Análise da sustentabilidade de projetos de assentamentos rurais em Goiás

Palavras-chave: Assentamentos rurais, Funções de Uso das Terras, Potencial de uso das terras, Sustentabilidade

Resumo

O insucesso da política de Projetos de Assentamentos Rurais (PAs) no País é amplamente conhecido e estudado por meio de metodologias de avaliação do seu desempenho, sendo que poucos utilizaram indicadores e respectivos parâmetros integrados de avaliação da sustentabilidade. Este artigo objetiva apresentar os resultados de aplicação de metodologia baseada na análise de Funções de Uso das Terras – FUT, como condicionantes estruturantes da sustentabilidade, aplicada a PAs do estado de Goiás, comparativamente bem e mal sucedidos, representativos de duas regiões bem contrastadas ambiental e socioeconomicamente, o Nordeste goiano e o Sul goiano. Os resultados indicaram que o PA do Nordeste goiano pode ser considerado insustentável, mas preserva grande parte do Cerrado nativo, o que lhe atribui uma qualificação contraditória. Já o PA do Sul Goiano, sustentável, exibe maior equilíbrio entre os fatores sociais, econômicos e ambientais estudados embora preserve apenas a cobertura obrigatória pela legislação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júnio Gregório Roza Santos, Universidade Federal de Goiás

Graduado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás e Mestre em Geografia na linha de pesquisa Análise Ambiental e Tratamento da Informação Geográfica pela mesma universidade. 

Selma Simões Castro, Universidade Federal de Goiás

Professora titular em Geografia Física e Solos da UFG - Universidade Federal de Goiás e Professora Sênior do Depto de Solos da Escola Superior de Agricultura (ESALQ) da USP - Universidade de São Paulo. 

Referências

ANJOS, F. S. Pluriatividade e desenvolvimento rural no Sul do Brasil. Caderno Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 20, n 1, p. 11-44, jan. /abr., 2003.

ARRAIS, T. A. et al. Impactos territoriais dos programas estaduais de intervenção regional no Centro-Oeste: NE e N goiano e entorno do Distrito Federal (1998 – 2006). Mercator, v. 9, n. 18, jan./abr., 2010, pp. 39 – 52.

ARRAIS, T. P. A. Goiás: novas regiões ou novas formas de olhar velhas regiões. In: Maria Geralda de Almeida. (Org.). Abordagens geográficas de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. 1ª ed. Goiânia: UFG, v. 01, 2002, p. 147-175.

AUTOR, 2018.

AUTOR; AUTOR, 2016.

BITTENCOURT, G. A. et al. Principais fatores que afetam o desenvolvimento dos assentamentos de reforma agrária no Brasil. Projeto de cooperação técnica INCRA/FAO, Brasília, 1999.

CALAÇA, M.; DIAS, W. A. A Modernização Do Campo No Cerrado E As Transformações Socioespaciais Em Goiás the Modernisation of the Field in the Cerrado and Transformations Socio-Spatial on Goias. Campo-Território, v. 5, n. 10, p. 312–332, 2010.

CARVALHO, G. L. Entre a pobreza econômica e o patrimônio ambiental/cultural: desafios e possibilidades do turismo no Nordeste Goiano. In: VIII Encontro Nacional de Turismo com base local, 2004, Curitiba. Anais do VIII Encontro Nacional de Turismo com base local. Curitiba: Unicenp e UFPR, 2004.
CASTRO, J. D. B. ; XAVIER, Glauber Lopes . Modificações na estrutura produtiva de Goiás e a inserção econômica do nordeste goiano pós década de 1980. Revista de Economia da UEG. Seção Eletrônica, Anápolis, v. 2, p. 1-12, 2006.
CHRISTALLER, W. The central places in southern Germany. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1966.

CORRÊIA, S. P. S. A construção de Goiás: ensaio de desenvolvimento político e regional. Goiânia: Editora da PUC, 2010.

ESTEVAM, L. O tempo da transformação. Goiânia: Editora do Autor, 1998.

NUNES, FABRIZIA GIOPPO. Análise exploratória espacial de indicadores de desenvolvimento socioambiental das regiões de planejamento do Norte e Nordeste goiano. Ateliê geográfico, v. 7, p. 237-259, 2013.
GRAZIANO DA SILVA, J. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: UNICAMP, Instituto de Economia, 1996. 217p.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬GRAZIANO DA SILVA, J. O novo mundo rural brasileiro. Campinas: UNICAMP, 2000.

HOGAN, D. J.; CUNHA, J.M.P.; CARMO, R.L. Uso do Solo e Mudanças de sua Cobertura no Centro-Oeste do Brasil: consequências demográficas, sociais e ambientais. In: Daniel Joseph Hogan; Roberto Luiz do Carmo; José Marcos Pinto da Cunha; Rosana Baeninger. (Org.). Migração e Ambiente no Centro-Oeste. 2002, p. 149-174.

IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA). Censo Agropecuário. Rio de Janeiro: IBGE, 2006. 777p.

INCRA (INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA). Informações gerais sobre os assentamentos de Reforma Agrária. Disponível em: < http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php>. Acesso em: 07 de jan. 2019.

KAGEYAMA, A. et al. O novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos agroindustriais. In. DELGADO, G.; GASQUES, J.G.; VILLA VERDE, C.M. Agricultura e políticas públicas. Brasília, IPEA, 1990, p. 113-223.

MIELITZ NETO, C.G.A.; MELO, L.M.; MAIA C. M. Políticas públicas e desenvolvimento rural no Brasil / Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 82 p., 2010.

MIZIARA, Fausto. Expansão de fronteiras e ocupação do espaço no Cerrado: o caso de Goiás. In: DANIEL, Maria A.; DAL´LARA, Lorena; ANACLETO, Teresa C. S. (Org.). Natureza viva Cerrado. Goiânia: Ed. da UCG, 2006.

PEARSON. K. On lines and planes of closest fit to systems of points in space. Philosophical Magazine, series 6, vol. 2, nº 11, 1901. pp. 559-572. Disponível em: < http://www.stats.org.uk/pca/Pearson1901.pdf >. Acesso em: 23 de ago. de 2018.

PÉREZ-SOBA, M. et al. Land use functions: a multifunctionality approach to assess the impact of land use changes on land use sustainability. In: HELMING, K.; PÉREZ-SOBA, M.; TABBUSH, P. (Ed.). Sustainability impact assessment of land use changes. Berlin; New York: Springer, 2008. cap. 19, p. 375-404.

PESSOA, J. M. A revanche camponesa: cotidiano e história em assentamentos de Goiás. Tese (doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 1997.

PESSÔA, V. L. S.; INOCÊNCIO, M. E. O Prodecer (re) visitado: as engrenagens da territorialização do capital no Cerrado/(RE) VISITING THE PRODECER: the workings of the territorialization of capital in Brazil’s Cerrado region. Campo–Território, v. 9, n. 18, p. 1–22, 2014.

PRADO, L. A. ; Miziara, F. ; Ferreira, M. E. . Expansão da Fronteira Agrícola e Mudanças no Uso do Solo na Região Sul de Goiás: ação antrópica e características naturais do espaço. Boletim Goiano de Geografia (Impresso) , v. 32, p. 151-165, 2012.

SILVA, V. M. História agrária em Goiás. Goiânia: Editora Alternativa, 2003. 43 p.

SMITH, L. A tutorial on Principle Components Analysis. 2002. Disponível em: . Acesso em: 12 de dez. de 2016.

SPAROVEK, G. A qualidade dos assentamentos de reforma agrária brasileira. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica, 2003.

SPAROVEK, G. Análise Territorial da produção nos assentamentos. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário: NEAD, 2005.
Publicado
2019-08-05
Como Citar
Santos, J., & Castro, S. (2019). Análise da sustentabilidade de projetos de assentamentos rurais em Goiás. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), 23(2), 394-416. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2019.158368
Seção
Artigos