Espetáculo, alienação espacial e queda tendencial do valor de uso na obra de Guy Debord

  • Glauco Roberto Gonçalves Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Espetáculo, queda tendencial do valor de uso, alienação espacial, Geografia Urbana, Guy Debord, Internacional Situacionista

Resumo

A noção de espetáculo na obra de Guy Debord é, simultaneamente, largamente usada e pouco conhecida. Não raras as vezes o espetáculo espetaculariza-se. Não menos frequente usa-se o espetáculo como mero sinônimo dos meios de comunicação em massa. Este texto procura abordar alguns pressupostos constitutivos da noção de espetáculo, bem como sua relação necessária com Marx, Hegel e Luckács (dentre outros nem sempre menos importantes). Diferentemente do espetáculo, os conceitos de alienação espacial e de queda tendencial do valor de uso, presentes e imanentes à obra debordiana, não são tão disseminados e utilizados. Tais conceitos são abordados neste texto buscando ampliar sua compreensão bem como suas fortes possibilidades de relação e utilização nas pesquisas e estudos em Geografia Humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauco Roberto Gonçalves, Universidade Federal de Goiás
Fez graduação, mestrado e doutorado em Geografia na Universidade de São Paulo. É Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás.

Referências

BAUDRILLARD, J. Para uma crítica da economia política. Rio de Janeiro: Elfos, 1995.

DAMIANI, A. L. Espaço e geografia: observações de método – elementos da obra de Henri Lefebvre e a geografia. Tese (Livre-docência em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

DAMIANI, A. L. A crise da cidade: os termos da urbanização. In: DAMIANI, A. L.; CARLOS, A. F. A.; SEABRA, O. C. L. (Org.). O espaço no fim de século. São Paulo: Contexto/USP, 1999. p. 118-131.

DEBORD, G. Relatório sobre a construção de situações e sobre as condições de organização e de ação da tendência Situacionista Internacional (Texto de fundação da Internacional Situacionista, Cosio d’Arroscia, 1957). In: JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 43-59.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEBORD, G. Potlach (1954-1957). Paris: Gallimard, 1996.

HEGEL, G. W. F Fenomenologia do Espírito. 2 Ed., Parte I. Petrópolis: Vozes, 1992.

IS. INTERNACIONAL SITUACIONISTA. Sessão Inglesa. La Rioja: Pepitas, 2007.

IS. INTERNAZIONALE SITUAZIONISTA. Sessão Italiana. La Rioja: Pepitas, 2007.

IS. INTERNACIONAL SITUACIONISTA. Textos íntegros en castellano de la revista Internationale Situacionniste (1958-1969). Madrid: Literatura Gris, 1999.

IS. INTERNATIONALE SITUATIONNISTE. Paris: Arthème Fayard, 1997.

JACQUES, P. B. Elogio aos errantes. Salvador: Ed. UFBA, 2012.

JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

JAPPE, A. L’avant-garde inacceptable: réflexions sur Guy Debord. Paris: Lignes, 2004.

JAPPE, A. Guy Debord. Paris: Via Valeriano/Sulliver, 1998.

KURZ, R. A substância do capital: o trabalho abstracto como metafísica real social e o limite interno absoluto da valorização (Primeira parte: A qualidade histórico-social negativa da abstracção “trabalho”). Exit – Crise e Crítica da Sociedade da Mercadoria. 2005. Disponível em: www.obeco.planetaclix.pt/rkurz203.htm. Acesso em: 8 abr. 2019.

KURZ, R. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. 6a ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. 4a ed. Paris: Anthropos, 2000.

LEFEBVRE, H. O fim da história. Lisboa: Dom Quixote, 1971.

LEFEBVRE, H. O direito a cidade. São Paulo: Documentos, 1969.

LEFEBVRE, H. Critique de la vie quotidienne. Paris: L’Arche, 1961. v. II: Fondements d’une sociologie de la quotidienneté.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, K. Grundrisse. Rio de Janeiro: UFRJ/Boitempo, 2011.

MARX, K. Manuscritos econômicos e filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, K. O capital. 2a ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985. v. 1.

SAFATLE, V. A fenomenologia do espírito, de Hegel. São Paulo, 2007. Disponível em: https://www.academia.edu/5857053/Curso_Integral_-_A_Fenomenologia_do_Esp%C3%ADrito_de_Hegel_2007_. Acesso em: 8 abr. 2019.

VANEIGEM, R. A arte de viver para as novas gerações. São Paulo: Conrad, 2002.

VANEIGEM, R. Banalités de base I. Internationale Situationniste, Paris: Arthème Fayard, n. 7, 1962.

VIRILIO, P. O espaço crítico. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005.

Publicado
2019-03-27
Como Citar
Gonçalves, G. (2019). Espetáculo, alienação espacial e queda tendencial do valor de uso na obra de Guy Debord. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 23(1), 059-075. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.150346
Seção
Artigos