extremamente secos). Em suma, o presente estudo constatou o predomínio de anos secos a extremamente secos na área estudada, com índice de 53,8%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francílio de Amorim dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Campus Piripiri
Licenciado em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (2007); Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do Piauí (2010); Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (2015). Atualmente, é aluno do Programa de Pós-Graduação em Geografia, em nível de Doutorado, da Universidade Estadual do Ceará (UECE). É docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí/Campus Piripiri, Classe D III, em regime de Dedicação Exclusiva. É parecerista ad hoc dos seguintes periódicos: Cadernos Cajuína: Revista Interdisciplinar (IFPI), Revista Eletrônica Caderno de Geografia (PUCMG), Revista Clóvis Moura de Humanidades (UESPI), Revista Equador (UFPI), Geoingá: Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia (UEM), InterEspaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade (UFMA). Faz parte do Grupo de Estudos em Geografia Física (UFPI), Grupo de Estudos em Geotecnologias: Pesquisa e Ensino (UFPI) e Grupo de Estudos em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (IFPI). Tem experiência em Geociências com ênfase em Geografia Física atuando principalmente nos seguintes temas: Unidades de Conservação, Desertificação, Bacias Hidrográficas, Análise e Planejamento Ambiental, Geoprocessamento.
Cláudia Maria Sabóia de Aquino, Universidade Federal do Piauí, Campus Universitário Ministro Petrônio Portela
Possui graduação em Licenciatura Plena Em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (1999), mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará (2002) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de sergipe (2010). Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí, onde atua na pesquisa e no ensino de graduação e pós-graduação (Programa de Pós-Graduação de Geografia da UFPI), em disciplinas e temas relacionados à Geografia Física. É Editora-chefe da Revista eletrônica EQUADOR e Líder do Grupo de Pesquisa em GEOGRAFIA FÍSICA juntamente como o Dr. Gustavo Souza Valladares. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Análise Ambiental. Tem interesse nos temas: Bacia hidrográfica, Geodiversidade, Patrimônio Geológico e Geomorfológico, Geoconservação, Desertificação e planejamento ambiental.

Referências

AGUIAR, R. B.; GOMES, J. R. C. (Org.). Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea, estado do Piauí: diagnóstico do município de Castelo do Piauí. Fortaleza: CPRM, 2004.

ALMEIDA. H. A.; FREITAS, R. C.; SILVA, L. Determinação de períodos secos e chuvosos em duas microrregiões da Paraíba através da técnica dos quantis. Revista de Geografia, Recife, v. 30, n. 1, p. 217-232, 2013.

ANA. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Hidroweb: Sistema de Informações Hidrológicas. Séries históricas – ano de 1963 a 2001. Disponível em: http://hidroweb.ana.gov.br/. Acesso em: 9 out. 2016.

ARAÚJO, L. E. et al. Variabilidade espaço-temporal da precipitação no Cariri paraibano. Revista Educação Agrícola Superior, Brasília, v. 22, n. 2, p. 23-26, 2007.

ASSIS, J. M. O.; SOUZA, W. M.; SOBRAL, M. C. Análise climática da precipitação no submédio da bacia do rio São Francisco a partir do índice de anomalia de chuva. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 36, p. 115-127, jun. 2015.

ASSIS, J. M. O. et al. Índice de anomalia de chuva (IAC) como indicador para análise da variabilidade climática na bacia hidrográfica do rio Pajeú-PE. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, 20., 2013, Bento Gonçalves, RS, Anais... Bento Gonçalves, RS, 17 a 22 de novembro de 2013. p. 1-8.

DINIZ, A. F.; SANTOS, R. L.; SANTOS, S. M. Avaliação dos riscos de seca para o município de Feira de Santana-BA associado à influência do El Niño no semiárido do nordeste brasileiro. +Geografia´s, Feira de Santana, n. 1, p. 18-24, maio/nov. 2008.

FERREIRA, A. G.; MELLO, N. G. S. Principais sistemas atmosféricos atuantes sobre a região Nordeste do Brasil e a influência dos oceanos Pacífico e Atlântico no clima da região. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 15-28, dez. 2005.

FREITAS, M. A. S. Um sistema de suporte à decisão para o monitoramento de secas meteorológicas em regiões semiáridas. Revista Tecnologia, Fortaleza, p. 84-95, 2005. Suplemento.

______. A previsão de secas e a gestão hidroenergética: o caso da bacia do rio Parnaíba no Nordeste do Brasil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE REPRESAS Y OPERACIÓN DE EMBALSES, 2004, Puerto Iguazú. Anais… Puerto Iguazú: CACIER, 2004. v. 1. p. 1-12.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Malha municipal digital do Brasil: situação em 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/malhas_digitais/. Acesso em: 4 abr. 2016.

______. Cidades, [s.d.] Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 11 out. 2016.

LONDE, L. R. et al. Desastres relacionados à água no Brasil: perspectivas e recomendações. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVII, n. 4, p. 133-152, out./dez. 2014.

MOLION, L. C. B.; BERNARDO, S. O. Dinâmica das chuvas no Nordeste brasileiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 11., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2000. p. 1334-1342. CD-ROM.

MONTEIRO, J. B. Chover, mas chover de mansinho: desastres naturais e chuvas extremas no estado do Ceará. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2011.

MONTEIRO, J. B.; ROCHA, A. B.; ZANELLA, M. E. Técnica dos quantis para caracterização de anos secos e chuvosos (1980-2009): baixo curso do Apodi-Mossoró-RN. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 23, p. 232-249, 2012.

NOAA. NATIONAL OCEANIC AND ATMOSPHERIC ADMINISTRATION. Climate Prediction Center. Historical El Niño/La Niña episodes (1963-2001), [s.d.]. Disponível em: http://www.cpc.ncep.noaa.gov/products/analysis_monitoring/ensostuff/ensoyears.shtml. Acesso em: 28 out. 2016.

NÓBREGA, R. S.; SANTIAGO, G. A. C. F.; SOARES, D. B. Tendências do controle climático oceânico sob a variabilidade temporal da precipitação no Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, ano 12, v. 18, p. 276-292, jan./jun. 2016.

OLIVEIRA, J. G. B.; SALES, M. C. L. Usuais: programas para uso em análise ambiental. Revista Equador, Teresina, v. 5, n. 2, p. 36-60, jan./jun. 2016.

PIAUÍ. Projeto de Lei Complementar n. 004, de 14 de fevereiro de 2006. Estabelece o Planejamento Participativo Territorial para o Desenvolvimento Sustentável do estado do Piauí e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, 2006.

______. Decreto Estadual n. 20, de 27 de março de 1890. Alteração toponímica municipal de Marvão para Castelo.

ROOY, M. P. V. A Rainfall Anomaly Index Independent of Time and Space, Notes, 14, 43, 1965.

SALES, D. C. et al. Projeções de mudanças na precipitação e temperatura no Nordeste brasileiro utilizando a técnica de Downscaling dinâmico. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 30, n. 4, p. 435-456, 2015.

SILVA, T. F.; PAIVA, A. L. R.; SANTOS, S. M. Análise estatística e tendência das precipitações no município de Caruaru-PE. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, 21., 2015, Brasília, DF, Anais... Brasília, DF, 22 a 27 de novembro de 2015. p. 1-8.

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: ciência e aplicação. Porto Alegre: Ed. UFRGS/Edusp, 1993.

ZANELLA, M. E. Considerações sobre o clima e os recursos hídricos do semiárido nordestino. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n. 36, p. 126-142, 2014. Volume especial.

Publicado
2017-10-19
Como Citar
Santos, F., & Aquino, C. M. (2017). Análise da precipitação pluviométrica no município de Castelo do Piauí, Nordeste do Brasil. GEOUSP: Espaço E Tempo (Online), 21(2), 619-633. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.123154