A NEGATIVIDADE COMO FUNDAMENTO E A CATÁSTROFE COMO DEVIR: REFLEXÕES PRIMÁRIAS PARA UM MÉTODO.

  • Marcio Rufino Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Estado crítico, Catástrofe, Governança, Negatividade, Simultaneidade.

Resumo

A crise e sua leitura comporta necessariamente o sentido da negatividade, como método e possibilidade de se compreender seus termos e sua extensão. A negatividade, movimento próprio da sociabilidade posta pela forma valor, irrompe a premissa de que o espaço, proposto enquanto simultaneidade e reposição dos termos do valor, se apresenta enquanto estratégia de rearranjo do estado crítico. Assim, a crise, redundando ao nível do possível na catástrofe, encontraria na governança a sua manutenção enquanto estado crítico, instaurando o ideário da administração da crise e, negativamente, aprofundando-a em direção ao catastrófico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Rufino Silva, Universidade de São Paulo
Graduado (2001), Mestre (2008) e Doutorando (desde 2009) do Departamento de Geografia da Faculdade de Filsofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), vinculado ao Laboratório de Geografia Urbana (Labur)
Publicado
2013-04-30
Como Citar
Silva, M. (2013). A NEGATIVIDADE COMO FUNDAMENTO E A CATÁSTROFE COMO DEVIR: REFLEXÕES PRIMÁRIAS PARA UM MÉTODO. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), (33), 127-135. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2013.74306
Seção
Artigos