Índices de vegetação e competitividade entre cidades

  • Mariane Félix da Rocha Universidade Federal do Paraná
  • João Carlos Nucci Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Índices, Área Verde, Cobertura vegetal, Competitividade, Cidades

Resumo

Muitas cidades exaltam seus índices de áreas verdes ou de cobertura vegetal e comparam-se com outras cidades para provar sua superioridade nesse quesito. Com base nessa constatação foi escrito esse artigo de revisão bibliográfica, com três objetivos principais: discutir a questão dos índices de áreas verdes ou de cobertura vegetal das cidades, verificar a possibilidade de comparação entre os diversos índices de cobertura vegetal ou áreas verdes de algumas cidades brasileiras com base no que as mesmas divulgam online, e buscar uma resposta para a necessidade das cidades competirem entre si, apresentando índices maiores de áreas verdes ou cobertura vegetal. Obteve-se como resposta às perguntas formuladas que: a utilidade dos índices de vegetação depende da clareza de sua elaboração e da realidade onde se pretende aplicá-los; que na maioria das vezes as prefeituras divergem quanto à conceituação e nos materiais e métodos de medição da vegetação utilizados, impossibilitando a comparação entre elas com base nos dados divulgados online pelas prefeituras; e que a necessidade de competição entre as cidades dá-se em função da imprescindibilidade de as cidades se destacarem nos quesitos sustentabilidade e qualidade de vida para atraírem investimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane Félix da Rocha, Universidade Federal do Paraná

Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Paraná.

João Carlos Nucci, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Geografia e graduado em Biologia pela USP. Professor do Departamento de Geografia da UFPR.

Referências

ACSELRAD, H. Sentidos da sustentabilidade urbana. In: ACSELRAD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de clima do Brasil. Brasília: IBGE, 2002. Escala 1:5.000.000.

BUCCHERI FILHO, A. T.; NUCCI, J. C. Espaços livres, áreas verdes e cobertura vegetal no bairro Alto da XV, Curitiba/PR. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 18, p. 48-59, 2006.

CAPITAL Ecológica III. Curitiba, 2003. 1 videocassete (27 min), sonoro, color. VHS NTSC.

CAVALHEIRO, F. O planejamento de espaços livres: o caso de São Paulo. Revista Silvicultura/Instituto Florestal, São Paulo, v. 16A, parte 3, 1982.

CAVALHEIRO, F.; NUCCI, J. C.; GUZZO, P.; ROCHA, Y. T.; Proposição de terminologia para o verde urbano. Boletim Informativo da SBAU (Sociedade Brasileira de Arborização Urbana), ano VII, n. 3 – jul/ago/set de 1999, Rio de Janeiro, p. 7.

CNN. Vegas tries to kick its water addiction. 2011. Disponível em: <http://edition.cnn.com/2011/US/09/02/las.vegas.water/>. Acesso em: 15/09/2016.

COMPANS, R. Cidades sustentáveis, cidades globais. Antagonismo ou complementaridade? In: ACSELRAD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

CORREIO DO ESTADO. Campo Grande ultrapassa Goiânia e se torna a capital mais arborizada. 2012. Disponível em: <http://www.correiodoestado.com.br/noticias/campo-grande-ultrapassa-goiania-e-se-torna-a-capital-mais-arborizada/159970/>. Acesso em: 14/03/2017.

CURITIBA. Índice de área verde passa para 64,5 m² por habitante. Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba, 2012. Disponível em: <http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/indice-de-area-verde-passa-para-645-m2-por-habitante/25525>. Acesso em: 12/09/2014.

CURRENT RESULTS. Hottest Canadian Cities. 2016. Disponível em: <https://www.currentresults.com/Weather-Extremes/Canada/hottest-cities.php>. Acesso em: 15/12/2016.

DALBEM, R. P.; NUCCI, J. C. Cobertura vegetal: conceituação, classificação e quantificação aplicadas ao bairro São Braz, município de Curitiba – PR. In: IV Seminário Latinoamericano de Geografia Física, 2006, Maringá/PR. Anais...Maringá: UEM, 2006.

DINIZ FILHO, L. L.; VICENTINI, Y. Teorias espaciais contemporâneas: conceito de competitividade sistêmica e o paradigma da sustentabilidade ambiental. In: MENDONÇA, F. (Org.). Impactos socioambientais urbanos. Curitiba: Editora UFPR, 2004. p. 79-98.

DOMARESKI-RUIZ, T. C. A dinâmica evolutiva da competitividade do destino turístico Curitiba. 353 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

FIGUEIRÓ, A. S. Biogeografia: dinâmicas e transformações da natureza. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

FOLHA DE S. PAULO. Curitiba é escolhida a cidade mais verde entre 17 outras da América Latina. 2010. Disponível em:

<http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/834045-curitiba-e-escolhida-a-cidade-mais-verde-entre-17-outras-da-america-latina.shtml>. Acesso em: 14/03/2017.

GARCIA, F. E. S. Cidade espetáculo: política, planejamento e city marketing. Curitiba: Palavra, 1997.

GOIÂNIA. Prefeitura do Município de Goiânia. Plano Diretor de Arborização Urbana de Goiânia. Disponível em:

<http://www.goiania.go.gov.br/download/amma/relatorio_Plano_Diretor.pdf>. Acesso em: 06/04/2015.

GOUVÊA, L. A. Biocidade: conceitos e critérios para um desenho ambiental urbano, em localidades de clima tropical de planalto. São Paulo: Nobel, 2002.

GRISE, M. M.; BIONDI, D.; ARAKI, H. A floresta urbana da cidade de Curitiba, PR. Floresta, Curitiba, v. 46, n. 4, p. 425-438, out./dez. 2016.

HORA, C. E. P.; MEDEIROS, F. A. C.; CAPISTRANO, L. F. D. (Orgs.). Anuário Natal 2013. Natal: SEMURB, 2013.

HOUGH, M. Naturaleza y ciudad: planificación urbana y procesos ecologicos. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1998.

JOÃO PESSOA. Vídeo Institucional da Prefeitura Municipal de João Pessoa. 2007. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=tJ3cxRM7XQs>. Acesso em: 30/11/2016.

LIMA, A. M. L. P.; CAVALHEIRO, F.; NUCCI, J. C.; SOUSA, M. A. L. B.; FIALHO, N. O.; DEL PICCHIA, P. C. D. Problemas de utilização na conceituação de termos como espaços livres, áreas verdes e correlatos. In: II Congresso Brasileiro de Arborização Urbana, 1994, São Luís. Anais...São Luís, 1994, p. 539-553.

LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. Hucitec, 1985.

MARINGÁ. Programa Cidades Sustentáveis. Disponível em: <http://www2.maringa.pr.gov.br/conferencia/?cod=cidadesustentaveis>. Acesso em: 14/03/2017.

MASCARÓ, L. Ambiência urbana. Porto Alegre: Sagra: DC Luzzatto, 1996.

MARTIN, C. A. Landscape Sustainability in a Sonoran Desert City. Cities and the Environment, v. 1, n. 2, 2008.

MARTINS JÚNIOR, O. P. Uma cidade ecologicamente correta. Goiânia: AB, 1996.

MOURA, A. R.; NUCCI, J. C. Análise da cobertura vegetal do bairro de Santa Felicidade, Curitiba/PR. In: XI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2005, São Paulo. Anais...São Paulo: USP, 2005. p. 328-339.

MOURA, A. R.; NUCCI, J. C. Cobertura vegetal em áreas urbanas – o caso do bairro de Santa Felicidade – Curitiba – PR. Geografia, Ensino & Pesquisa, Santa Maria/RS, v. 12, p. 1682-1698, 2008.

NG, E.; CHEN, L.; WANG, Y.; YUAN, C. A study on the cooling effects of greening in a high-density city: An experience from Hong Kong. Building and Environment, v. 47, p. 256–271, 2012.

NOWAK, D.J.; ROWNTREE, R.A.; McPHERSON, E.G.; SISINNI, S.M.; KERKMANN, E.R.; STEVENS, J.C. Measuring and analyzing urban tree cover. Landscape and Urban Planning 36 (1996) 49-57. Disponível em:

. Acesso em: 20/05/2006.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de Ecologia e Planejamento da Paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). Curitiba: Edição do autor, 2008. e-book. Disponível em:

. Acesso em 29/01/2012.

NUCCI, J. C.; CAVALHEIRO, F. Cobertura vegetal em áreas urbanas: conceito e método. GEOUSP, São Paulo, n. 6, p. 29-36, 1999.

NUCCI, J. C.; KROKER, R.; SCHMIDT, E.; BUCCHERI FILHO, A. T. Mapeamento da qualidade ambiental urbana. In: International Congress on Environmental Planning and Management – Environmental Challenges of Urbanization, 2005, Brasília. Anais...Brasília: PUC, 2005. p. 1-20.

NUCCI, J. C.; WESTPHALEN, L. A.; BUCCHERI FILHO, A. T.; NEVES, D. L.; OLIVEIRA, F. A. H. D.; KROKER, R. Cobertura vegetal no bairro Centro de Curitiba/PR. GeoUERJ, Rio de Janeiro, p. 1-14, 2003.

PARK, B. J.; TSUNETSUGU, Y.; KASETANI, T.; KAGAWA, T.; MIYAZAKI, Y. The physiological effects of Shinrin-yoku (taking in the forest atmosphere or forest bathing): evidence from field experiments in 24 forests across Japan. Environ. Health. Prev. Med., n. 15, p. 18-26, 2010.

PIVETTA, A.; CARVALHO, J. A.; DALBEM, R. P.; MOURA, A. R.; NUCCI, J. C. Sistema de classificação da cobertura do solo para fins de comparação entre cidades e bairros. In: XI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2005, São Paulo. Anais...São Paulo: USP, 2005, p. 381-392.

PNUMA. Metodología para la elaboración de los informes GEO Ciudades. Ciudad de México: PNUMA, 2003. Disponível em:

<http://www.pnuma.org/geo/geoalc3/Doc%20COMPLETO/GEO%20ALC%203%20WEB%20VERSION%20C.pdf>. Acesso em: 21/10/2016.

PNUMA. Perspectivas del medio ambiente: América Latina y el Caribe. Panama City: PNUMA, 2010. Disponível em:

<http://www.pnuma.org/geociudades/PDFs/Manual%20GEO%20Ciudades.pdf>. Acesso em: 21/10/2016.

PORTAL DO SERVIDOR. Goiânia é a segunda cidade mais arborizada do mundo. 2014. Disponível em:

<http://www.portaldoservidor.go.gov.br/post/ver/184337/goiania-e-a-segunda-cidade-mais-arborizada-do-mundo>. Acesso em: 14/03/2017.

PORTO ALEGRE. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Áreas Verdes. 2006. Disponível em:

<http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smam/default.php?p_secao=283>. Acesso em: 13/09/2016.

RIO DE JANEIRO. Diretoria de informações da cidade – Gerência de Cartografia. Mapa de uso do solo. Rio de Janeiro: DIC, 2015. Escala 1:200.000.

ROCHA, M. F. Cobertura vegetal na região central das capitais brasileiras. 2017. No prelo.

SÁNCHEZ, F. A (in)sustentabilidade das cidades-vitrine. In: ACSELRAD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. Verde e Meio Ambiente Indicadores (arquivo Excel). Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/planejamento/arquivos/verde%20e%20meio%20ambiente%20indicadores.xls>. Acesso em: 13/09/2016.

SEPE, P. M.; GOMES, S. Indicadores ambientais e gestão urbana: desafios para a construção da sustentabilidade na cidade de São Paulo. São Paulo: Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente: Centro de Estudos da Metrópole, 2008.

SUKOPP, H.; WERNER, P. Naturaleza en las ciudades. Desarrollo de flora y fauna en áreas urbanas. Monografias de la Secretaria de Estado para las Políticas del Agua y el Medio Ambiente. Madrid: Ministério de Obras Públicas y Transportes (MOPT), 1991.

TOLEDO, F. S.; SANTOS, D. G. Um índice de áreas verdes para a cidade de Uberlândia/MG. In: SANTOS, D. G.; NUCCI, J. C. (Orgs.). Paisagens Geográficas: um tributo a Felisberto Cavalheiro. Campo Mourão/PR: Editora da FECILCAM, 2009. p. 103-117.

Veja. Dubai já descobre o lado menos fascinante do crescimento. 2010. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/ciencia/dubai-ja-descobre-o-lado-menos-fascinante-do-crescimento/>. Acesso em: 15/09/2016.

VIAGEM LIVRE. Destino Brasil: João Pessoa, a 2ª cidade mais verde do mundo. 2014. Disponível em: <https://viagem.catracalivre.com.br/brasil/roteiro-viagem/indicacao/destino-brasil-joao-pessoa-a-2a-cidade-mais-verde-do-mundo/>. Acesso em: 14/03/2017.

WOOLLEY, H. Urban open spaces. London: Spon Press, 2003.

YOUNAN, D.; TUVBLAD, C.; LI, L.; WU, J.; LURMANN, F.; FRANKLIN, M.; BERHANE, K.; McCONNELL, R.; WU, A. H.; BAKER, L. A.; CHEN, J. C. Environmental determinants of aggression in adolescents: role of urban neighborhood greenspace. Child & Adolescent Psychiatry, New York, v. 55, n. 7, p. 591-601, jul. 2016.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Rocha, M., & Nucci, J. (2018). Índices de vegetação e competitividade entre cidades. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 641-655. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.133554