Tempo de retorno de inundações: aplicação metodológica

  • Bruno Zucuni Prina Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
  • Romario Trentin Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Palavras-chave: Coeficiente de Correlação Linear de Pearson, Tempo de retorno, Inundações urbanas

Resumo

Esse trabalho possui o intuito de realizar a estimativa do tempo de retorno das inundações urbanas no município de Jaguari, RS. Destaca-se que o processo metodológico abordado nesse trabalho fez-se uso dos dados das réguas milimétricas obtidas da Agência Nacional de Águas (ANA), e, dessa forma, com a utilização do aplicativo “Pesquisas HidroWeb” (PRINA, 2014b), pode-se sintetizar os dados a fim de obter amostras do tempo de retorno das inundações. Com isso, pode-se realizar a estimativa do tempo de retorno. Para tal, utilizaram-se 6 funções matemáticas, no aplicativo Excel (MICROSOFT, 2007b), a fim de prever o tempo de retorno e posteriormente comparar os dados, obtendo a melhor estimativa. Assim, entre várias informações obtidas, compararam-se: a correlação entre as amostras e os dados estimados, por meio do Coeficiente de Correlação Linear de Pearson (R²), e o desvio padrão dos resíduos. Assim, a partir das várias análises, constatou-se que a função que melhor modela o tempo de retorno das inundações urbanas na área de estudo é a Logarítmica, por gerar o maior R² e o menor desvio padrão dos resíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Zucuni Prina, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
 Técnico de Laboratório: Geotecnologia e Topografia - Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Erechim Discente do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGEO) - UFSM – Doutorado em GeografiaMestre em Geografia - PPGGEO/UFSMTecnólogo em Geoprocessamento - Colégio Politécnico/UFSMLicenciado pelo Programa Especial de Graduação - Formação de Professores para a Educação ProfissionalTécnico em Geomática (Geomensura - CREA RS 190109) - Colégio Politécnico/UFSM
Romario Trentin, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Doscente do Curso de geografia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Referências

ANA - Agência Nacional de Águas. Atlas de vulnerabilidade a inundações. Disponível em: <http://www.ana.gov.br/bibliotecavirtual/arquivos/20131002104753_Plotagem_RS_A0.pdf>. Acesso em 12 nov.17.

AYALA-CARCEDO, F. J. La ordenación del territorio en la prevención de catástrofes naturales y tecnológicas. Bases para un procedimiento técnico-administrativo de evaluación de riesgos para la población. Boletín de la A.G.E. nº 30, 2000, p. 37-49, Instituto Geológico Y Minero de España.

CÂMARA, G.; MONTEIRO, A. M. Geotecnologias em um Novo Paradigma de Desenvolvimento. Divisão de Processamento de Imagens - INPE. NEPO/UNICAMP, Abril, 2000. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/geopro/apresentacoes/inpe_nepo.pdf>. Acesso em 20 mar.2018.

CASTRO, A. L. C. de. Glossário de Defesa Civil: Estudos de riscos e medicina de desastres. 2ª Edição, Revista e Ampliada. Ministério do Planejamento e Orçamento - Secretaria Especial de Políticas Regionais - Departamento de Defesa Civil. Brasília, 1998.

CASTRO, S. D. A. de; Riesgos y peligros: una visión desde la Geografía. Scripta Nova, Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona, ISSN 1138-9788, n° 60, 15 de marzo de 2000, 15 p.

Correio do Povo. Cerca de 30 famílias seguem desabrigadas em Jaguari. Postado dia 21 de janeiro de 2010 às 8:56h. Disponível em: <http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=88280>. Acesso em 17 fev.18.

CUNHA, S.; TAVEIRA-PINHO, F. Aplicação de uma metodologia de análise de risco de inundações à zona ribeirinha do Peso da Régua. 6ª Jornadas de Hidráulica, Recursos Hídricos e Ambiente, [2011], FEUP, ISBN 978-989-95557-5-4.

Instituto Geológico de São Paulo. Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/igeologicosp/app-semi-sorocaba-ig>. Acesso em 13 mai.18.

IBGE, 2010a. Rio Grande do Sul, Jaguari. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=431110>. Acesso em 11 jan.2018.

IBGE, 2010b. Rio Grande do Sul, Jaguari, censo demográfico 2010: sinopse. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?codmun=431110&idtema=1&search=rio-grande-do-sul|jaguari|censo-demografico-2010:-sinopse->. Acesso em 24 nov.2017.

KHATIBI, R. Evolutionary systemic modelling of practices on flood risk. Journal of Hydrology 401 (2011) 36–52.2011 Elsevier B.V.

KÜNZLER, M.; HUGGEL, C.; RAMÍREZ, J. M. A risk analysis for floods and lahars: case study in the Cordillera Central of Colombia. Springer Science+Business Media B.V. 2012. DOI 10.1007/s11069-012-0271-9.

KUREK, R. K. M. Avaliação do Tempo de Retorno nos níveis das inundações no vale do Taquari/RS. Lajeado, novembro de 2012.

MICROSOFT. Microsoft® Office Access, 2007a.

MICROSOFT. Microsoft® Office Excel, 2007b.

MONTEIRO, L. R.; KOBIYAMA, M. Proposta de metodologia de mapeamento de perigo de inundação. REGA – Vol. 10, no. 2, p. 13-25, jul./dez. 2013

NEMITZ, R. Diário de Santa Maria noticia a enchente em Jaguari. Postado dia 4 de outubro de 2012 às 13:34h. Disponível em: <http://www.rafaelnemitz.com/2012/10/diario-de-santa-maria-noticia-enchente.html>. Acesso em 17 fev.18.

NEMITZ, R. Enchente em Jaguari: Rio que corta o município atinge 10 metros acima do nível normal. Postado dia 24 de julho de 2014 às 12:08h. Disponível em: <http://www.rafaelnemitz.com/2014/07/enchente-em-jaguari-rio-que-corta-o.html#.U-uNy_k9I9E>. Acesso em 13 ago.17.

PRINA, B. Z, 2014a. Prefeitura Municipal de Jaguari-RS. Jaguari “A Terra das Belezas Naturais”. Disponível em: <http://mapaturistico.jaguari.rs.gov.br/index.html>. Acesso em 24 ago. 2017.

PRINA B. Z. Pesquisa HidroWeb. Aplicativo desenvolvido com a linguagem de programação Visual Basic. 2014b.

RECKZIEGEL; B. W. Levantamento dos desastres desencadeados por eventos naturais adversos no estado do Rio Grande do Sul no período de 1980 a 2005. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, 2007 - Volume I e II.

RIBEIRO, C. B. de M.; LIMA, R. N. de S. Simulação de inundações urbanas a partir da integração de técnicas de geoprocessamento à modelagem hidráulica e hidrológica. Revista de Geografia - PPGEO - v. 2, nº 1, p.1-9, 2011.

ROBAINA, L. E. de S.; TRENTIN, R (org.). Desastres Naturais no Rio Grande do Sul. ISBN: 978.85.7391-197-8, 376p. Editora UFSM. Santa Maria, 2013.

SANTOS, K. R. dos. Inundações urbanas: um passeio pela literatura. Rev. Geo. UEG - Goiânia, v.1, n.1, p.177-190, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://www.prp.ueg.br/revista/index.php/elisee/article/view/585/329>. Acesso em 05 out. 2017.

SANTOS, R. F. dos (org). Vulnerabilidade Ambiental: desastres naturais ou fenômenos induzidos? Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007.

TUCCI, C. E. M. (org). Hidrologia - Ciência e Aplicação. Editora da Universidade de São Paulo. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1ª edição, 1993. Cap. 16 - 621 - 658.

TUCCI, C. E. M.; BERTONI, J. C. (org). Inundações urbanas na América do Sul. Porto Alegre, Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2003. Disponível em: <http://www.eclac.cl/samtac/noticias/documentosdetrabajo/5/23335/InBr02803.pdf>. Acesso em 05 jun.2017.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Prina, B., & Trentin, R. (2018). Tempo de retorno de inundações: aplicação metodológica. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 670-686. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.145266