A trajetória teórico-intelectual de uma geografia urbana crítica e radical

  • César Simoni Santos Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
  • Isabel Pinto Alvarez Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Geografia urbana crítica e radical, Espaço mercadoria, Estado, Produção do espaço urbano, Corrente marxista-lefebvriana

Resumo

O presente artigo situa a trajetória da geografia urbana crítica uspiana como parte do movimento de renovação da Geografia brasileira que se inicia já na década 1970. A ideia central procura reforçar o fato de que essa trajetória é marcada por um processo de ruptura teórico-metodológica realizado a partir de uma leitura acurada das obras de Karl Marx e Henri Lefebvre. O corte epistemológico apresenta essa ruptura, contudo, tanto em relação à própria história da geografia quanto em relação às demais vertentes críticas internas e externas a este campo disciplinar. O rigor empreendido nas reflexões e pesquisas, o trabalho de estudo e formação e o compromisso com a produção de um conhecimento crítico tornam essa perspectiva de análise uma importante referência para a explicação do mundo, desnudando a radicalidade das contradições sociais. Tendo em vista o escopo do artigo, identificam-se dois momentos dessa trajetória: o primeiro entre o final dos anos 1970 e o começo dos 1980, quando a ruptura metodológica se abre; e o segundo, a partir dos anos 1990, quando a rigorosa e intensa leitura dos trabalhos de Lefebvre aprofunda os horizontes da crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, M. C. O pensamento geográfico e a realidade brasileira. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo: AGB, n. 54, p. 5-28, 1977.

CARLOS, A. F. A. A condição espacial. São Paulo: Contexto, 2011.

CARLOS, A. F. A. A geografia brasileira, hoje: algumas reflexões. Terra Livre, São Paulo, v. 1, n. 18, p. 161-178, 2002.

CARLOS, A. F. A. Espaço tempo na vida cotidiana na metrópole. Tese (Livre-docência em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

CARLOS, A. F. A. O lugar no/do mundo. São Paulo: Hucitec, 1996.

CARLOS, A. F. A. A (re)produção do espaço urbano. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

CARLOS, A. F. A. Reflexões sobre o espaço geográfico. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1979.

CARLOS, A. F. A.; ALVES, G. A.; PÁDUA, R. F. (Org.). Justiça espacial e o direito à cidade. São Paulo: Contexto, 2017.

CARLOS, A. F. A.; LENCIONI, S. Alguns elementos para discussão do espaço geográfico como mercadoria. Borrador – Teoria e Método em Geografia, São Paulo: AGB, v. 1, p. 1-9, 1982.

DAMIANI, A. L. Introdução a elementos da obra de Henri Lefebvre e a geografia. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 30, p. 254-283, 2012. Número especial.

DAMIANI, A. L. Urbanização crítica e produção do espaço. Cidades, Presidente Prudente, SP, v. 6, n. 10, p. 307-339, 2009.

DAMIANI, A. L. A propósito do espaço e do urbano: algumas hipóteses. Cidades, Presidente Prudente, SP, v. 1, n. 1, p. 79-96, 2004a.

DAMIANI, A. L. Urbanização crítica e situação geográfica a partir da metrópole de São Paulo. In: CARLOS, A. F. A.; OLIVEIRA, A. U. (Org.). Geografias de São Paulo: representação e crise da metrópole. São Paulo: Contexto, 2004b. p. 19-58.

DAMIANI, A. L. As contradições do espaço: da lógica (formal) à (lógica) dialética, a propósito do espaço. In: DAMIANI, A. L.; CARLOS, A. F. A.; SEABRA, O. C. L. (Org.). O espaço no fim de século: a nova raridade. São Paulo: Contexto, 1999a. p. 48-61.

DAMIANI, A. L. A crise da cidade: os termos da urbanização. In: DAMIANI, A. L.; CARLOS, A. F. A.; SEABRA, O. C. L. (Org.). O espaço no fim de século: a nova raridade. São Paulo: Contexto, 1999b. p. 118-131.

DAMIANI, A. L.; CARLOS, A. F. A.; ANDRADE, M. M.; SEABRA, O. C. L.; OSEKI, J. H.; PINTAUDI, S. M. Présentation du programme d’études sur Henri Lefebvre au Labur (Laboratoire de Géographie Urbaine) – Brésil. La Somme et le Reste: Etudes Lefebvriennes – Réseau Mondial, Paris, n. 1, p. 6-8, 2002.

GONÇALVES, C. W. P. A geografia está em crise. Viva a geografia! Boletim Paulista de Geografia, São Paulo: AGB, n. 55, p. 5-29, 1978.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

MOREIRA, R. Assim se passaram dez anos: a renovação da geografia no Brasil no período 1978-1988. Revista GEOgraphia, Niterói: UFF, v. 2, n. 3, p. 27-49, 2000.

PINTO, A. V. Ciência e existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

PINTO, R. M. C. Uma hipótese para o capitalismo contemporâneo: análise a partir da geografia urbana lefebvriana da USP. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SEABRA, O. C. L. Territórios do uso: cotidiano e modo de vida. Cidades, Presidente Prudente, SP, v. 1, n. 2, p. 181-206, 2004.

SEABRA, O. C. L. Urbanização e fragmentação: cotidiano e vida de bairro na metamorfose da cidade em metrópole. Tese (Livre-docência em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

SEABRA, O. C. L. A insurreição do uso. In: MARTINSM, J. S. (Org.). Henri Lefebvre e o retorno à dialética. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 71-86.

SEABRA, O. C. L. A muralha que cerca o mar: uma modalidade do uso do solo urbano. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1979.

SILVA, A. C. A renovação geográfica no Brasil – 1976/1983 (As geografias crítica e radical em uma perspectiva teórica). Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 60, p. 73-140, 1984.

VERDI, E. F. Na busca do campo, o encontro com os fundamentos da cidade: Sandra Lencioni, um capítulo na história da geografia urbana crítica uspiana. Geousp – Espaço e Tempo, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 481-497, 2016.

VERDI, E. F. Produção geográfica e ruptura crítica: a geografia uspiana entre 1964 e 1985. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Santos, C. S., & Alvarez, I. (2018). A trajetória teórico-intelectual de uma geografia urbana crítica e radical. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 515-528. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.152974
Seção
Dossiê 40 anos da Geografia Crítica