GEOGRAFIA ELEITORAL: REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DA VOLATILIDADE DO VOTO

  • Aleksei Zolnerkevic Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
  • Jorge da Graça Raffo Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Geografia eleitoral, Volatilidade eleitoral, Eleições presidenciais, Municípios brasileiros

Resumo

Este artigo trata da geografia eleitoral, a partir do estudo da volatilidade do voto nas eleições presidenciais brasileiras no período de 1989 a 2006 utilizando como unidade espacial os municípios brasileiros. Foi calculada a volatilidade eleitoral por meio do índice de volatilidade entre blocos de partidos (Bartolini e Mair 1990) em quatro períodos: 1989/1994, 1994/1998, 1998/2002 e 2002/2006. Os municípios brasileiros são Identificados e classificados em cinco grupos segundo o número de vezes em que eles apresentam taxas altas de volatilidade no período. Por fim é analisado o índice de correlação entre volatilidade e porcentagem de população rural dos municípios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aleksei Zolnerkevic, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Geógrafo, Pesquisador em Geografia Eleitoral, Msc. Geografia Física, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo
Jorge da Graça Raffo, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Prof.Dr. Cartografia e Geoprocessamento, Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo
Publicado
2013-04-30
Como Citar
Zolnerkevic, A., & Raffo, J. (2013). GEOGRAFIA ELEITORAL: REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DA VOLATILIDADE DO VOTO. GEOUSP Espaço E Tempo (Online), (33), 221-228. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2013.74312
Seção
Notas de pesquisa de campo