Formas alienadas da produção: destruição criativa e produção destrutiva

Palavras-chave: Produção destrutiva, Destruição criativa, Ajuste Espacial, Acumulação por espoliação, Taxa de utilização decrescente do valor de uso

Resumo

Entre os problemas da produção e do consumo contemporâneos está a tendência à obsolescência dos valores de uso das mercadorias o que implica, por um lado, na criação de condições que generalizam a capacidade de geração de valor e, por outro, na ampliação de seu potencial destrutivo. A lei econômica imposta pelo amadurecimento do capital exige a sobreposição do valor de troca ao efeito útil das mercadorias forçando sua reposição constante no mercado e reproduzindo elementos da unidade e do antagonismo entre valor de uso e valor de troca. Esta tendência evidencia os fundamentos da produção destrutiva e da destruição criativa tratados de modos distintos para explicar as contradições que perfilam a sociedade regida pelo capital, respectivamente, por István Mészáros e David Harvey.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Saluti Cardoso, Centro Universitário Fundação Santo André
Bacharel e Licenciado em Geografia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FAFIL) do Centro Universitáiro Fundação Santo André (CUFSA) e mestre em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP), atualmente é professor do curso de Ciências Sociais e Geografia no Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA) e doutorando no curso de Geografia Humana pela USP.

Referências

HARVEY, D. Los límites del capitalismo y la teoría marxista. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 1990.

________. O Novo Imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004.

________. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005a.

________. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Loyola, 2005b.

________. Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008a.

________. Paris, capital de la modernidad. Madrid: Ediciones Akal, 2008b.

________. O Enigma do Capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

________. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

LUXEMBURGO, R. A acumulação do Capital. São Paulo: Nova Cultural, Vol. I e II, 1988.

MARX, K. Para a crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1982, pp. 3-132.

________. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, Vol. I ao V, 1985.

________. Elementos fundamentales para la crítica de la economía política (Grundrisse/Borrador 1857-1858). São Paulo: Boitempo Editorial, Vol. I ao III, 2007.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MANDEL, E. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

MÉSZÁROS, I. Produção destrutiva e estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989.

________. Filosofia, ideologia e ciência social: ensaios de negação e afirmação. São Paulo: Ensaio, 1993.

________. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2007.

________. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

________. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2012.

________. A montanha que devemos conquistar. São Paulo: Boitempo, 2015.

NETTO, J. P. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. São Paulo: Cortez, 1995.

OHNO, T. O sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 1997.

PERLO, V. Militarismo e indústria: armamentos e lucros na era dos projéteis. São Paulo: Paz e Terra, 1969.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Cardoso, F. (2018). Formas alienadas da produção: destruição criativa e produção destrutiva. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 572-590. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.138601
Seção
Artigos