Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Articulação entre múltiplas escalas geográficas: lógicas e estratégias espaciais de empresas

Maria Encarnação Beltrão Sposito, Eliseu Savério Sposito

Resumo


No atual período, marcado por formas de produção e consumo associadas ao pós-fordismo e pela constituição social e política do neoliberalismo, empresas de diferentes portes econômicos e abrangências espaciais baseiam suas decisões sobre a localização de seus estabelecimentos e a conformação de seus mercados e áreas de atuação segundo diferentes escalas geográficas. De um lado, a articulação entre lógicas econômicas e espaciais e, de outro, estratégias espaciais das empresas são apresentadas aqui no contexto do capitalismo contemporâneo e da conformação de redes de lojas comerciais que se sustentam em redes urbanas, mas também transformam suas configurações e os papéis de várias cidades nessa estrutura espacial de escala interurbana. Tomamos como referência empírica a lógica econômica e espacial de algumas empresas e a estratégia espacial de outras para mostrar o que é geral e o que pode ser apreendido como particular e singular nas tendências analisadas.


Palavras-chave


Lógicas econômicas. Estratégias espaciais. Escalas geográficas. Comércio. Consumo.

Texto completo:

PDF

Referências


ATACADÃO. Disponível em: https://www.atacadao.com.br/historia. Acesso em: 25 ago. 2016.

BENNETT, P. Financial Risks and Management. In: KITCHIN, R.; THRIFT, N. (Ed.). International Encyclopedia of Human Geography. Amsterdam: Elsevier, 2009. p. 167-172. v. 4.

BRENNER, N. Reestruturação, reescalonamento e a questão urbana. Tradução de Daniel Sanfelici, Karen Heberle. Geousp – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, n. 33, p. 198-220, 2013. ISSN 2179-0892. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74311/77954. Acesso em: 20 jun. 2017.

______. The limits to scale? Methodological reflections on scalar structuration. Progress in Human Geography, v. 25, n. 4, p. 591-614, 2001.

CASTRO, I. E. Escala e pesquisa na geografia: problema ou solução?. Espaço Aberto, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 87-99, 2014.

______. O problema da escala. In: CASTRO, I. E. et al. (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. p. 117-140.

CATELAN, M. J. Heterarquia urbana: interações espaciais interescalares e cidades médias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

CHAPMAN, K. Industrial Location. In: KITCHIN, R.; THRIFT, N. (Ed.). International Encyclopedia of Human Geography. Amsterdam: Elsevier, 2009. p. 396-401. v. 5.

CHRISTOPHERSON, S.; CLARK, J. Remaking Regional Economies: Power, labor, and firm strategies in the knowledge economy. Abingdon: Taylor & Francis, 2007.

CLARK, G. L. Unions and communities under siege: American communities and the crisis of organized labor. New York: Cambridge University Press, 1989.

______; FELDMAN, M. P.; GERTLER, M. S. Economic Geography: transition and Growth. In: CLARK, G. L.; FELDMAN, M. P.; GERTLER, M. S. (Ed.). The Oxford Handbook of Economic Geography. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 3-17.

CORRÊA, R. L. Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016[2009].

DERUDDER, B. World/Global Cities. In: KITCHIN, R.; THRIFT, N. (Ed.). International Encyclopedia of Human Geography. Amsterdam: Elsevier, 2009. p. 262-268. v. 12.

EXAME. Melhores e maiores: as 500 maiores empresas do Brasil. São Paulo: Abril, jul. 2006. Disponível em: https://issuu.com/exame/docs/mm2006. Acesso em: 25 ago. 2016.

FISCHER, A. A dimensão espacial no “aménagement” do território: o exemplo francês. Revista RA’E GA, Curitiba, n. 7, p. 9-17, 2003.

______. Industrie et espace géographique. Paris: Masson, 1994.

GPA. Disponível em: http://www.gpabr.com/o-grupo/o-grupo.htm. Acesso em: 15 ago. 2016

HIDALGO, R. et al. En las costas del neoliberalismo: naturaleza, urbanización y producción inmobiliaria: experiencias en Chile y Argentina. Santiago: PUC-Chile, 2016.

LACOSTE, Y. A geografia, isso serve antes de mais nada para fazer a guerra. Campinas: Papirus, 1988.

LAULAJAINEN, R. Spatial strategies in retailing. Dordrecht: D. Reidel, 1987.

LAZZARATO, M. La fábrica del hombre endeudado: ensayo sobre la condición neoliberal. Buenos Aires: Amarrortu, 2013[2011].

LEVY, J.; LUSSAULT, M. Dictionnaire de la géographie: et de l’espace des sociétés. Paris: Belin, 2003.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. La cultura-mundo: respuesta a una sociedad desorientada. Barcelona: Anagrama, 2010.

LOZANO, L. P. G.; SPOSITO, E. S. Cidades médias e distribuição espacial do comércio de eletrodomésticos no Brasil. In: BELLET, C. et al. (Org.). Urbanización, producción y consumo en ciudades medias/intermedias. Lleida: Edicions de la Universitat de Lleida, 2015. p. 79-106.

MAGAZINE LUIZA. Disponível em: http://www.magazineluiza.com.br/quem-somos/perfil-da-empresa/. Acesso em: 25 ago. 2016.

MARKUSEN, A. Economic geography and political economy. In: BAGCHI-SEN; S.; SMITH, H. L. (Ed.). Economic Geography: past, present and future. New York: Taylor & Francis, 2006. p. 94-102.

MARTIN, R. L. Local Labour Markets: their Nature, Performance, and Regulation. In: CLARK, G. L.; FELDMAN, M. P.; GERTLER, M. S. (Ed.). The Oxford Handbook of Economic Geography. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 455-476.

McDOWELL, L. Feminist economic geographies gendered identities, cultural economies and economic change. In: BAGCHI-SEN, S.; SMITH, H. L. (Ed.). Economic Geography: past, present and future. New York: Taylor & Francis, 2006. p. 34-46.

MELAZZO, E. S.; CASTRO, C. A escala geográfica: noção, conceito ou teoria?. Terra Livre, v. 2, n. 30, p. 133-142, 2008.

MIGUEL, F. M. Geografía económica (aplicada)/geografia econômica/economic geography. In: TRIGAL, L. L.; FERNANDES, J. A. R.; SPOSITO, E. S. (Org.). Diccionario de geografía aplicada y profesional: terminología de análisis, planificación y gestión del territorio. León: Universidad de León, 2015. p. 270-271.

RUTHERFORD, J. Informational City. In: KITCHIN, R.; THRIFT, N. (Ed.). International Encyclopedia of Human Geography. Amsterdam: Elsevier, 2009. p. 475-480. v. 5.

SHEPPARD, E. Geography or Economics?: Conceptions of Space, Time, Interdependence, and Agency. In: CLARK, G. L.; FELDMAN, M. P.; GERTLER, M. S. (Ed.). The Oxford Handbook of Economic Geography. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 99-119.

SMITH, A. Spatial Division of Labor. In: KITCHIN, R.; THRIFT, N. (Ed.). International Encyclopedia of Human Geography. Amsterdam: Elsevier, 2009. p. 348-354. v. 10.

SOJA, E. W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

SPOSITO, M. E. B. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: CARLOS, A. F. A. et al. A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011. p. 123-145.

______. O desafio metodológico da abordagem interescalar no estudo das cidades médias no mundo contemporâneo. Cidades, Presidente Prudente, v. 3, p. 143-157, 2006.

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa socioespacial. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2013.

SOUZA, J. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: UFMG/Iuperj, 2006.

VIA VAREJO. Disponível em: http://ri.viavarejo.com.br/conteudo_pt.asp. Acesso em: 15 ago. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.131655

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Maria Encarnação Spósito

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br