O circuito espacial de produção do petróleo e o círculo de cooperação: uma leitura da dimensão política da urbanização

  • Silvana Cristina da Silva Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Circuito espacial de produção, Círculos de cooperação, Uso do território, Norte Fluminense, Petróleo

Resumo

Analisamos o circuito espacial de produção do petróleo, problematizando como no período técnico-científico-informacional houve o aprofundamento da divisão entre os lugares que produzem informação e os lugares que obedecem às ordens do sistema produtivo global. A situação geográfica do Norte Fluminense, com destaque para a cidade de Macaé, evidencia a convergência das forças políticas internas e as ordens externas, que produz uma cidade especializada na etapa da extração do petróleo, mas que não detém o domínio da informação. As cidades que comandam os círculos de cooperação do petróleo continuam localizadas em países centrais. Assim, identificamos no circuito espacial produtivo do petróleo “as cidades do fazer”, onde ocorre a extração, e “as cidades do mandar”, onde as informações técnico-científicas, financeiras e políticas que comandam o circuito são produzidas majoritariamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Cristina da Silva, Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense

Referências

ALVES, S. P. O circuito espacial de produção petrolífera no Rio Grande do Norte. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.BARBOSA, L. O. M.; SILVA, S. C. O circuito espacial de produção do petróleo e a rede hoteleira de Macaé-RJ: reflexões sobre a especialização territorial. Boletim Petróleo, Royalties e Região, Rio de Janeiro: UCM, v. XV, n. 58, p. 3-10, dez. 2017.BARRIOS, S. Dinámica social y espacio. In: MORVEN – METODOLOGÍA PARA EL DIAGNÓSTICO REGIONAL – IX Curso de Postgrado en Planificación del Desar-rollo, 1980, Caracas. Anais... Centro de Estudios del Desarrollo, Universidad Central de Venezuela, Caracas, 1980. p. 1-27.BINSZTOK, J.; MONIÉ, F. A cidade do Rio de Janeiro e a cadeia produtiva do petróleo. In: MONIÉ, F.; BINSZTOK, J. (Org.). Geografia e geopolítica do petróleo. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012. p. 263-277.CASTILLO, R. A.; FREDERICO, S. Espaço geográfico, produção e movimento: uma refle-xão sobre o conceito de circuito espacial produtivo. Sociedade & Natureza, Uberlân-dia: UFU, v. 22, n. 3, p. 461-474, 2010.CORRÊA, R. L. Interações espaciais. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Explorações geográficas. 3a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, p. 279-318.CRUZ, J. L. V. Projetos nacionais, elites locais e regionalismo: desenvolvimento e dinâ-mica territorial no Norte Fluminense entre 1970 e 2000. Tese (Doutorado em Planeja-mento Urbano e Regional) – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.HILL, R. C.; FEAGIN, J. R. Detroit and Houston: two cities in Global Perspective. In: BREN-NER, N.; KEIL, R. (Ed.). The Global Cities Reader. London/New York: Routledge, 2006. p. 154-160.MORAES, A. C. R. Los circuitos espaciales de la producción y los círculos de cooperación en el espacio. In: YANES, L.; LIBERALI, A. M. (Org.). Aportes para el estudio del espacio socio-económico III. Buenos Aires: El Coloquio, 1991. p. 153-177.PETROBRAS. Terminal Cabiúnas. Disponível em: http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/principais-operacoes/terminais-e-oleodutos/terminal-cabiunas.htm. Acesso em: 20 mar. 2018.RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.RODRIGUEZ, N.; FEAGIN, J. Urban Specialization in the World System: an Investigation of Historical Cases. In: BRENNER, N.; KEIL, R. (Ed.). The Global Cities Reader. London/New York: Routledge, 2006. p. 32-41.SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002.
SANTOS, M. O papel ativo da geografia: um manifesto. Território, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 5, n. 9, p. 103-109, jul./dez. 2000. SANTOS, M. Da política dos estados à política das empresas. Cadernos da Escola do Le-gislativo, Belo Horizonte: ALEMG, v. 3, n. 6, p. 9-23, jul./dez. 1997.SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacio-nal. São Paulo: Hucitec, 1994.SANTOS, M. Circuitos espaciais da produção: um comentário. In: SOUZA, M. A.; SAN-TOS, M. (Org.). A construção do espaço. São Paulo: Nobel, 1986. p. 121-134.SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 15a ed. Rio de Janeiro: Record, 2001. SASSEN, S. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2016.
Publicado
2019-07-18
Como Citar
Silva, S. (2019). O circuito espacial de produção do petróleo e o círculo de cooperação: uma leitura da dimensão política da urbanização. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 23(2), 307-321. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.150120
Seção
Artigos