Necropolíticas espaciais e juventude masculina: a relação entre a violência homicida e a vitimização de jovens negros pobres do sexo masculino

  • Fernando Bertani Gomes Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Joseli Maria Silva Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Homicide violence. Young men. Biopolitic. Necropolitic.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de compreender a violência homicida como constituidora das periferias pobres vivenciadas por jovens homens. Para tanto, a ideia de periferia pobre é compreendida aqui como um espaço relacional e multiescalar (Massey, 2008) que envolve práticas de masculinidades específicas mediadas pelo biopoder (Foucault, 2006) e pela necropolítica (Mbembe, 2011). Foram analisados 86 inquéritos policiais de homicídios ocorridos entre 2012 e 2015 da 13ª Subdivisão Policial de Ponta Grossa e das Varas Criminais da mesma cidade. O perfil mais vitimado encontrado na análise documental foi de pessoas do sexo masculino com idade entre 15 e 25 anos, moradoras de áreas periféricas pobres da cidade. O perfil da violência homicida é originado de mecanismos e estratégias sociais de gestão da vida que fazem das periferias pobres e de seus jovens homens moradores a materialização da produção da morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Bertani Gomes, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Referências

ADORNO, S. Crime, justiça penal e desigualdade jurídica: as mortes que se contam no tribunal do júri. Revista USP, Dossiê Judiciário, São Paulo, n. 21, p. 133-151, 1994.

AGAMBEN, G. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

ALVES, J. A. From Necropolis to blackpolis: necropolitical governance and black spatial praxis in São Paulo, Brazil. Antipode, Medford, v. 46, n. 2, p. 323-339, 2013.

______. Topografias da violência: necropoder e governamentalidade espacial em São Paulo. Revista do Departamento de Geografia – USP, São Paulo, v. 22, p. 108-134, 2011.

ANISTIA INTERNACIONAL. Você matou meu filho: homicídio cometido pela polícia militar na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Anistia Internacional, 2015.

BRASIL. Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940.

CHIMIN JUNIOR, A. B. O espaço como componente de vulnerabilidade aos atos infracionais desenvolvidos por adolescentes do sexo masculino em conflito com a lei em Ponta Grossa – Paraná. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2009.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2015. Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2015. Ano 9.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

______. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 2003.

______. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2000a.

______. Microfísica do poder. 15. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2000b.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GOMES, F. B. “Cenas embaçadas”: a relação entre as espacialidades vivenciadas por jovens do sexo masculino e a morte por homicídio na cidade de Ponta Grossa, Paraná. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf. Acesso em: 8 fev. 2018.

______. Mapa da pobreza e desigualdade. 2003. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/ponta-grossa/pesquisa/36/30246. Acesso em: 8 fev. 2018.

INGRAM, M. C.; COSTA, M. M. da. Targeting violence reduction in Brazil: policy implications from a spatial analysis of homicide. Policy Brief, 2014. (Latin America Initiative, Foreign Policy at Brookings).

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da Violência. Nota Técnica, n. 17. Brasília, DF: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2016.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford: Basil Blackwell, 1991.

LIMA, C. B. de. Jovens em conflito com a lei: liberdade assistida e vidas interrompidas. Londrina: EDUEL, 2009.

MASSEY, D. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MBEMBE, J.-A. Necropolítica seguido de Sobre el gobierno privado indirecto. Trad. e Ed. Elisabeth Falomir Archambault. Numancia, ES: Melusina, 2011.

______. Necropolitics. Public Culture, Durham, v. 15, n. 1, p. 11-40, 2003.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, E.; MATIAS, L. Expansão urbana e desigualdade socioespacial: uma análise da cidade de Ponta Grossa (PR). RA’ E GA, v. 23, p. 65-97, 2011.

PARANÁ. Relatório Estatístico Criminal da Secretaria da Segurança Pública do estado do Paraná – 2010 a 2015. Secretaria da Segurança Pública/Administração Penitenciária, [s.d.]. Disponível em: http://www.seguranca.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=38. Acesso em: 8 fev. 2018.

REIS, V. Atucaiados pelo Estado: as políticas de Segurança Pública implementadas nos bairros populares de Salvador e suas representações, 1991-2001. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

ROCHA, H. L. Espaço espiado: o uso de crack como um elemento das espacialidades vivenciadas por adolescentes do sexo masculino em Ponta Grossa-PR. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2013.

ROSSI, R. Espacialidade carcerária e a instituição de masculinidades entre homens jovens egressos em Ponta Grossa-PR. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2017.

______. “Malucos da quebrada”: territórios urbanos na complexidade espacial cotidiana dos adolescentes homens em conflito com a lei em Ponta Grossa - Paraná. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2010.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. 7. ed. São Paulo: Edusp, 2007.

THRIFT, N. Immaculate Warfare? The Spatial Politics of Extreme Violence. In: GREGORY, D.; PRED, A. Violent geographies: fear, terror, and political violence. New York: Routledge Taylor & Francis Group, 2006. p. 273-294.

VARGAS, J. C. A diáspora negra como genocídio: Brasil, Estados Unidos ou uma geografia supranacional da morte e suas alternativas. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) – ABPN, Goiânia, v. 1, n. 2, p. 31-65, 2010.

WAISELFISZ, J. J. Os jovens do Brasil: Mapa da Violência 2014. São Paulo: Juventude Viva/Secretaria Nacional de Juventude, 2014.

______. Mapa da violência: homicídios e juventude no Brasil. São Paulo: Instituto Sangari, 2013.

______. Mapa da violência: os novos padrões da violência homicida no Brasil. São Paulo: Instituto Sangari, 2012.

______. Mapa da violência: os jovens do Brasil. São Paulo: Ministério da Justiça, 2011.

ŽIŽEK, S. Violência – seis notas à margem. Lisboa: Relógio D’Água, 2009.

Publicado
2018-03-15
Como Citar
Gomes, F., & Silva, J. (2018). Necropolíticas espaciais e juventude masculina: a relação entre a violência homicida e a vitimização de jovens negros pobres do sexo masculino. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 21(3), 703-717. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.127748
Seção
Artigos