Geografia agrária crítica: um pouco de história

  • Marta Inez Medeiros Marques Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Geografia
Palavras-chave: Geografia crítica, Geografia agrária, Ariovaldo U. de Oliveira, Questão agrária, Desenvolvimento desigual e combinado do capitalismo

Resumo

Este artigo analisa o contexto histórico e o teor do debate acadêmico que estão na origem da virada radical da geografia brasileira e trata do surgimento e da trajetória da geografia agrária desenvolvida a partir da perspectiva crítica, tomando como referência a escola de pensamento criada na Universidade de São Paulo (USP) sob a liderança intelectual de Ariovaldo Umbelino de Oliveira. O artigo se baseia em levantamento bibliográfico e em registros pessoais da autora e reproduz em linhas gerais a apresentação realizada no seminário “40 anos de Geografia Crítica”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRÁRIA. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/agraria/index. Acesso em: 27 nov. 2019.

ANDRADE, M. C. A terra e o homem no Nordeste. 4a ed. São Paulo: Ciências Humanas, 1980.

BOMBARDI, L. M. O bairro, reforma agrária e o processo de territorialização camponesa. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

CT. CAMPO-TERRITÓRIO: REVISTA DE GEOGRAFIA AGRÁRIA. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/campoterritorio. Acesso em: 27 nov. 2019.

LEFEBVRE, H. Une pensée devenue monde. Paris: Fayard, 1980.

MARCOS, V. Comunidade sinsei (u)topia e territorialidade. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

MARQUES, M. I. M. O novo significado da questão agrária. In: ENANPEGE, 9., 2011. Goiânia. Anais... Goiânia: Anpege, 2011.

MARQUES, M. I. M. De sem terra a posseiro, a luta pela terra e a construção do território camponês no espaço da reforma agrária: o caso dos assentamentos nas fazendas Retiro e Velha-GO. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1981.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. 3a ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988. v. 5. t. 2.

NERA. NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS DE REFORMA AGRÁRIA. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/nera. Acesso em: 27 nov. 2019.

OLIVEIRA, A. U. A fronteira amazônica mato-grossense: grilagem, corrupção e violência. São Paulo: Iãnde, 2016a. Disponível em: http://agraria.fflch.usp.br/sites/agraria.fflch.usp.br/files/A%20FRONTEIRA%20AMAZ%C3%94NICA%20MATO%20GROSSENSE.pdf. Acesso em: 15 jul. 2018.

OLIVEIRA, A. U. Crítica ao “estado isolado” de Von Thünen: contribuição para o estudo da geografia agrária. São Paulo: Iãnde, 2016b. Disponível em: http://agraria.fflch.usp.br/sites/agraria.fflch.usp.br/files/CR%C3%8DTICA%20AO%20ESTADO%20ISOLADO%20DE%20VON%20THUNEN.pdf. Acesso em: 15 jul. 2018.

OLIVEIRA, A. U. A mundialização da agricultura brasileira. São Paulo: Iãnde, 2016c. Disponível em: http://agraria.fflch.usp.br/sites/agraria.fflch.usp.br/files/LIVRO%20%20MUNDIALIZA%C3%87%C3%83O%20pronto.pdf. Acesso em: 15 jul. 2018.

OLIVEIRA, A. U. A mundialização do capital e a crise do neoliberalismo: o lugar mundial da agricultura brasileira. Geousp – Espaço e Tempo, São Paulo, v. 19, p. 228-244, 2015. Disponível: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/102776. Acesso em: 21 jul. 2018.

OLIVEIRA, A. U. A questão da aquisição de terras por estrangeiros no Brasil: um retorno aos dossiês. Agrária, São Paulo, n. 12, p. 3-113, 27 jun. 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/agraria/article/view/702. Acesso em: 20 jul. 2018.

OLIVEIRA, A. U. A geografia agrária e as transformações territoriais recentes no campo brasileiro. In: CARLOS, A. F. A. (Org.). Novos caminhos da geografia. São Paulo: Contexto, 1999. p. 63-110.

OLIVEIRA, F. A economia brasileira: crítica à razão dualista. Petrópolis: Vozes, 1988.

OLIVEIRA, A. U. Agricultura e indústria no Brasil. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo: AGB, n. 58, p. 5-64, 1981. Disponível em: http://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/boletim-paulista/article/view/1036/924. Acesso em: 18 maio 2018.

PALHETA, I. G. O uso da terra em Tauá-Vigia, estado do Pará. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1978.

PITTA, F. T.; MENDONÇA, M. L. A empresa Radar S/A e a especulação com terras no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/mimma/Downloads/RevistaREDE2015paranet-2.pdf. Acesso em: 25 jul. 2018.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A geografia está em crise. Viva a geografia! Boletim Paulista de Geografia, São Paulo: BPG, n. 55, p. 5-30, 1978. Disponível em: https://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/boletim-paulista/article/view/1050/937. Acesso em: 13 jul. 2018.

PRADO JR., C. Formação do Brasil contemporâneo. 3a ed. São Paulo: Brasiliense, 1948.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 73-118.

SADER, M. R. C. T. Espaço e luta no Bico do Papagaio. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

SANTOS, M. Por uma geografia nova. 4a ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

VALVERDE, O. Estudos de geografia agrária brasileira. Petrópolis: Vozes, 1984.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Marques, M. I. (2018). Geografia agrária crítica: um pouco de história. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 22(3), 504-514. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2018.153292
Seção
Dossiê 40 anos da Geografia Crítica