A questão agrária em São Paulo: o debate sobre o fim do colonato e o surgimento do boia-fria na agricultura paulista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.146559

Palavras-chave:

Colonato, Boia-fria, Modernização da agricultura, São Paulo, Trabalho agrícola

Resumo

O artigo discute o colonato, modo de trabalho da cafeicultura paulista do Oeste Paulista, propondo interpretá-lo como parte do processo de autonomização do capital e de aplicação da colonização sistemática no Brasil, necessitando, pois, da cessão mediada de terras para o trabalhador. Também aborda algumas teorizações clássicas sobre o processo de limitação da existência do colonato nas fazendas cafeeiras paulistas e, finalmente, recupera um debate acadêmico travado entre Verena Stolcke e José Graziano da Silva sobre a modernização da agricultura e o fim do colonato. Com isso, procura explicitar as divergências nas interpretações do mesmo processo e analisa essas perspectivas como realces de aspectos pró- prios de um objeto contraditório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Arruda Boechat, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor do Departamento de Geografia do CCHN/UFES e do Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGG) da UFES. Tradutor e sociólogo, é mestre e doutor em Geografia Humana pela FFLCH/USP. Pós-doutorado em Sociologia Rural pelo CPDA/UFRRJ, e em Geografia Rural pelo IGCE/UNESP.

Referências

BOECHAT, C. A. O colono que virou suco: terra, trabalho, Estado e capital na modernização da citricultura paulista. Tese de doutorado – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

_______________. Região do colonato: mobilização do trabalho e autonomização do capital na área de Olímpia (1857-1964) do Oeste Paulista. Dissertação de mestrado – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

BOECHAT, C. A.; LEITE, A. C. G. & TOLEDO, C. A. Arquéologie de la question agraire au Bresil: du labor grabbing au land grabbing. In: EchoGéo, n. 41, 2017.

BRANT, V. C. Do colono ao bóia-fria: transformações na agricultura e constituição do mercado de trabalho na Alta Sorocabana de Assis. In: Revista Estudos CEBRAP, no. 17, São Paulo, 1976.

COSTA, E. V. da. Da monarquia à república – Momentos decisivos. 7ª. ed. Fundação Editora da UNESP, São Paulo, 1999.

_______________. Da senzala à colônia. 4ª. ed. Fundação Editora da UNESP, São Paulo, 1998.

D'INCAO, M. C. O “Bóia-fria”: acumulação e miséria. 7a. ed., Petrópolis: Vozes, 1979.

GAUDEMAR, J. P. de. Mobilidade do trabalho e acumulação do capital. Lisboa: Estampa, 1a edição, 1977.

HEIDEMANN, H. D.; TOLEDO, C. A & BOECHAT, C. A.. O trabalho no Brasil: traçado interpretativo de sua história e de sua crítica. In: Estudos Avançados, IEA/USP, vol. 28, n. 81, 2014.

LIMA, R. C. Pequena história territorial do Brasil: Sesmarias e terras devolutas. 4ª. Ed. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1990.

MARTINS, J. S. A imigração espanhola para o Brasil e a formação da força-de-trabalho na economia cafeeira: 1880-1930. In: Revista de História (nova série). No. 121. São Paulo, agosto-dezembro de 1989.

_____________. O cativeiro da terra. São Paulo: Hucitec, 2000.

MARX, K. O Capital – crítica da Economia Política. Livros 1. São Paulo: Nova Cultural (Série “Os economistas”), 1985.

________. O Capital – crítica da Economia Política. Livro 3. São Paulo: Nova Cultural (Série “Os economistas”), 1986.

MONBEIG, P. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec, Polis, 1998.

MOURA, M. M. Café e conflitos de classe, sobre o livro Cafeicultura, Homens, Mulheres e Capital, 1850-1980, de Verena Stolke. São Paulo: SBPC, 1987 (resenha).

OLIVEIRA, A. U. . Modo capitalista de produção e agricultura. 2a. ed.. São Paulo: Ática, 1987.

OLIVEIRA, F. de. Elegia para uma re(li)gião: Sudene, Nordeste. Planejamento e conflito de classes. São Paulo: Boitempo, 2a edição, 2008.

PRADO JR., C. A questão agrária no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1979.

RANGEL, I. M. A questão da terra. In: Revista de Economia Política, v. 6, n. 4, out./dez. 1986.

SILVA, J F. G.. Progresso técnico e relações de trabalho na agricultura na agricultura. São Paulo: Hucitec, 1981.

______________. Resenha de STOLCKE, Verena. Cafeicultura: homens, mulheres e capital (1850/1980). In: Análise & Conjuntura, vol. 2 (1), Belo Horizonte, jan./abril de 1987, pp. 171-179.

SILVA, M. A. M. Errantes do fim do século. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

SCHOLZ, R. Forma social e totalidade concreta – na urgência de um realismo dialético hoje. Publicado originalmente em EXIT! Crise e Crítica da Sociedade da Mercadoria, nº 6 (2009). Traduzido para o português e disponível em: <http://www.obeco-online.org/roswitha_scholz12.htm>, 2010.

STOLCKE, V. A família que não é sagrada – sistemas de trabalho e estrutura familiar: o caso das fazendas de café em São Paulo. In: ALMEIDA, M. S. K. de et alli. Colcha de retalhos – Estudos sobre a família no Brasil. Brasiliense, São Paulo, 1982.

____________. Cafeicultura: homens, mulheres e capital (1850-1980). São Paulo: Brasiliense, 1986.

____________. O povo na história – resposta à resenha de José Graziano da Silva. Do sítio na Internet: http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_03/rbcs03_resenhas.htm (consultado em 12 de novembro de 2012).

Downloads

Publicado

2020-07-15

Como Citar

BOECHAT, C. A. A questão agrária em São Paulo: o debate sobre o fim do colonato e o surgimento do boia-fria na agricultura paulista. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 24, n. 2, p. 203-225, 2020. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.146559. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/146559. Acesso em: 20 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)