Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Ser lugar e ser território como experiências do ser-no-mundo: um exercício de existencialismo geográfico

Angelo Serpa

Resumo


Este ensaio busca aprofundar uma abordagem existencialista dos conceitos de lugar e território assumindo o pressuposto de que eles remetem, antes de tudo, a experiências geográficas que ora se distinguem, ora se aproximam e carregam em si a marca do espaço vivido. Para esta análise, parte-se do conceito de geograficidade – a base pré-consciente e pré-conceitual da geografia – assumindo também que, antes de qualquer conceituação ou estratégia de representação conceitual, as pessoas são seres essencialmente espaciais e que viver é produzir/experienciar espaço. O ensaio está dividido em seis seções: a introdução, uma problematização da dialética entre interior e exterior e seu desdobramento numa abordagem de como lugar e território se exprimem como modos geográficos de existência no espaço público; nas duas últimas seções, reflete-se sobre o papel do corpo nos processos de apropriação do espaço e sobre como ser lugar e ser território se exprimem como facetas do ser-no-mundo em seu sentido mais político.

Palavras-chave


Lugar. Território. Ser-no-mundo. Ser lugar. Ser território.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. G. Fronteiras sociais e identidades no território do complexo da usina hidrelétrica da Serra da Mesa, Brasil. In: BARTHE-DELOISY, F.; SERPA, A. (Org.). Visões do Brasil: estudos culturais em geografia. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 145-166.

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BRITO, M. S. O teatro que corre nas vias. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, abr. 2016.

DARDEL, E. O homem e a terra. São Paulo: Perspectiva, 2011.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HAESBAERT, R. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de insegurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HARVEY, D. Espaços de esperança. São Paulo: Loyola, 2004.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 6. ed. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Ed. Universitária São Francisco, 2012.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LEFEBVRE, H. La presencia y la ausencia: contribución a la teoría de las representaciones. México. Fundo de Cultura Econômica, 2006.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. 2. reimpr. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

______. La production de l´espace. 4. ed. Paris: Anthropos, 2000.

LÉVY, J.; LUSSAULT, M. Dictionaire de la Géographie et de l´Espace des Societés. Paris: Belin, 2003.

MARANDOLA JR., E. Heidegger e o pensamento fenomenológico em geografia. Geografia, Rio Claro, v. 37, n. 1, p. 81-94, jan./abr. 2012.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

______. Conversas – 1948. 3. ed. São Paulo: Matins Fontes, 2004.

RELPH, E. Reflexões sobre a emergência, aspectos e essência do lugar. In: MARANDOLA JR., E.; HOLZER, W.; OLIVEIRA, L. (Org.). Qual o espaço do lugar?. São Paulo: Perspectiva, 2012. p. 17-32.

______. Geographical experiences and being-in-the-world: the phenomenological origins in Geography. In: SEAMON, D.; MUGERAUER, R. (Ed.). Dwelling, place and environment: towards a phenomenology of person and world. New York: Columbia University Press, 1985. p. 15-31.

______. As bases fenomenológicas da geografia. Geografia, Rio Claro, v. 4, n. 7, p. 1-25, 1979.

RISÉRIO, A. Entre as redes e as ruas. A Tarde, Salvador, 20 jul. 2013. p. A2.

SCHMID, C. A teoria da produção do espaço de Henri Lefebvre: em direção a uma dialética tridimensional. Geousp – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 32, p. 89-109, 2012.

SERPA, A. Um coletivo em rede construindo alternativas políticas para a cidade: o Desocupa Salvador. In: ROLNIK, R.; FERNANDES, A. (Org.). Cidades. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. p. 481-502. v. 1.

______. Microterritórios e segregação no espaço público da cidade contemporânea. Cidades, Presidente Prudente, v. 10, p. 61-75, 2013a.

______. Segregação, território e espaço público na cidade contemporânea. In: VASCONCELOS, P. A.; CORRÊA, R. L.; PINTAUDI, S. M. (Org.). A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: Contexto, 2013b. p. 169-188.

______. Espacialidade do corpo e ativismos sociais na cidade contemporânea. Mercator (Fortaleza. Online), v. 12, p. 23-30, 2013c.

______. Lugar e Mídia. São Paulo: Contexto, 2011.

______. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

SOUZA, M. L. “Território” da divergência (e da confusão): em torno das imprecisas fronteiras de um conceito fundamental. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo/Presidente Prudente: Expressão Popular, 2009. p. 57-72.

______. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p. 77-116.

VIRILIO, P. A bomba informática. São Paulo: Estação Liberdade, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.125427

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Angelo Serpa

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br