A noite e a cidade: uma revisão temática para a geografia

  • Marcos Paulo Ferreira de Góis Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Noite, City, Fronteiras, Balanço bibliográfico, Geografia

Resumo

A ideia presente neste artigo é a de apresentar um balanço bibliográfico sobre o debate em torno da noite como uma categoria analítica para a pesquisa na área da geografia humana e ciências correlatas. Apresentamos as principais linhas de estudos sobre a noite em sua relação com a dinâmica urbana, realçando os aspectos centrais das análises realizadas nos últimos quarenta anos de pesquisa: os agentes, os processos e as espacialidades derivadas das práticas associadas ao período noturno. O objetivo é apontar algumas tendências e situar algumas problemáticas relativas ao uso da categoria noite em sua relação com o espaço urbano presentes na ideia de fronteira, na noção de transgressão da ordem e nos conflitos relacionados ao uso por atividades de lazer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. I. M.; TRACY, K. M. A. Noites nômades: espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

ALVES, T. Geografias da noite: fazer geografia através da luz. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS, 5., 2004, Guimarães. Anais... Guimarães: Universidade do Minho, 2004.

BALDWIN, P. C. In the Heart of Darkness: blackouts and the social geography of lighting in the gaslight era. Journal of Urban History, v. 30, n. 5, p. 749-768, July 2004.

BIANCHINI, F. Night Cultures, Night Economies. Planning Practice and Research, v. 10, n. 2, p. 121-126, 1995.

BUREAU, L. Géographie de la Nuit. Montréal, Québec: Hexagone, 1997.

CRESSWELL, T. Night Discourse: producing/consuming meaning on the street. In: FYFE, N. R. (Ed.). Images of the Street: planning, identity and control in public space. London/New York: Routledge, 1998. p. 268-279.

DEWDNEY, C. Acquainted With The Night: excursions through the world after dark. New York/London: Bloomsbury, 2005.

DIXON, J.; LEVINE, M.; MCAULEY, R. Locating impropriety: street drinking, moral order, and the ideological dilemma of public space. Political Psychology, v. 27, n. 2, p. 187-206, 2006.

EKIRCH, A. R. At Day’s Close: night in times past. New York: W. W. Norton, 2006.

GALLAN, B.; GIBSON, C. New Dawn or New Dusk? beyond the binary of day and night. Environment and Planning A, v. 43, n. 11, p. 2509-2515, 2011.

GÓIS, M. P. F. Paisagens luminosas e cenários noturnos: formas, práticas e significados da noite na cidade do Rio de Janeiro. Niterói: Eduff, 2017.

GÓIS, M. P. F. Luzes na cidade: sobre as paisagens luminosas e os cenários noturnos da cidade do Rio de Janeiro. Espaço Aberto, v. 1, n. 2, p. 117-128, jul. 2011.

GWIAZDZINSKI, L. La Nuit, Dernière Frontière de la Ville. La Tour-d’Aigues: Éd. de l’Aube, 2005.

GWIAZDZINSKI, L. La Nuit, Dernière Frontière. Les Annales de la Recherche Urbaine, v. 87, n. 1, p. 81-89, sept. 2000.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HOBBS, D.; LISTER, S.; HADFIELD, P.; WINLOW, S. Bouncers: violence and governance in the night-time economy. Oxford: Oxford University Press, 2003.

HOBBS, D.; LISTER, S.; HADFIELD, P.; WINLOW, S.; HALL, S. Receiving Shadows: governance and liminality in the night-time economy. The British Journal of Sociology, v. 51, n. 4, p. 701-717, 2000.

HOLLANDS, R. Divisions in the Dark: youth cultures, transitions and segmented consumption spaces in the night-time economy. Journal of Youth Studies, v. 5, n. 2, p. 153-171, 2002.

HOLLANDS, R.; CHATTERTON, P. Producing Nightlife in the New Urban Entertainment Economy: corporatization, branding and market segmentation. International Journal of Urban and Regional Research, v. 27, n. 2, p. 361-385, 2003.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Edusp/ Perspectiva, 1971.

KOSLOFSKY, C. Evening’s Empire: a history of the night in early modern Europe. Cambridge/New York: Cambridge University Press, 2011.

KURME, M. Urban Night. Tesis (Master in Urban Studies) – Estonian Academy of Arts, Tallinn, EE, 2009. Acesso em: http://www.urbanistika.ee/docs/greenlight2009/MKgreenlight.pdf. Acesso em: 2 jan. 2018.

LOVATT, A.; O’CONNOR, J. Cities and the Night-time Economy. Planning Practice and Research, v. 10, n. 2, p. 127-134, 1995.

MARGULIS, M. La cultura de la noche. Buenos Aires: Biblos, 1997.

MCQUIRE, S. Immaterial Architectures Urban Space and Electric Light. Space and Culture, v. 8, n. 2, p. 126-140, May 2005.

MELBIN, M. Night as Frontier: colonizing the world after dark. New York; London: Free Press & Collier Macmillan, 1987.

MELBIN, M. Night As Frontier. American Sociological Review, v. 43, n. 1, p. 3-22, Feb. 1978.

MENDONÇA, L. L. Reflexos da cidade: a iluminação pública no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro da Memória da Eletricidade no Brasil, 2004.

MONT SERRAT, B. S. B. V. Iluminação cênica como elemento modificador dos espetáculos: seus efeitos sobre os objetos de cena. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

MUMFORD, L. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

NARBONI, R. Lighting the Landscape: art design technologies. Basel/Boston: Birkäuser, 2004.

OTTER, C. The Victorian Eye: a political history of light and vision in Britain, 1800-1910. Chicago: University of Chicago Press, 2008.

PALMER, B.D. Cultures of Darkness: night travels in the histories of transgression. New York: Monthly Review Press, 2000.

PAQUOT, T. Le sentiment de la nuit urbaine aux XIXe et XXe siècles. Les Annales de la Recherche Urbaine, v. 87, n. 1, p. 7-14, sept. 2000.

REDHEAD, S. Rave Off: politics and deviance in contemporary youth culture. Avebury: Aldershot and Brookfield, 1993.

ROBINSON, C. Nightscapes and Leisure Spaces: an ethnographic study of young people’s use of free space. Journal of Youth Studies, v. 12, n. 5, p. 501-514, Oct. 2009.

RUSSELL, B. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

SCHIVELBUSCH, W. Disenchanted Night: the industrialization of light in the nineteenth century. Berkeley: University of California Press, 1995.

SOUZA, A. F. Lapa: um lugar central para a sociabilidade noturna. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

TALBOT, D. Regulating the Night: race, culture and exclusion in the making of the night-time economy. London: Ashgate, 2007.

TALBOT, D. The Licensing Act 2003 and the Problematization of the Night-time Economy: planning, licensing and subcultural closure in the UK. International Journal of Urban and Regional Research, v. 30, n. 1, p. 159-171, 2006.

THORNTON, S. Club Cultures: music, media, and subcultural capital. Cambridge/Oxford: Polity Press/Blackwell, 1996.

TORRES, L. L. Programa de paulista: lazer no Bexiga e na avenida Paulista com a rua da Consolação. In: MAGNANI, J. G.; TORRES, L. L. (Org.). Na metrópole: textos de antropologia urbana. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2000. p. 54-87.

TURRA NETO, N. Múltiplas trajetórias juvenis: territórios e rede de sociabilidade. Jundiaí: Paco, 2012.

TURRA NETO, N. Metodologias de pesquisa para o estudo geográfico da sociabilidade juvenil. RA’E GA – o Espaço Geográfico em Análise, v. 23, p. 340-375, 2011.

VASCONCELLOS, V. M. B. A geografia do subterrâneo: um estudo sobre a espacialidade das cenas de heavy metal no Brasil. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

WILLIAMS, R. Night Spaces Darkness, Deterritorialization, and Social Control. Space and Culture, v. 11, n. 4, p. 514-532, Nov. 2008.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Góis, M. (2018). A noite e a cidade: uma revisão temática para a geografia. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 623-640. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.151544
Seção
Artigos