COMPARATIVO DE USABILIDADE DA FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO ERGONÔMICA REBA (RAPID ENTIRE BODY ASSESSMENT) NAS VERSÕES EM PAPEL E APLICATIVO PARA CELULAR

  • Isabella de Souza Sierra Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Flávio Anthero Nunes Vianna dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Elton Moura Nickel Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: Análise Ergonômica, Usabilidade, REBA, Fatores Humanos

Resumo

Ferramentas para auxílio de análise ergonômica são frequentemente utilizadas quando há a necessidade de avaliação de riscos musculoesqueléticos no trabalho. Dessas ferramentas, uma das mais conhecidas é a REBA (Rapid Entire Body Assessment). Seu amplo uso fez com que suas formas de distribuição e aplicação fossem alteradas por vários autores, de forma a tentar encontrar a melhor maneira de aplicação. Inclusive, com o advento de celulares e tablets, foram feitas diversas versões em aplicativo da ferramenta. Pouco pode ser encontrado sobre a usabilidade desse método, ainda mais em qual versão é mais apropriado, em termos de usabilidade. Objetivou-se neste artigo realizar uma avaliação de usabilidade da ferramenta REBA em duas diferentes versões para verificar a influência que a usabilidade da ferramenta tem nos seus resultados. Acredita-se que qualquer tipo de ferramenta para uma avaliação ergonômica deve, de forma intrínseca, ser usável, pois sua usabilidade tem influência direta em sua confiabilidade e replicabilidade. Sendo assim, fez-se uma análise comparativa de usabilidade com a ferramenta em versão papel e aplicativos para celular com oito sujeitos para a verificação de tal usabilidade. Encontrou-se melhor usabilidade para o aplicativo, mas confiabilidade equiparada para as duas versões. Assim, constata-se que as duas podem ser igualmente usadas para avaliação REBA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, F. S. Avaliação da experiência do usuário: uma proposta de sistematização para o processo de desenvolvimento de produtos. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

BAHARUDDIN, R.; SINGH, D.; RAZALI, R. Usability dimensions for mobile applications: a review. Research Journal of Applied Sciences, Engineering and Technology, Reading, v. 5, n. 6, p. 2225-2231, 2013.

BROOKE, J. SUS: a quick and dirty usability scale. Usability evaluation in industry, Reading, v. 189, n. 194, p. 4-7, 1996.

CHIASSON, M.-È. et al. Comparing the results of eight methods used to evaluate risk factors associated with musculoskeletal disorders. International Journal of Industrial Ergonomics, Amsterdam, v. 42, n. 5, p. 478-488, 2012.

CHINA DAILY. Hardworking student gets much-needed relief, Beijing, 17 Aug. 2011. Disponível em: <https://goo.gl/MD8HTP>. Acesso em: 11 fev. 2016.

COUNTRY 93.5 KKBN. The hardworking man contest, Sonora, 27 Jun. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/d7L44d>. Acesso em: 11 fev. 2016.

GARCÍA-GARCÍA, M. et al. Análisis de métodos de valoración postural en las herramientas de simulación virtual para la ingeniería de fabricación. Dyna, Bogotá, v. 80, n. 181, p. 5-15, 2013.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 9241-11: ergonomic requirements for office work with visual display terminals. Geneva: ISO, 1998.

JORDAN, P. W. An introduction to usability. Abingdon: Taylor & Francis, 1998.

LAMARÃO, A. M. et al. Translation, cross-cultural adaptation to Brazilian-Portuguese and reliability analysis of the instrument Rapid Entire Body Assessment (REBA). Brazilian Journal of Physical Therapy, São Carlos, v. 18, n. 3, p. 211-217, 2014.

MCATAMNNEY, L.; HIGNETT, S. REBA (Rapid Entire Body Assessment): more than a postural assessment tool. In: ROBERTSON, S. A. (Ed.). Contemporary ergonomics 1997. London: Taylor & Francis, 1997. p. 431-435.

MOTAMEDZADE, M. et al. Comparison of ergonomic risk assessment outputs from rapid entire body assessment and quick exposure check in an engine oil company. Journal of Research in Health Sciences, Hamadān, v. 11, n. 1, p. 26-32, 2011.

NADRI, H. et al. Comparison of ergonomic risk assessment results from quick exposure check and rapid entire body assessment in an anodizing industry of Tehran, Iran. Journal of Occupational Health and Epidemiology, Rafsanjan, v. 2, n. 4, p. 195-202, 2013.

NIELSEN, J. Usability engineering. Burlington: Morgan Kaufmann, 1993.

NIELSEN, J. Why you only need to test with 5 users. Nielsen Norman Group, 19 Mar 2000. Disponível em: <https://goo.gl/bnHQt8>. Acesso: em 7 abr. 2016

RODRÍGUEZ, E. D. V. et al. Demanda biomecánica en el ensamblaje de un vehículo compacto. Universidad, Ciencia y Tecnología, Puerto Ordaz, v. 13, n. 52, 2009.

ROMAN-LIU, D. Comparison of concepts in easy-to-use methods for MSD risk assessment. Applied Ergonomics, Amsterdam, v. 45, n. 3, p. 420-427, 2014.

WINDOW, J. J. The validity of using quick ergonomics assessment tools in the prediction of developing workplace musculoskeletal disorders. In: HUMAN FACTORS & ERGONOMICS SOCIETY OF AUSTRALIA CONFERENCE, 42., Sydney. Proceedings… Sydney: HFESA, 2006. p. 1-8.

Publicado
2017-11-01
Como Citar
Sierra, I., Santos, F., & Nickel, E. (2017). COMPARATIVO DE USABILIDADE DA FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO ERGONÔMICA REBA (RAPID ENTIRE BODY ASSESSMENT) NAS VERSÕES EM PAPEL E APLICATIVO PARA CELULAR. Gestão & Tecnologia De Projetos, 12(2), 9-20. https://doi.org/10.11606/gtp.v12i2.111756
Seção
Artigos