Cinco visões sobre a terra na geofilosofia de Nietzsche

  • David Emanuel Madeira Davim Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências
  • Eduardo José Marandola Junior Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Aplicadas
Palavras-chave: Hermenêutica nietzschiana, terra, geofilosofia, epistemologia da geografia, filosofia da geografia

Resumo

Nietzsche é, reconhecidamente, um pensador de espírito iconoclasta, assim como um demolidor de ídolos, visões de mundo e fundamentos morais. Porém, há outro movimento igualmente valioso em sua filosofia que parece ter ficado em segundo plano. Tal movimento nos convoca a compreendê-lo também como um pensador edificante e propositivo, trazendo em seus escritos, bases para pensar uma nova Ciência e Filosofia, afirmando outras realidades, novos valores, assim como perspectivas de vida e mundo. Por este caminho, Nietzsche seria fundamental à uma hermenêutica que teria forte reverberação na geografia fenomenológica contemporânea. Em nossa interpretação, a filosofia nietzschiana guarda consigo uma cosmologia surpreendente e perturbadora. Uma compreensão e visão de mundo particular que, se desdobrada com atenção, é capaz de dispor uma postura hermenêutica sobre a existência, assim como uma geofilosofia interpretativa. É sobre os alicerces dessa possível cosmologia e geofilosofia nietzschiana que nossa investigação se debruça. Nosso esforço se vale por escavar, inicialmente, a multiplicidade da terra, enquanto um dos termos basilares desta cosmologia. A partir dela nos permitiremos pensar outras reverberações geográficas e filosóficas de semelhante valia, a exemplo de cosmo e mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

David Emanuel Madeira Davim, Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências

Possui graduação em Geografia, licenciatura plena e bacharelado, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia, (FCT-UNESP) Campus de Presidente Prudente-SP (2002-2006). Possui curso de especialização lato sensu relacionado ao ensino em Geografia pelo programa Redefor, desenvolvido pela FCT-UNESP de Presidente Prudente-SP (2011-2013), em parceria com a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Tem experiência profissional no ensino básico (Fundamental e Médio), produção e análise de recursos didáticos, reformulação curricular e formação de profissionais da educação. Desenvolveu pesquisa na área de Geografia (em articulação com demais Ciências Humanas), com ênfase em Geografia Humana, Geografia Crítica, Geografia Humanista e Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura e espaço, epistemologia, teoria da educação, fenomenologia, História, Etno-História, Etnografia Indígena, formação étnica e territorial, História do pensamento geográfico e Antropologia Cultural. Atualmente é mestrando do curso de Geografia do Instituto de Geociências (IG) da UNICAMP, tendo por linha de investigação: epistemologia em Geografia, Geografia Humanista e Fenomenológica e Filosofia Contemporânea (destaque para a proposta nietzschiana e heideggeriana de pensamento).

Eduardo José Marandola Junior, Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Aplicadas

Doutor em Geografia pelo IG - Unicamp, Professor titular, FCA - Unicamp.

Referências

ANDRADE, Manuel C. A terra e o homem no nordeste. São Paulo: Brasiliense, 1963.

ASTOR, Dorian. Nietzsche. Tradução de Gustavo A. Feix. Porto Alegre: L&PM, 2013.

AZEVEDO, Aroldo (Org.) Brasil: a terra e o homem. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1967. 2v.

BARRENECHEA, Miguel Angel. Nietzsche e o corpo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos: Ensaio sobre a imaginação do movimento. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2001.

BERDOULAY, Vincent. A escola francesa de geografia: uma abordagem contextual. Trad. Oswaldo Bueno Amorim Filho. São Paulo: Perspectiva, 2017.

BERQUE, Augustin. Écumène: introduction à l’étude des millieux humains. Paris: Belin, 2009.

______. Poétique de la terre: histoire naturelle et histoire humaine, essai de mésologie. Paris: Belin, 2014.

BESSE, Jean-Marc. Ver a terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. Trad. Vladimir Bartalini. São Paulo: Perspetiva, 2006.

BUTTIMER, Anne. Society and milieu in the French geographic tradition. Washington: AAG, 1971.

CLAVAL, Paul. Terra dos homens: a Geografia. São Paulo: Contexto, 2010.

DARDEL, Éric. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. Tradução de Werther Holzer. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia. Tradução de Ruth Jofilly Dias e Edmundo Fernandes Dias. Rio de Janeiro. Editora Rio de janeiro, 1976.

D'IORIO, Paolo. Nietzsche na Itália: a viagem que mudou os rumos da filosofia. Tradução: Joana Angélica d'Avila Melo. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

FEITOSA, Charles. Filosofia e Geografia em Nietzsche. In: BARRENECHEA, Miguel Angel de, et al. Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7letras, p. 139 -149, 2011.

FOGEL, Gilvan. Corpo como realidade imediata. In: BARRENECHEA, Miguel Angel de, et al. Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7letras, p. 81 – 85, 2011.

GIACOIA JR, Oswaldo. Nietzsche. São Paulo: Publifolha, 2000.

GRANIER, Jean. Nietzsche. Tradução: Denise Bootmann. Porto Alegre: L&PM Editores, 2009.

GROS, Frédéric. Caminhar, uma filosofia. Tradução de Lília Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações, 2010.

GÜNZEL, Stephan. Nietzsche’s Geophilosophy. Journal of Nietzsche Studies, New York, v. 25, n.1, p. 78 - 91, 2003.

HAGGETT, Peter. Geography: a modern synthesis. 2ed. New York: Harper, 1975.

HARVEY, David. Explanation in geography. New York: St Martin’s, 1969.

______. Social justice and the city. Baltimore: John Hopkins, 1973.

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche (1). Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

______. Sobre o Humanismo. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2009a.

HOLZER, Werther. Mundo e lugar: ensaio de geografia fenomenológica. MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia. (Orgs.) Qual o espaço do lugar? Geografia, Epistemologia, Fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012. p.281-304.

HUMBOLDT, Alexander. Cosmos: essai d’une description physique du monde. Trad. H. Faye. Paris: Gide, 1859.

KINGSBURY. Paul. Editorial Introduction: Friedrich Nietzsche and Geography. ACME: An International E-Journal for Critical Geographies, Okanagan, v. 9 n.1, p. 1 – 9, 2010a.

______. Unearthing Nietzsche’s Bomb: Nuance, Explosiveness, Aesthetics. ACME: An International E-Journal for Critical Geographies, Okanagan, v. 9, n.1, p. 48-61, 2010b.

KOURETAS, D. The Oracle of Trophonius: A Kind of Shock Treatment Associated with Sensory Deprivation in Ancient Greece. The British Journal of Psychiatry. London, v.505, n.113, p.1441-1446, 1967.

MALPAS, Jeff. Heidegger’s topology: being, place, world. Cambridge: MIT press, 2008.

MARTON, Scarlett. Da biologia a física: vontade de potencia e eterno retorno do mesmo. Nietzsche e as ciências da Natureza. In: BARRENECHEA, Miguel Angel de et al. Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7letras, 2011, p. 114 -129.

______. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: UFMG, 2010a.

______. Nietzsche: seus leitores e suas leituras. São Paulo: Barcarolla, 2010b.

MÜLLER-LAUTER. Wolfgang. Nietzsche: sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. Tradução de Claudemir Araldi. São Paulo: Unifesp, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011a.

______. Além do bem e do mal: prelúdio de uma filosofia do futuro. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

______. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2011b.

______. Aurora: Reflexões sobre os preconceitos morais. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo. Companhia das Letras, 2004.

______. Crepúsculo dos ídolos: como se filosofa com o martelo. Tradução Renato Zwick. Porto Alegre: L&PM Editores, 2009b

______. Fragmentos Póstumos 1887-1889. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012a.

______. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo. Companhia das Letras, 2009a.

______. Humano Demasiado Humano: um livro para espíritos livres, volume I. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2012b.

______. Humano Demasiado Humano: um livro para espíritos livres, volume II. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

______. O nascimento do Trágico: helenismo e pessimismo. Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das letras, 1992.

______. O Anticristo: ensaio de uma critica ao cristianismo. In: NIETZSCHE, Friedrich. O Anticristo e Ditirambos de Dionísio, Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2016.

______. O Eterno Retorno: a vontade de potência. In: Os Pensadores - Nietzsche: obras incompletas. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1884-1888/1999, p. 443-450.

OLIVER, John E. Physical geography: principles and applications. North Scituate: Duxbury, 1979.

PARKES, Graham. Nietzsche's environmental philosophy: A trans-european perspective, Environmental Ethics. Albuquerque, v.1, n.27, p.77-91, 2005.

PATTISON, W. As Quatro Tradições da Geografia. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, v.7, n.13, p.101-110, 1977.

RANDLES, W. G. L. The Unmaking of the Medieval Christian Cosmos, 1500-1760: From Solid Heavens to Boundless Aether. Aldershot, England, and Brookfield: Ashgate Publishing, 1999.

RECLUS, Élisée. L’homme et la terre. Paris: L. Universelle, 1905.

______. A Natureza da Geografia. In: ANDRADE, Manuel Corrêa de (Org.). Élisée Reclus: Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Editora Ática, 1985.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. Terra dos homens. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Hucitec, 1978.

SHAPIRO, Gary. A crise de Nietzsche: dívida, globalização e “grandes acontecimentos”. In: PESSOA, Fernando; BARBOSA, Ronaldo. Do abismo às montanhas. Rio de Janeiro: Editora Museu Vale, 2010, p. 22-40.

______. "Earth’s Garden-Happiness: Nietzsche’s Geoaesthetics of the Anthropocene." Nietzsche Studien, v.42, n.1, p.67-84, Nov. 2013.

SILVEIRA, Roberison; VITTE, Antonio C. Os quadros linguísticos da paisagem em Alexander von Humboldt: correspondência com o meium-de-reflexão do romantistmo alemão de início do século XIX. Floema, Ano VI, n.6, p.153-173, 2010.

STEGMAIER, Werner. As linhas fundamentais do pensamento de Nietzsche: coletânea de artigos. Tradução de Oswaldo Giacoia Jr. et al. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

VITTE, Antonio C.; SILVEIRA, Roberison. Natureza em Alexander von Humboldt: entre a ontologia e o empirismo. Mercator, v.9, n.20, p.179-195, 2010.

WAINWRIGHT, Joel. Nietzsche Contra the Real World. ACME: An International E-Journal for Critical Geographies, Okanagan, v. 9 n.1, p. 21-33, 2010.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
Davim, D. E., & Marandola Junior, E. (2019). Cinco visões sobre a terra na geofilosofia de Nietzsche. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 729-746. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.141353
Seção
Artigos