São Paulo à venda: ultraneoliberalismo urbano, privatização e acumulação de capital (2017-2020)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.168529

Palavras-chave:

São Paulo, neoliberalismo, privatização, produção do espaço urbano

Resumo

O artigo analisa a venda da cidade como política pública e a experiência de desmanche neoliberal a partir da análise da gestão 2017-2020 da Prefeitura de São Paulo. O projeto de desestatização do atual governo é interpretado a partir do entendimento do neoliberalismo como doutrina e ideologia crescente e perene, verificando os novos fundamentos urbanos da acumulação de capital no século XXI. O acompanhamento do processo de venda da cidade de São Paulo permitiu entender como as políticas públicas implementadas impactam diretamente os processos de privatização, privação e mercantilização do espaço e na vida cotidiana. A lógica neoliberal e a valorização do privado se realizam como um negócio urbano que deteriora o sentido democrático da cidade, negando o espaço público, e subsumindo a política à economia num novo momento de expansão das relações capitalistas que denominamos de ultraneoliberalismo urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Francisco Teixeira Prieto, Universidade Federal de São Paulo

Professor Adjunto da área de Economia Política da Urbanização no Instituto das Cidades  - Universidade Federal de São Paulo, Campus Zona Leste. Geógrafo (UFF) e doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Foi pesquisador visitante na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS, Paris, França). 

Patrícia Laczynski, Universidade Federal de São Paulo

Professora Adjunta da área de Políticas Públicas do Instituto das Cidades - Universidade Federal de São Paulo, Campus Zona Leste. Doutora em Administração Pública pela EAESP - FGV e membro do Coletivo Vigência. 

Referências

ACOSTA, A.; BRAND, U. (org). Pós-Extrativismo e decrescimento: saídas do labirinto capitalista. São Paulo: Editora Elefante, 2018.
ALVAREZ, I. A produção e a reprodução da cidade como negócio e segregação. In: CARLOS, A. F. et al. A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015, p. 65-80.
ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo: In SADER, E; GENTILI, P. (orgs.) Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p. 9-23.
ANGELIM, Daniel et al. São Paulo S.A. Retrato de um projeto privatizante de governo. Vigência. São Paulo, maio de 2018.
BROWN, W. In the Ruins of Neoliberalism. Nova Iorque: Columbia University Press, 2019.
CARLOS, A. F. A condição espacial. São Paulo: Contexto, 2011.
CARLOS, A. F. A tragédia urbana. In: CARLOS, A. F. et al. A cidade como negócio. São Paulo: Contexto, 2015, p. 43-64.
CARLOS, A. F.; RIZEK, C.; ALVAREZ, I.; PALLAMIN, V. A venda de São Paulo como política pública: a radicalização da cidade como negócio. Grupo de Estudos de Teoria Urbana Crítica, Instituto de Estudos Avançados, 08 mai. 2017.
CASTELO, R. O canto da sereia: social-liberalismo, novo desenvolvimentismo e supremacia burguesa no capitalismo dependente brasileiro. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 11, n. 31, 2013.
CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã. 1996.
DAMIANI, A. A geografia e a produção do espaço da metrópole: entre o público e o privado. In: CARLOS, A. F.; CARRERAS, C. (orgs.) Urbanização e mundialização. São Paulo: Contexto, 2017, p. 38-50.
DARDOT, P. LAVAL, C. La nouvelle raison du monde. Paris : La Découverte, 2009.
DOS SANTOS, F. Uma história da onda progressista sul-americana (1998-2016). São Paulo: Elefante, 2019.
HARVEY, D. A produção capitalista do espaço, São Paulo: Annablume, 2008.
HARVEY, D. Do gerencialismo ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço e Debates, São Paulo, n. 39, 1996, p.48-64.
HOLSTON, J. Cidadania insurgente. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
AUTOR, ano.
LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.
LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 2008.
LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.
MAJONE, G. Do Estado positivo ao Estado regulador: causas e conseqüências de mudanças no modo de governança. Revista do Serviço Público, v. 50, n. 1, p. 5-36, 1999.
OLIVEIRA, Francisco de. Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento. In: OLIVEIRA, F.; RIZEK, C. A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, 2007, p. 15-48.
PREFEITURA DE SÃO PAULO. Acesso à Informação. São Paulo, 2020. Disponível em <http://www.capital.sp.gov.br/>. Acesso: 22 jan. 2020.
Autor, ano.
RANCIÈRE, Jacques. La Mésentente. Paris: Galilée, 1995.
ROBINSON, William. Global capitalism and 21st century fascism. Al Jazeera, v. 8, 2011.
ROLNIK, R. Patrimônio público de São Paulo é gerido de maneira errática. ObservaSP, 2 ago. 2017.
SANTOS, C. A fronteira urbana: urbanização, industrialização e mercado imobiliário no Brasil. São Paulo: Annablume, 2015.
SÃO PAULO. Decreto no 57.576, de 1º de janeiro de 2017. Dispõe sobre a organização, as atribuições e o funcionamento da Administração Pública Municipal Direta. São Paulo, 2017a.
SÃO PAULO. Prefeitura de São Paulo. Programa de Metas da Cidade de São Paulo 2017/2020. São Paulo – SP, 2017b.
SÃO PAULO. Lei nº 16.651 de 16 mai. 2017. Cria o Conselho Municipal de Desestatização e Parcerias e o Fundo Municipal de Desenvolvimento. São Paulo, 2017c.
SÃO PAULO. Câmara Municipal. Projeto de Lei 404/2017 do Executivo. Dispõe sobre a alienação dos bens imóveis que especifica no âmbito do Plano Municipal de Desestatização – PMD. Texto original. [2017d].
SÃO PAULO. São Paulo Urbanismo. Projeto de Intervenção Urbana (PIUs) - Terminais Municipais. Caderno de Referências: Diagnóstico Sócio Territorial e Programa de Interesse Público. São Paulo, 2017. [2017e].
SÃO PAULO. Lei nº 16.886, de 4 mai. 2018. Define índices e parâmetros de parcelamento, uso e ocupação do solo a serem observados na elaboração de Projeto de Intervenção Urbana – PIU para a Zona de Ocupação Especial – ZOE do Anhembi. São Paulo, 2018.
SCHWARZ, Roberto. Prefácio com perguntas. In: OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista/O Ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003, p. 11-23.
SECRETARIA DE GOVERNO. Desestatização – Projetos. São Paulo: 27 nov.2019. Disponível em <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/governo/projetos/desestatizacao>/. Acesso em 22 jan. 2020a.
SECRETARIA DE GOVERNO. Legislação da Desestatização. São Paulo: 8 jan. 2019. Disponível em < https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/governo/legislacao/legislacao_de_desestatizacao/index.php?p=170843>/. Acesso: em 26 mar. 2020b.
WRIGHT, E. Como ser anticapitalista no século XXI? São Paulo: Boitempo, 2019.

Downloads

Publicado

2020-06-22

Como Citar

PRIETO, G. F. T.; LACZYNSKI, P. São Paulo à venda: ultraneoliberalismo urbano, privatização e acumulação de capital (2017-2020). GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 24, n. 2, p. 243-261, 2020. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.168529. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/168529. Acesso em: 20 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos