As diversas abordagens de justiça espacial na geografia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.168714

Palavras-chave:

Estado da arte, quadro síntese, horizontes de pesquisa

Resumo

Este artigo trata-se de um estudo teórico de caráter bibliográfico, no âmbito da Geografia Humana e áreas afins, por meio do qual objetivamos identificar a produção científica sobre o conceito de justiça espacial e quais são seus respectivos usos. Orientou nossa investigação o pressuposto de que a justiça se tornou, juntamente com a categoria espaço, relevante para o pensamento geográfico contemporâneo, e central à análise do planejamento urbano e à produção do espaço citadino. No entanto, interessava-nos descobrir quando e como a justiça espacial assumiu relevância nos estudos geográficos e como ela vem sendo trabalhada atualmente. Este esforço intelectual visa oferecer uma contribuição à construção do pensamento geográfico sobre o tema em tela e, em especial, ao debate teórico-conceitual do que seja justiça espacial. Destarte, foi elaborado dois quadros sínteses da justiça/injustiça com autores/ano, valores e ideia-força. Posteriormente, finalizamos nossa identificação, classificando cinco linhas de trabalho e suas diversas ênfases.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

David Melo Van Den Brule, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade Regional do Cariri (2008), especialização em Geopolítica e História pela Faculdades Integradas de Patos (2009), mestrado em Geografia na Universidade Federal da Paraíba (2011) e doutorado pela Universidade Federal de Pernambuco (2020). 

Referências

BRENNETOT, A. Les géographes et la justice spatiale: généalogie d´une relation compliquée Dand Annales de géographie. V.2 Nº 678, pp. 115-134. Disponível em: <https://www.cairn.info/revue-annales-de-geographie-2011-2-page-115.htm> Acesso em: 19 jun. 2017. 2011.
BRENNETOT, A. Pour une géoéthique: élements d´analyse des conceptions de la justice spatiale, 39, 2010. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-espace-geographique-2010-1-page-75.htm. Acesso em: 19 jun. 2017.
BRET, B. Notion à la une: justice spatiale. Géoconfluences. 2015. Disponível em: <http://geoconfluences.ens-lyon.fr/informations-scientifiques/a-la-une/notion-a-la-une/notion-a-la-une-justice-spatiale> Acesso em: 19 jun. 2017.
CARLOS, A. F. A.; ALVES, G. A. (org.); PADUA, R. F. DE (org.). Justiça espacial e o direto á cidade. São Paulo: Editora Contexto, 2017.
CATALÃO, I. de F. Diferença, dispersão e fragmentação socioespacial: explorações metropolitanas em Brasília e Curitiba. Orientadores: Maria Encarnação Beltrão Sposito, Loic Grasland. 2013, 190 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2013.
CLAVAL, P. Espace et justice sociale. In: Espace géographique, tome 7, n. 4, 1978. p. 303-305.
DIKEC, M. Justice and the spatial imagination. Environment and Planning, 2001.
FAINSTEIN, S. Planning and the just city. In: Searching for the Just City: Debates in urban theory and practice. Routledge, Abingdon, 2009.
FARIA, T. J. P. Justiça espacial como referência para análise de políticas públicas no Brasil?. In: II Congresso Internacional UFES, Université de Paris Est, Universidade do Minho e XVIII Simpósio de História, 2011, Vitória. Anais eletrônicos do III Congresso Internacional UFES, Université de Paris Est, Universidade do Minho e XVIII Simpósio de História: Territórios, Poderes, Identidades. Vitória: GM Editora, 2011. v. 1. p. 1-12.
FARIA, T. J. P.; MUSSET, A. Socio-Spatial Conflicts, Justice, Resistance. Historical Preservation and Construction of Identities. In Latin American Cities. Revista Geografares, Vitória, v. 22, p. 1-5, 2016. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/14761. Acesso em: 19 jan. 2020.
FONSECA, A. A. M.; BARBOSA, S. R. C. . Justiça espacial e comarcas no estado da Bahia. GEOTEXTOS (ONLINE), v. 13, p. 75, 2017.
GERVAIS-LAMBONY, P. Justiça Espacial, experiências e pistas de pesquisa. IN: CARLOS, A. F. A.; ALVES, G. A. (org.); PADUA, R. F. DE (org.). Justiça espacial e o direto á cidade. São Paulo: Editora Contexto, 2017.
HARVEY, D. A Justiça Social e a Cidade. Tradução de Armando Corrêa da Silva. São Paulo: HUCITEC, 1980.
HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. Tradução de Jeferson Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2014.
LIMA, I. G. A geopolítica da favela: desafios atuais da justiça territorial no Rio de Janeiro. Revista Cidades, v. 13, p. 05-39, 2016.
LIMA, I. G. Entre a geopolítica do sentido e a justiça territorial. In: XII Coloquio Internacional de Geocrítica, 2012, Bogotá. INDEPENDENCIAS Y CONSTRUCCIÓN DE ESTADOS NACIONALES: PODER, TERRITORIALIZACIÓN Y SOCIALIZACIÓN, SIGLOS XIX-XX. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2012. v. 1. p. 1-15.
MADEIRA, P. M.; VALE, M. Desigualdade e espaço no capitalismo contemporâneo: uma questão de (in)justiça territorial?. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 19, n. 2, p. 196-211, ago. 2015. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/102771>. Acesso em: 18 jan.2020.
MARCUSE. P, Spatial justice: derivative but causal of social injustice. La justice spatiale: à la fois résultante et cause de l’injustice sociale, traduçãp: Sonia Lehman Frisch, justice spatiale, spatial justice, 2009.
PHILIPPOPOULOS-MIHALOPOULOS, A. Quem tem medo do espaço? Direito, Geografia e Justiça Espacial. Belo Horizonte: Fac. Direito UFMG, n. 70, jan/jun. 2017.
RAWLS, J. Justiça como equidade: uma reformulação. Erin Kelly (orgs.). Tradução: Claudia Berliner; revisão técnica da tradução Álvaro De Vita. Martins Fontes, São Paulo, 2003.
REYNAUD, A. Justice spatiale et État. In: Espace géographique, tome 7, 1978. pp. 35-40.
RIBEIRO, Wagner Costa. Justiça espacial e justiça socioambiental: uma primeira aproximação. Estud. av., São Paulo, v. 31, n. 89, p. 147-165, abr. 2017. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142017000100147&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 08 abr. 2020.
RODRIGUES, A. M. Políticas Públicas no Espaço. Cidades: Presidente Prudente, v. 13, p. 41-70, 2016.
SANTOS, M. Espaço do cidadão. 7. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.
SERPA, A. S. P. Diversidade e desigualdade em um contexto de fragmentação socioespacial: avanços e recuos. Ateliê geográfico (UFG), v. 12, p. 22-38, 2018.
SMITH, D. M. Geography and ethics: a moral turn? Progress in Human Geography 21,4 pp. 583-590. 1997.
SMITH, D. M. Geography and ethics: how far should we go? Progress in Human Geography 21,3 pp. 119-125. 1999.
SMITH, D. M. Geography and ethics: progress, or more of the same? Progress in Human Geography 25,2 pp. 261-267. 2001.
SMITH, D. M. Moral aspects of place. Planning Theory, SAGE Publications, Los Angeles, London, New Delhi ad Singapore, Vol. 6, pp. 7-15. 2007.
SMITH, D. M. Back to the good life: towards na enlarged conception of social justice. Environment and Planning D. Society and Space, vol. 15, pp. 19-35. 1997.
SOJA, E. En busca de la justicia espacial. Traducción: Carmen Azcárraga. Tirant Humanidades,Valencia, 2014.
SOJA, E. The city and spatial justice [La ville et la justice spatiale, traduction:
Sophie Didier, Frédéric Dufaux], justice spatiale | spatial justice | n° 01 septembre | september 2009. Disponível em: <https://www.jssj.org/wp-content/uploads/2012/12/JSSJ1-1en4.pdf> Acesso em: 19 jun. 2017.
SOJA, E. Para além de postmetropolis. Revista UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n.1, p.136-167, jan./jun. 2013. Disponível em: https://www.ufmg.br/revistaufmg/downloads/20/7-
para_alem_da_postmetropolis_edward_soja.pdf. Acesso em: 23 nov. 2016.
SOUZA, M. L. de. A prisão e a ágora: reflexões em torno da democratização do planejamento e da gestão das cidades. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
SOUZA, Marcelo Lopes de. 'Proteção ambiental para quem? A instrumentalização da ecologia contra o direito á moradia'. Mercator (Fortaleza. Online), v. 14, p. 25-44, 2015.
ZORZANELLO, L. B.; SILVA, M. O processo de emancipação político-administrativa como propulsor de justiça espacial: o caso de Goioxim e Marquinho no estado do Paraná. GEOSUL (UFSC), v. 31, p. 181-200, 2016.

Downloads

Publicado

2020-07-14

Como Citar

VAN DEN BRULE, D. M. As diversas abordagens de justiça espacial na geografia. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 24, n. 2, p. 297-316, 2020. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2020.168714. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/168714. Acesso em: 20 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos