MÉTODO DE INSPEÇÃO SISTEMÁTICO DE USABILIDADE UNIVERSAL NA ARQUITETURA: ESTUDO DE CASO COM AVALIAÇÃO HEURÍSTICA MODIFICADA

  • Lucy Ana Vilela Staut Centro Universitário Filadélfia
  • Nubia Bernardi Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Usabilidade, Desenho Universal, Acessibilidade, Avaliação, Heurística.

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de um estudo de caso com avaliaçao através do método baseado em heurísticas modificado em conformaçao aos princípios do Desenho Universal, em Centro Comercial Planejado. O objetivo principal é analisar o potencial de aplicaçao da avaliaçao heurística modificada como método de inspeçao de usabilidade universal, aliada ao percurso pluralístico. A avaliaçao apresenta tres sessoes subsequentes: (1) pré-entrevista, em que cinco avaliadores especialistas interdisciplinares analisam os projetos arquitetônicos do Centro Comercial Planejado em relaçao aos princípios do Desenho Universal e acessibilidade espacial e preenchem formulário de entrevista estruturada; (2) atividades em cenários, em que cada avaliador responde novamente o formulário no desenvolvimento de atividades pré-definidas; e (3) pós-entrevista, em que os formulários foram novamente respondidos através de reanálise dos projetos arquitetônicos. Como resultado, foi identificado que a avaliaçao heurística modificada pode integrar com eficácia a avaliaçao de projeto antes do fato e na avaliaçao pós-ocupaçao, produzindo interaçao entre análise de projeto arquitetônico e o uso do espaço. Assim sendo, destaca-se a necessidade de estudos mais aprofundados sobre usabilidade universal e seu uso na concepçao de ambientes inclusivos. Esta pesquisa mostrou-se como etapa inicial para a avaliaçao de usabilidade universal na arquitetura e recomenda testes aplicados ao contexto arquitetônico, pois salientam a relevância de análise de elementos interdependentes no ambiente construído e devem ser integrados ao processo de projeto universal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nubia Bernardi, Universidade Estadual de Campinas
Doutora em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Campinas na área de concentração em Arquitetura e Construção. Chefe do Departamento de Arquitetura e Construção da Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AFACAN, Y.; ERBUG, C. An interdisciplinary heuristic evaluation method for universal building design. Applied Ergonomics, Amsterdam, n. 40, p. 731-744, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9241-11: Requisitos ergonômicos para trabalho de escritórios com computadores parte 11: orientações sobre usabilidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2002. 21 p.

______. NBR ISO/IEC 9126-1991: engenharia de software – qualidade de produto – parte 1: modelo de qualidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. 21p.

______. NBR 9050/2015: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 2015. 162p.

BACON, E. N. Design of cities. New York: Penguin, 1976. 336p.

BARBOSA, S. D. J.; SILVA, B. S. Interação humano-computador. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. 384p.

BEECHER, V.; PAQUET, V. Survey instrument for the universal design of consumer products. Applied Ergonomics, Amsterdam, n. 36, p. 363-372, 2005.

BLOWER, H. C. S. O lugar do ambiente na educação infantil: estudo de caso na creche Doutor Paulo Niemeyer. 2008. 187f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, 2008.

BRASIL. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 dez. 2004.

CAMBIAGHI, S. S.; CARLETTO, A. C. Desenho universal: um conceito para todos. Mara Gabrilli, [S.l.], 2008.

CARLIN, F. Acessibilidade espacial em shopping center: um estudo de caso. 2004. 191f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

CASTELNOU, A. Arquitetura londrinense: expressões de intenção pioneira. Londrina: AtritoArt, 2002. 346p.

CULLEN, G. Paisagem urbana. Lisboa: Edições 70, 1971. 202p.

DANFORD, G. S.; TAUKE, B. (Eds.). Universal design New York. New York: Vanguard Direct, 2001. 124p.

DEMIRBILEK, O.; DEMIRKAN, H. Universal product design involving elderly users: a participatory design model. Applied Ergonomics, Amsterdam, n. 35, p. 361-370, 2004.

DIAS, C. Usabilidade na WEB: criando portais mais acessíveis. 2. ed. Rio de Janeiro: Alata Books, 2007. 296p.

DISCHINGER, M.; ELY, V. H. M. B.; PIARDI, S. M. D. G. Promovendo acessibilidade espacial nos edifícios públicos: programa de acessibilidade às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida nas edificações de uso público. Florianópolis: MPSC, 2012. 161p.

FERREIRA, A. B. H. Miniaurélio: o minidicionário da Língua Portuguesa. 7. ed. Curitiba: Positivo, 2008. 896p.

HETZBERGER, H. Lições de arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 272p.

HÖLSCHER, C. et al. Up the down staircase: wayfinding strategies in multi-level buildings. Journal Environmental Psychology, Amsterdam, n. 26, p. 284-299, 2006.

JORDAN, P. W. Designing pleasurable products: an introduction to the New Human Factors. London: Taylor & Francis, 2000. 224p.

KASPER, A. A.; LOCH, M. V. P.; PEREIRA, V. L. D. V. A abordagem do espaço físico inclusivo sob a ótica da usabilidade e do design de interação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2., 28-30 nov. 2012, Ponta Grossa. Anais… Ponta Grossa: Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2012.

KEITH, A. The application of usability concepts in the built environment. Journal of Facilities Management, Salford, v. 4, n. 4, p. 262-270, 2006.

KOOHANG, A. Expanding the concept of usability. Informing Science Journal, [S.l.], v. 7, p. 129-141, 2004. Disponível em: <https://goo.gl/gDrmas> Acesso em: 4 jun. 2013.

KOWALTOWSKI, D. C. C. K. et al. Reflexão sobre metodologias de projeto arquitetônico. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 7-19, 2006.

LYNCH, Kevin. A imagem da Cidade. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010. 227p.

MACE, R. et al. The Principles of Universal design, version 2.0. Washington, DC: The National Institute on Disability and Rehabilitation Research, 4 jan. 1997.

NIELSEN, J. Usability engineering. San Francisco: Morgan Kaufmann, 1993. 340p.

______. Heuristic evaluation. In: MACK, R.; NIELSEN, J. (Eds.). Usability inspection methods. New York: John Wiley & Sons, 1994. p. 25-62.

______. How to conduct a heuristic evaluation. Nielsen Norman Group, Fremont, 1º jan. 1995a.

______. 10 usability heuristics for user interface design. Nielsen Norman Group, Fremont, 1º jan. 1995b.

NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na Web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 2007. 406p.

NIELSEN, J.; MOLICH, R. Heuristic evaluation of user interfaces. In: SIGCHI CONFERENCE ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS, 1-5 abr. 1990, Seattle. Proceedings… Nova Iorque: ACM, 1990. p. 249-256.

NORBERG-SCHULZ, C. Existencia, espacio y arquitectura. Barcelona: Blume, 1975. 145p.

PAULA, K. C. L.; SANTANA, E. P.; DUARTE, C. R. Estudo cinestésicos: uma experiência projetual em torno do “Exercício Experimental da Liberdade”. In: DUARTE, C. R.; RHEINGANTZ, P. A.; AZEVEDO, G.; BRONSTEIN, L. (Orgs.). O lugar do projeto: no ensino e na pesquisa em arquitetura e urbanismo. Rio de Janeiro: PROARQ, 2007. 536p. p. 203-215.

PREISER, W. F. E. Das políticas públicas à prática profissional e à pesquisa de avaliação de desempenho voltada para o desenho universal. In: ORNSTEIN, S. W.; PRADO, A. R. A.; LOPES, M. E. (Orgs.). Desenho universal: caminhos da acessibilidade no Brasil. São Paulo: Annablume, 2010. p. 19-32.

REIS, A. T.; LAY, M. C. D. Percepção e análise dos espaços: Desenho Universal. In: ORNSTEIN, S. W.; PRADO, A. R. A.; LOPES, M. E. (Orgs.). Desenho universal: caminhos da acessibilidade no Brasil. São Paulo: Annablume, 2010. p. 105-115.

RHEINGANTZ, P. A. et al. Observando a qualidade do lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: UFRJ-FAU, 2009. 117p. (Coleção PROARQ).

SILVA, A. H. et al. Acessibilidade: mobilidade acessível na cidade de São Paulo. São Paulo: CPA: Secretaria da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, 2008. 206p.

SOLÀ-MORALES RUBIÓ, I. Territorios. Barcelona: GG, 2002. 207p.

TANAKA, E. H. Método baseado em heurísticas para avaliação de acessibilidade em sistemas de informação. 2009. 100f. Tese (Doutorado em Computação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

VOORDT, T. J. M.; WEGEN, H. B. R. Arquitetura sob o olhar do usuário: programas de necessidades, projeto e avaliação de edificações. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. 237p.

ZEVI, B. Saber ver a arquitetura. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009. 286p.

Publicado
2017-11-01
Como Citar
Staut, L. A., & Bernardi, N. (2017). MÉTODO DE INSPEÇÃO SISTEMÁTICO DE USABILIDADE UNIVERSAL NA ARQUITETURA: ESTUDO DE CASO COM AVALIAÇÃO HEURÍSTICA MODIFICADA. Gestão & Tecnologia De Projetos, 12(2), 85-102. https://doi.org/10.11606/gtp.v12i2.120429
Seção
Artigos