Técnica e política na agricultura globalizada: A expansão do setor sucroenergético em Goiás

  • Fernando Campos Mesquita Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências. Departamento de Política Científica e Tecnológica
  • Ricardo Abid Castillo Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências. Departamento de Geografia
Palavras-chave: Agricultura Globalizada, Dimensão Técnica da Produção, Dimensão Política da Produção, Setor Sucroenergético, estado de Goiás.

Resumo

Com a globalização, crescem perspectivas que valorizam o peso de forças externas na dinâmica econômica dos lugares. Essa ideia é ainda mais forte em uma atividade altamente internacionalizada e com elevada presença de empresas multinacionais como o agronegócio. No entanto, o vetor externo é apenas um lado do processo. Seguindo a concepção de Santos (2010), entendemos que algumas categorias de lugares produtivos inseridos na globalização podem sediar pouco do comando político da produção, mas ficam com parcela significativa do comando técnico. Desse modo, ao passo que os centros de decisão do agronegócio são externos às regiões de Cerrado, o desenvolvimento de técnicas que levam ao aprimoramento da agricultura se relaciona com fatores internos. O objetivo é apontar evidências dessa afirmação no crescimento do setor sucroenergético em Goiás, buscando reconhecer o devido valor das condições internas dos lugares e regiões produtivas em sua relação dialética com os vetores da globalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Campos Mesquita, Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências. Departamento de Política Científica e Tecnológica

Graduado em Geografia na Universidade Federal de Uberlândia. Mestre e Doutor em Geografia pelo Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas

Ricardo Abid Castillo, Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências. Departamento de Geografia

Graduação em Geografia na Universidade de São Paulo. Mestre e Doutor em Geografia Humana na Universidade de São Paulo.

Referências

ALBUQUERQUE, R. H.; ORTEGA, A. C.; REYDON, B. P. O setor público de pesquisa agrícola no Estado de São Paulo. Cadernos de difusão de tecnologia, Brasília, n. 3, p. 79-132, 1986.

ANFAVEA. Estatísticas. Disponível em <http://goo.gl/uXCcOS>. Acesso em: Set. 2016.

BATISTA, F. BP adquire a fatia que faltava na Tropical por R$ 118 milhões. Valor Econômico, São Paulo, 10 mar. 2011. Agronegócios. Disponível em <https://goo.gl/bAkRN1>. Acesso em: Mar. 2015.

_______. BP Biocombustíveis prevê moer 10 milhões de toneladas de cana em 2015. Valor Econômico, São Paulo, 22 mai. 2015. Agronegócio. Disponível em <https://goo.gl/7kxbFX>. Acesso em: Set. 2016.

BENETTI, M. D. A internacionalização real do agronegócio brasileiro - 1990-03. Economia FEE, v. 32, n. 2, p. 197–222, 2004.

_______. A internacionalização recente da indústria de etanol brasileira. Indicadores Econômicos FEE, v. 36, n. 4, p. 1–12, 2009.

BONACELLI, M. B. M.; FUCK, M. P.; CASTRO, A. C. O sistema de inovação agrícola: instituições, competências e desafios do contexto brasileiro. In: BUAINAIN, A. M.; BONACELLI, M. B. M.; MENDES, C. I. C. Propriedade intelectual e inovações na agricultura. Brasília, Rio de Janeiro: IdeiaD, 2015.

BRANDÃO, C. A. Desenvolvimento, Territórios e Escalas Espaciais: levar na devida conta as contribuições da economia política e da geografia crítica para construir a abordagem interdisciplinar. In: RIBEIRO, M. T. F.; MILANI, C. R. S. (Orgs.). Compreendendo a complexidade sócio espacial contemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar. Salvador: EDUFBA. p. 151–186, 2009.

CARVALHO, S. A. D. DE; FURTADO, A. T. O Melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o desafio das mudanças climáticas globais. Revista Gestão e Conexões, v. 2, n. 1–jan/jun, p. 22–46, 2013.

CASTILLO, R. A. A expansão do setor sucroenergético no Brasil. In: BERNARDES, J. A.; SILVA, C. A.; ARRUZZO, R. C. (Orgs.). Espaco e Energia: Mudancas No Paradigma Sucroenergetico. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013. p. 75–84.

_______. Dinâmicas recentes do setor sucroenergético no Brasil: Competitividade regional e expansão para o bioma Cerrado. GEOgraphia, v. 17, n. 35, p. 95–119, 2015.

CASTILLO, R. A.; ELIAS, D.; PEIXINHO, D.; BUHLER, E. A.; PEQUENO, R.; FREDERICO, S. Regiões do agronegócio, novas relações campo-cidade e reestruturação urbana. Revista da ANPEGE, v. 12, n. 18, 2016, p. 265-288.

CASTRO, S. S.; HERNANI, L. C. Solos frágeis: caracterização, manejo e sustentabilidade. Brasília, DF: Embrapa, 2015.

CERQUEIRA LEITE, R. C.; LEAL, M. R. L. V.; BARBOSA, L. A. C.; GRIFFIN, M. W; SCANDIFFIO, M. G. Can Brazil replace 5% of the 2025 gasoline world demand with ethanol? Energy. v. 34, n. 5, p. 655-661, 2008.

CONTINI, E.; ALVES, E.; BASTOS, E. T. Dinamismo da agricultura. Revista de Política Agricola, v. XIX, n. Edição Especial de Aniversário do Mapa-150 anos, p. 42–64, 2010.

DELGADO, G. C. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: UFRGS Editora, 2012.

ELIAS, D. Agronegócio e novas regionalizações no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 13, n. 2, p. 153–167, 2011.

_______. A cidade e o campo: ambiente e sociedade. In: SPOSITO, E. S.; SILVA, C. A.; SANT'ANNA NETO, J. L.; MELAZZO, E. S. (Orgs.) A diversidade da Geografia brasileira: Escalas e dimensões da análise e da ação. Rio de Janeiro: Consequência, 2016.

FAUCHER, D. Géographie agraire: types de cultures. Paris, Librairie de Médicis, 1949.

FREDERICO, S. O novo tempo do cerrado: expansão dos fronts agrícolas e controle do sistema de armazenamento de grãos. 2008. Tese/Doutorado em Geografia Humana – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

FURTADO, A. T.; SCANDIFFIO, M. I. G.; CORTEZ, L. A. B. The Brazilian sugarcane innovation system. Energy Policy, v. 39, n. 1, p. 156-166, 2011.

GASPAR, M.; AGOSTINI, R. Brenco: O que deu errado. Revista Exame, São Paulo, 24 ago. 2009. Disponível em <https://goo.gl/mmRwPL>. Acesso em: Mar. 2015.

GONÇALVES, J. S. Reprimarização ou desindustrialização da economia brasileira: uma leitura a partir das exportações para o período 1997-2010. IEA. Análises e Indicadores do Agronegócio, v. 6, n. 12, 2011.

LANDELL, M. G. de A.; PRADO, H.; VASCONCELOS, A. C. M.; PERECIN, D.; ROSSETTO, R.; BIDÓIA, M. A. P.; SILVA, M. A.; XAVIER, M. A. Oxisol subsurface chemical attributes related to sugarcane productivity. Scientia Agricola, São Paulo, v.60, n.4, p.741-745, 2003.

LIMA, D. A. L. Estrutura e expansão da agroindústria canavieira no sudoeste goiano: Impactos no uso do solo e na estrutura fundiária a partir de 1990. Tese/Doutorado em Economia – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

MANTOUX, Paul. A revolução industrial no século XVIII: estudo sobre os primórdios da grande indústria moderna na Inglaterra. São Paulo: UNESP/Hucitec, 1988

MENDONÇA, M. L.; PITTA, F.; XAVIER, C. V. Monopólio na produção de etanol no Brasil: A fusão Cosan-Shell. Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. São Paulo: 2011.

MESQUITA, F. C. Evolução da agricultura e transformações da técnica e das relações territoriais no cerrado goiano: a dimensão endógena da expansão da agroindústria canavieira. Tese/Doutorado em Geografia – Instituto de Geociências/Unicamp, Campinas, 2015.

_______. Evolução do aprendizado na expansão da cana-de-açúcar para Goiás: O papel dos centros de pesquisa. Campo-Território. v. 11, n. 22, p.393-414 2016.

MESQUITA, F. C.; FURTADO, A . T. Expansão da agroindústria canavieira e qualificação da mão-de-obra em Goiás (2006-2013). Sociedade & Natureza, v. 28, n.1, 2016.

MORAES, M. L. DE; BACCHI, M. R. P. Etanol. Do início às fases atuais de produção. Revista de Política Agrícola, v. 23, n. 4, p. 5-22, 2014.

OLIVEIRA, A. U. A mundialização do capital e a crise do neoliberalismo : o lugar mundial da agricultura brasileira. GeoUsp (Online), v. 19, n. 2, p. 228-244, 2015.

PIETRAFESA, J. P.; PIETRAFESA, P. A. International Capital and New Frontiers of Biofuel Production in Brazilian Midwest. Ateliê Geográfico, v. 10, n. 1, p. 7-27, 2016.

PIRES, M.; RAMOS, P. O termo modernização conservadora: sua origem e utilização no Brasil. Revista Econômica do Nordeste, v. 40, n. 3, 2009.

PROCANA. Anuário da cana: Brazilian Sugar and Ethanol Guide. 2014.

_______. Anuário da cana: Brazilian Sugar and Ethanol Guide. 2015.

SALLES-FILHO, S.; BIN, A. Reflexões sobre os rumos da pesquisa agrícola. In: BUAINAIN, A. M. et al. (Orgs.). O mundo rural no Brasil do século 21: A formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF: Embrapa, 2014. p. 423-452.

SAMPAIO, M. A. P. 360º: o périplo do açúcar em direção à Macrorregião Canavieira do Centro-Sul do Brasil. Tese/Doutorado em Geografia Humana – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas/Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SANTOS, G. R. et al. Quarenta anos de etanol em larga escala no Brasil : desafios, crises e perspectivas. In: SANTOS, G. R. (Org.). A agroindústria canavieira e a produção de etanol no Brasil: características, potenciais e perfil da crise atual. Brasília, DF: IPEA, 2016. p. 17–46.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988

_______. Espaço e método. São Paulo: EDUSP, 2008.

_______. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção, São Paulo: EDUSP, 2006.

_______. Por Uma Outra Globalização. 19. ed. Rio de Janeiro: Record, 2010.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Editora Record, 2008.

STORPER, M. The regional world: territorial development in a global economy. New York, London: Guilford Press, 1997.

SZMRECSÁNYI, T. O planejamento da agroindústria canavieira do Brasil, 1930-1975. São Paulo: Hucitec, 1979.

UNICA – UNIÃO DA INDÚSTRIA DE CANA-DE-AÇÚCAR. Dados e cotações. Disponível em <http://www.unica.com.br/>. Acesso em: Maio de 2016.

VALENTI, G.; RAMOS, C. S. Após acordo, Petrobrás deverá vender ações na São Martinho, Valor Econômico. São Paulo, 16 dez. 2016. Agronegócios. Disponível em <https://goo.gl/g3FL3e>. Acesso em: Dez. 2016.

WESZ JUNIOR, V. J. Dinâmicas e estratégias das agroindústrias de soja no Brasil. Rio de Janeiro: e-papers, 2011.

Publicado
2019-06-24
Como Citar
Mesquita, F., & Castillo, R. (2019). Técnica e política na agricultura globalizada: A expansão do setor sucroenergético em Goiás. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 23(2), 285-306. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.125515
Seção
Artigos