Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Urbanização e cidade dispersa: implicações da produção do espaço urbano no Brasil, em Moçambique e na Austrália

Lindberg Nascimento Júnior

Resumo


Imagens de luzes noturnas dos anos de 1992, 2002 e 2012 foram tratadas para o território brasileiro, moçambicano e australiano a fim de suscitar uma discussão comparada da dispersão urbana nos países do Hemisfério Sul. No debate, considerou-se a ideia da dispersão urbana como fundamento da distinção entre urbanização (processo) e cidade (forma), articulando esses conceitos à intensidade e à expansão das luzes noturnas nas áreas dos países estudados. A revisão bibliográfica e o tratamento das imagens por técnicas de sensoriamento remoto possibilitaram interpretar, quantificar e mapear áreas iluminadas e não iluminadas. Esses procedimentos ajudam a inferir atributos semelhantes e diferentes nos níveis globais e regionais dos países estudados, como medida de particularização da dispersão urbana em diferentes formações socioespaciais.


Palavras-chave


Dispersão urbana. Imagens de luzes noturnas. Sensoriamento remoto. Infraestrutura urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, A. B. O processo de dispersão urbana e a questão ambiental: uma comparação da literatura estrangeira com o fenômeno no Brasil. Revista Formação (Online), 2016. No prelo.

BOTELHO, A. Capital volátil, cidade dispersa, espaço segregado: algumas notas sobre a dinâmica do urbano contemporâneo. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 14, n. 28, p. 297-315, jul./dez. 2012.

BRUEGMANN, R. La dispersión urbana: una historia condensada. Barcelona: Doce Calle, 2005.

CATALÃO, I. F. Diferença, dispersão e fragmentação socioespacial: explorações metropolitanas em Brasília e Curitiba. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2013.

DINAPOT. DIREÇÃO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Moçambique, melhoramento dos assentamentos informais, análise da situação e proposta de estratégias de intervenção: relatório. Maputo: CEDH, 2006.

EDM. ELECTRICIDADE DE MOÇAMBIQUE, E. P. Governo de Moçambique. Disponível em: http://www.edm.co.mz/index.php. Acesso: 20 nov. 2016.

EEA. EUROPEAN ENVIRONMENT AGENCY. Urban sprawl in Europe: The ignored challenge. Office for Official Publications of the European Communities, 2006. Disponível em: http://www.eea.europa.eu/publications/eea_report_2006_10. Acesso em: 30 abr. 2015.

EID, J. et al. Fat city: Questioning the relationship between urban sprawl and obesity. Journal of Urban Economics, v. 63, p. 385-404, 2008.

GARDEN, F. L.; JALALUDIN, B. B. Impact of urban sprawl on overweight, obesity, and physical activity in Sydney, Australia. Journal of Urban Health, v. 86, n. 1, p. 19-30, 2009.

GONÇALVES, A. R. Indicadores da dispersão urbana. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: resultado do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

LEFEBVRE, H. Lógica formal/lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

LUZ PARA TODOS. Ministério de Minas e Energia. Programa Luz para Todos. Disponível em: https://www.mme.gov.br/luzparatodos/asp/. Acesso: 20 nov. 2016.

MALOA, J. Urbanização moçambicana: uma proposta de interpretação. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MELLO, G. H. Expansão e estrutura urbana de Santos-SP: aspectos da periferização, da deterioração, da intervenção urbana, da verticalização e da sociabilidade. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

MIRANDA, E. E.; GOMES, E. G.; GUIMARÃES, M. Mapeamento e estimativa da área urbanizada do Brasil com base em imagens orbitais e modelos estatísticos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO (SBSR), 2005, Goiânia. Anais... São José dos Campos, 2005. p. 3813-3820.

NEWMAN, P. W. G.; KENWORTHY, J. R. Sustainability and Cities: Overcoming Automobile Dependence. Washington, DC: Island Press, 1999.

NOAA. NATIONAL OCEANIC AND ATMOSPHERIC ADMINISTRATION. Defense Meteorological Satellite Program: Operational Linescan System. Version 4 DMSP-OLS Nighttime Lights Time Series. Department of Commerce. Disponível em: http://ngdc.noaa.gov/eog/dmsp/downloadV4composites.html. Acesso: 3 ago. 2014.

NUNES, L. H. Urbanização e desastres naturais. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

OJIMA, R.; MARANDOLA JR., E. (Org.). Dispersão urbana e mobilidade populacional: implicações para o planejamento urbano e regional. São Paulo: Blucher, 2016.

OJIMA, R.; MONTEIRO, F. F.; NASCIMENTO, T. C. L. Urbanização dispersa e mobilidade no contexto metropolitano de Natal: a dinâmica da população e a ampliação do espaço de vida. Urbe – Revista Brasileira de Gestão Urbana, Paraná, v. 7, n. 1, p. 9-20, 2015.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. World urbanization prospects: the 2011 revision. New York: United Nations, 2012. Disponível em: http://esa.un.org/unup/pdf/FINAL_REPORT%20WUP2011_Annextables_01Aug2012_Final.pdf. Acesso em: 17 set. 2014.

RAPOSO, I.; SALVADOR, C. Há diferença: ali é cidade, aqui é subúrbio: urbanidade dos bairros, tipos e estratégias de habitação em Luanda e Maputo. In: OPPENHEIMER, J.; RAPOSO, I. (Coord.). Subúrbios Luanda e Maputo. Lisboa: Colibri, 2007. p. 105-138.

ROWLAND, D. T. Theories of urbanization in Australia. Geographical Review, v. 67, n. 2, p. 167-176, 1977.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

______. A urbanização brasileira. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

SCHNEIDER, A.; FRIEDL, M. A.; POTERE, D. A new map of global urban extent from MODIS satellite data. Environmental Research Letters, v. 4, n. 4, p. 1-11, 2009.

SILVA, E. T. Estrutura urbana e mobilidade espacial nas metrópoles. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013.

SMITH, T.; DOHERTY, M. The suburbanisation of coastal Australia. Canberra: Australia State of the Environment Committee/Department of Environment and Heritage, 2006.

SPOSITO, M. E. B. Segregação socioespacial e centralidade urbana. In: VASCONCELOS, P. A.; CORRÊA, R. L.; PINTAUDI, S. M. (Org.). A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2010. p. 61-93.

______. Novas formas de produção do espaço urbano no estado de São Paulo. In: REIS, N. G.; TANAKA, M. S. (Org.). Brasil, estudos sobre a dispersão urbana. São Paulo: Fauusp/Fapesp, 2007. p. 7-28

______. Capitalismo e urbanização. 15. ed. São Paulo: Contexto, 2005.

______; GÓES, E. M. Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

SQUIRES, G. D. Urban Sprawl: Causes, Consequences & Policy Responses. Washington: Urban Institute Press, 2002.

UN-HABITAT. Programa das Nações Unidas para assentamentos humanos. Escritório Regional para África e Estados Árabes. Estudo do Perfil Regional do Sector Urbano em Moçambique, 2005.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity and overweight. Fact sheet, 2003. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/media/en/gsfs_obesity.pdf.>. Acesso em: 21 out. 2014.

ZHAO, Z.; KAESTNER, R. Effects of urban sprawl on obesity. Journal of Health Economics, n. 29, p. 779-787, 2010.

ZHOU, Y. et al. A global map of urban extent from nightlights. Environmental Research Letters, v. 10, n. 5, p. 1-11, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.125392

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Lindberg Nascimento Júnior

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br