PROJETAR-COM: O ARQUITETO COMO “AUTOR-REDE” EM MOVIMENTO

  • Rodrigo Neves Costa Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Giselle Arteiro Nielsen Azevedo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Rosa Maria Leite Pedro Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Teoria Ator-Rede (TAR), Concepção, Projeto Arquitetônico.

Resumo

A Teoria Ator-Rede (TAR) foi gerada nos estudos de sociologia da ciencia e da tecnologia e tem sido usada em outros campos, como a arquitetura. Porém, ainda existem dificuldades de compreensao e transposiçao dos conceitos propostos, principalmente pelo seu caráter inovador. Assim, este artigo discute o projeto de arquitetura, especialmente o processo de concepçao, propondo uma abordagem a partir das noçoes da teoria. Considerando características do processo de concepçao extraídas da literatura arquitetônica, propomos considerar o projeto como uma construçao coletiva, em que humanos e nao humanos se articulam ativamente, sustentando problema e soluçao. Neste caso, tratamos arquiteto como um “autor-rede”, pois a autoria do projeto está mais ligada a capacidade de traduçao – as associaçoes realizadas – do arquiteto do que a concepçao do objeto em si, reconhecendo a agencia de outros atores. Sobre o processo, a proposta é estar atento as açoes que ocorrem na prática, observando as estratégias utilizadas para incorporaçao de requisitos ao projeto, as traduçoes realizadas pelo arquiteto. Nao é tanto olhar para o produto, mas para sua construçao. Isso diz respeito também a considerar a edificaçao como um projeto em movimento, um fluxo contínuo de transformaçoes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Neves Costa, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura (PROARQ/FAU/UFRJ). Arquiteto do quadro permanente da Fundação Oswaldo Cruz e Coordenador de Projetos. Mestre em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Especialista em Conforto e Edificações Sustentáveis pela Universidade Gama Filho.
Giselle Arteiro Nielsen Azevedo, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Associada, Docente do Quadro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura (PROARQ) da FAU/UFRJ e Coordenadora do Grupo Ambiente-Educação (GAE), registrado no Diretório Nacional Grupos de Pesquisa CNPq. Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Rosa Maria Leite Pedro, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Associado IV da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP) do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde integra a linha de pesquisa "Processos Psicossociais e Coletivos". Líder do Grupo de Pesquisa & Cultura Contemporânea: subjetividade, conhecimento e tecnologia (CNPq).

Referências

ARENDT, R. Emoções e mídia. In: JACÓ-VILELA, A.; SATO, L. Diálogos em psicologia social. Porto Alegre: Evangraf, 2007. p. 275-286.

BLOOR, D. Conhecimento e imaginário social. Tradução de Marcelo do Amaral Penna-Forte. São Paulo: Unesp, 2009.

CROSS, N. Designerly ways of knowing: design discipline versus design science. Design Issues, Cambridge, MA, v. 17, n 3, p. 49-55, 2001.

FALLAN, K. Architecture in action: traveling with actor-network theory in the land of architectural research. Architectural Theory Review, Abingdon, v. 13, n. 2, p. 80-96, 2008.

GIERYN, T. F. What buildings do. Theory and Society, Cham, v. 31, n. 1, p. 35-74, 2002.

GUGGENHEIM, M. Mutable immobiles. Change of use of buildings as a problem of quasi-technologies. In: FARIAS, I.; BENDER, T. H. Urban assemblages: how actor-network theory changes urban studies. Abingdon: Routledge, 2009. p. 161-178.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos escudos científicos. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Bauru: Edusc, 2001.

LATOUR, B. The promises of constructivism. In: IHDE, D.; SELINGER, E. (Eds.). Chasing technoscience: matrix for materiality. Bloomington: Indiana University Press, 2003. p. 27-46.

LATOUR, B. A prologue in form of a dialog between a student and his (somewhat) socratic professor. In: AVGEROU, C.; CIBORRA, C.; LAND. F. (Eds.). The social study of information and communication study. Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 62-76.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. 2. ed. Tradução de Ivone C. Benedett. São Paulo: Unesp, 2011.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador: Edufba, 2012.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Tradução de Ângela Ramalho Vianna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LATOUR, B.; YANEVA, A. Give me a gun and I will make buildings move: an ANT’s view of architecture. In: GEISER, R. Explorations in architecture: teaching, design, research. Basel: Birkhäuser, 2008. p. 80-89.

LAW, J. Notes on the theory of the actor-network: ordering, strategy and heterogeneity. Systems Practice, Cham, v. 5, n. 4, p. 379-393, 1992.

LAWSON, B. Como arquitetos e designers pensam. 4. ed. Tradução de Maria Beatriz de Medina. São Paulo: Oficina dos textos, 2011.

MARTINEZ, A. C. Ensaio sobre o projeto. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2000.

MOL, A. Ontological politics: a word and some questions. In: LAW, J.; HASSARD, J. (Eds.). Actor network theory and after. Hoboken: Wiley-Blackwell, 1999. p. 123-162.

MORAES, M. PesquisarCOM: política ontológica e deficiência visual. In: MORAES, M.; KASTRUP, V. Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau, 2010. p. 26-51.

MORAES, M. Do “PesquisarCOM” ou de tecer e destecer fronteiras. In: TAVARES, G. M.; MORAES, M.; BERNARDES, A. G. Cartas para pensar: políticas de pesquisa em psicologia. Vitória: Edufes, 2014. p. 131-137.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. 207p.

PEDRO, R. Carta aos parceiros nos coletivos, coautores desta carta. In: TAVARES, G. M.; MORAES, M.; BERNARDES, A. G. Cartas para pensar: políticas de pesquisa em psicologia. Vitória: Edufes, 2014. p. 89-95.

SCHÖN, D. The reflective practitioner. New York: Basic Books, 1983.

VARGAS, C. R. A.; AZEVEDO, G. A. N. Qualidade nos serviços de alimentação: uma proposta de associação da Teoria Ator-Rede (TAR) aos processos de APO. Gestão e Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 1, n. 8, p. 41-53, 2013.

VIANA, L. Q.; RHEINGANTZ, P. A. Arquitetura contemporânea: abordando coletivamente lugar, processo de projeto e materialidade. Gestão e Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 20-37, 2012.

WINNER, L. Do artifacts have politics? In: WINNER, L. The whale and the reactor: a search for limits in the age of high technology. Chicago: The Chicago University Press, 1989. p. 19-39.

Publicado
2017-11-01
Como Citar
Costa, R., Azevedo, G., & Pedro, R. M. (2017). PROJETAR-COM: O ARQUITETO COMO “AUTOR-REDE” EM MOVIMENTO. Gestão & Tecnologia De Projetos, 12(2), 103-116. https://doi.org/10.11606/gtp.v12i2.120037
Seção
Artigos