Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Território e cafeicultura no Brasil: uma proposta de periodização

Samuel Frederico

Resumo


Este artigo propõe uma periodização da cafeicultura brasileira a partir da sucessão dos meios geográficos. Desde a mecanização do território, com a implantação das ferrovias, no século XIX, até a adoção mais recente de sistemas técnico-informacionais na agricultura, o café acompanhou de perto e em determinados momentos foi protagonista de transformações técnicas e políticas ocorridas na formação socioespacial brasileira nos últimos dois séculos. Assim, partindo de uma perspectiva territorial, este artigo pretende contribuir com as demais propostas de periodização de ordem econômica, política e normativa da cafeicultura brasileira disponível na literatura específica


Palavras-chave


Periodização. Meios geográficos. Cafeicultura. Território brasileiro. Técnica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO FILHO, J. R. O café, riqueza paulista. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 24, p. 75-138, out. 1956.

ARGOLLO, A. Arquitetura do café. Campinas, SP: Edunicamp; São Paulo: Imesp, 2004.

BACHA, C. J. C. Ciclos e tendências do café no Brasil. Preços Agrícolas, Piracicaba, SP, v. 10, n. 117, p. 2-5, 1996.

______. Evolução recente da cafeicultura mineira: determinantes e impactos. Tese (Doutorado em Economia) – Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1988.

BRASIL. Lei n. 4.214, de 2 de março de 1963. Dispõe sobre o Estatuto do Trabalhador Rural. Diário Oficial da União, Casa Civil, Brasília, DF, 1963.

CANO, W. Ensaios sobre a formação econômica regional do Brasil. Campinas: IE-Unicamp, 2002.

______. Raízes da concentração industrial em São Paulo. Campinas, SP: IE-Unicamp, 1998.

CASTILLO, R. Região competitiva e logística: expressões geográficas da produção e da circulação no período atual. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, 4., 2008, Santa Cruz do Sul, RS. Anais... Santa Cruz do Sul, RS: Unisc, 2008. p. 1-19. v. 1.

______; FREDERICO, S. Dinâmica regional e globalização: espaços competitivos agrícolas no território brasileiro. Mercator (Online), Fortaleza, v. 9, n. 18, p. 17-26, 2010.

CATAIA, M. A. Geração de cidades e efeito modernizante da atividade agrícola no Centro-Oeste brasileiro. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, 10., 2005, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2005. p. 3297-3314.

CONSÓRCIO PESQUISA CAFÉ. Disponível em: http://www.consorciopesquisacafe.com.br/. Acesso em: 17 abr. 2017.

CONTEL, F. B. Território e finanças: técnicas, normas e topologias bancárias no Brasil. São Paulo: Annablume, 2011.

______. Os sistemas de movimento do território brasileiro. In: SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001. p. 357-372.

DAVIRON, B.; VAGNERON, I. From commoditisation to de-commoditisation… and back again. Discussing the role of sustainability standards for agricultural products. Development Policy Review, v. 29, n. 1, 2011, p. 91-113.

DAVIRON, B.; PONTE, S. Le paradoxe du café. Paris: Quae, 2007.

DEAN, W. A ferro e fogo: a história da devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

DELFIM NETTO, A. O problema do café no Brasil. São Paulo: FEA-USP, 1981.

DIAS, L. C. Os sentidos da rede: notas para discussão. In: DIAS, L.; SILVEIRA, R. L. L. (Org.). Redes, sociedades e territórios. Santa Cruz do Sul, RS: Edunisc, 2005. p. 11-28.

______. Réseaux d’information et réseau urbain au Brésil. Paris: L’Harmattan, 1995.

EMBRAPA. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: https://www.embrapa.br/cafe. Acesso em: 17 abr. 2017.

FREDERICO, S. Globalização, competitividade e regionalização: a cafeicultura científica globalizada no território brasileiro. Geousp – espaço e tempo (Online), v. 18, n. 1, p. 55-70, 2014.

______. Lógica das commodities, finanças e cafeicultura. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v. 3, n. 1, p. 97-116, 2013.

______. Expansão da fronteira agrícola moderna e consolidação da cafeicultura científica globalizada no oeste da Bahia. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v. 2, n. 2, p. 279-301, 2012.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1976.

GEIGER, P. P. Evolução da rede urbana brasileira. Rio de Janeiro: CBPE, 1963.

GORZ, A. Misérias do presente, riquezas do possível. São Paulo: Annablume, 2004.

HAESBAERT, R. Gaúchos e baianos no novo nordeste: entre a globalização econômica e a reinvenção das identidades regionais. In: CASTRO, I. E.; CORREA, R. L.; GOMES, P. C. (Org.). Brasil: questões atuais sobre a organização do território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. p. 362-403.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004.

HERREROS, M. M. A. G.; BARROS, F. G. N.; BENTES, E. S. Atividade especulativa dos fundos de investimentos no mercado futuro de commodities agrícolas (2006-2009). Revista de Política Agrícola, Brasília, DF, v. 19, n. 1, p. 24-39, 2010.

ITC. INTERNATIONAL TRADE CENTER. Annual Report, 2011. Disponível em: http://www.intracen.org/about/annual-report/. Acesso em: 3 mar. 2012.

KAGEYAMA, A. et al (Coord.). O novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos agroindustriais. In: DELGADO, G.; GASQUES, J. G.; VILLA VERDE, C. (Org.). Agricultura e políticas públicas. Brasília: IPEA, 1990. p. 113-223.

MAZZALI, L. O processo recente de reorganização agroindustrial: do complexo à organização “em rede”. São Paulo: Edunesp, 2000.

MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio: contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. Campinas, SP: Unicamp, 1998.

MONBEIG, P. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec/Polis, 1984.

MORAES, A. C. R. Bases da formação territorial do Brasil: o território colonial brasileiro no “longo” século XVI. São Paulo: Hucitec, 2000.

MÜLLER, G. Complexo agroindustrial e modernização agrária. São Paulo: Hucitec, 1989.

NATAL, J. L. A. Transporte, ocupação do espaço e desenvolvimento capitalista no Brasil: história e perspectivas. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1991.

OIC. Organização Internacional do Café. Historical data on the global coffee trade, 2012. Disponível em: http://www.ico.org/new_historical.asp. Acesso em: 25 maio 2013.

PACHECO, C. A. Café e cidades em São Paulo: um estudo de caso da urbanização na região de Araraquara e São Carlos (1880-1930). Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1988.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PRADO JR., C. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1967.

RAMOS, S. F.; CASTILLO, R. A. Sistemas técnicos agrícolas do algodão e uso do território brasileiro. Revista Geografia, Rio Claro, SP, v. 35, n. 1, p. 101-114, 2010.

REINERT, E. How rich countries got rich and why poor countries stay poor. Londres: Constable, 2007.

SAES, S. M. S. A racionalidade econômica da regulamentação no mercado brasileiro de café. Tese (Doutorado em Economia) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

SANTOS, M.; RIBEIRO, A. C. T. O conceito de região concentrada. UFRJ/IPPUR/Departamento de Geografia, 1979. [Mimeo.]

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

______. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

______. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. 3. Ed. São Paulo: Hucitec, 1994.

______. Sociedade e espaço: a formação social como categoria e como método. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 54, p. 81-100, 1977.

______. A cidade nos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

SILVA, J. G. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

SILVA, L. F. A cafeicultura brasileira no modelo tecnológico produtivista (1960-90). Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) – Instituto de Geociências, Universidade de Campinas, Campinas, SP, 1994.

SILVA, S. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1986.

SIMONDON, G. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Éditions Montaigne/Aubier, 1958.

SILVEIRA, M. L. Diferencias regionales en el territorio brasileño: perspectivas diacrónica y sincrónica. Scripta Nova (Online), Barcelona, v. XI, n. 244, 2007.

______. Uma situação geográfica: do método à metodologia. Revista Território, Rio de Janeiro, v. IV, n. 6, p. 21-28, jan./jun. 1999.

STEIN, S. Grandeza e decadência do café no vale do Paraíba. São Paulo: Brasiliense, 1961.

SOUZA, M. C. M. Cafés sustentáveis e denominação de origem: a certificação de qualidade na diferenciação de cafés orgânicos, sombreados e solidários. Tese (Doutorado em Economia) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

TALBOT, J. M. Grounds for agreement: The political economy of the coffee commodity chain. Lanham-MD: Rowman and Littlefield, 2004.

TAUNAY, A. E. Pequena história do café no Brasil: 1727-1937. Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Café, 1945.

TOPIK, S. The integration of the World Coffee Market. In: TOPIK, S.; CLARENCE-SMITH, W. G. The global coffee economy in Africa, Asia, and Latin America (1500-1989). New York: Cambridge University Press, 2003. p. 21-49.

VALVERDE, O. A fazenda de café escravocrata, no Brasil. Rio de Janeiro: IBC, 1970.

VIEIRA, W. Apogeu e decadência da cafeicultura fluminense (1860-1930). Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.98588

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Samuel Frederico

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br