Fotogrametria como base para o reconhecimento de cronologias urbanas e arquitetônicas

  • Ana Teresa Cirigliano Villela Centro Universitário Estácio Uniseb
  • Rodrigo Luiz Minot Gutierrez Centro Universitário Estácio Uniseb
Palavras-chave: Representações, Cronologia urbana, Metodologia de Documentação

Resumo

O tema deste artigo é o uso da fotogrametria associada a pesquisas histórico-documentais, tomando como caso de estudo o reconhecimento da cronologia de formação e transformação do perfil edificado em volta da Praça XV de Novembro e da Praça Carlos Gomes, localizadas no Quadrilátero Central de Ribeirão Preto (SP). Trata-se do conjunto onde a cidade foi fundada e que vem sendo modificado desde sua origem, em 1856, aos dias atuais. Os documentos fotográficos, cartográficos e textuais disponíveis capturam fragmentos da área com grandes lacunas temporais e, por isso, o reconhecimento cronológico das transformações urbanas e arquitetônicas da área solicita a exploração da própria matéria edificada como fonte informativa. Para tanto, foi realizado um exercício experimental de observação, organização e representação de dados obtidos por meio de documentos existentes (fotos e mapas) e pela Fotogrametria terrestre, com vistas a apresentar uma proposta metodológica de levantamento das edificações e verificar os resultados obtidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Teresa Cirigliano Villela, Centro Universitário Estácio Uniseb

Mestrado em Arquitetura, Tecnologia e Cidade pela Universidade Estadual de Campinas (2013-2015); Docente do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto (SP) nas áreas de História da Arte e da Arquitetura, Desenho de Arquitetura e Projeto de Arquitetura (2015-atual).

Referências

CALIL Jr. O Centro de Ribeirão Preto: os processos de expansão e setorização. 2003. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). EESC-USP, São Carlos.

FARIA, Rodrigo Santos. Ribeirão Preto, uma cidade em construção (1805-1930). O discurso da higiene, beleza e disciplina na modernização Entre Rios. São Paulo: Annablume, 2010.

FARIA, R. S. Ribeirão Preto, uma modernidade Entre Rios: higiene, beleza e progresso no discurso da metrópole do interior (1902- 1930). RISCO-4. Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo. PPGAU-EESC-USP-SAP. Risco (São Carlos), v. 4, p. 36-66, 2007. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v0i4p36-50

FIGUEIRA, Tânia Maria Bulhões. Produção social da cidade contemporânea: análise dos condomínios urbanísticos e loteamentos fechados de alto padrão do Subsetor Sul de Ribeirão Preto/SP. 2013. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – IAU-USP, São Carlos.

ICOMOS. Carta de Veneza – Carta para a Conservação e Restauração de Monumentos e Sítios (1964). Veneza: ICOMOS, 1964. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/. Acesso em: 13 ago. 2018.

KOATZ, G. D. ; ERWES, H. J. B. ; PRADO, W. S. ; BRITO, J. L. N. e S. . Documentação Precisa da Arquitetura Moderna - Utilização de Metodologias Tridimensionais. In: Seminário Latino-Americano Arquitetura & Documentação, 2008, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LAGES, José Antonio. Ribeirão Preto revisitada. Ribeirão Preto: Nova Enfim, 2016.

“Autor”. 2015.

PESAVENTO, S.J. Com os olhos no passado: a cidade como palimpsesto. Revista Esboços. Dossiê Cidade e Memória.. n.11. Florianópolis: UFSC, 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/334. Acesso em: 4 jun. 2018.

SUNEGA, Renata Alves. Quarteirão Paulista: um conjunto harmônico de edifícios monumentais. Ribeirão Preto: Fundação Instituto do Livro, 2011.

ZANCHETI, S. M. [et al]. Da autenticidade nas cartas patrimoniais ao reconhecimento das suas dimensões na cidade. Textos para Discussão – Série 3: Identificação do Patrimônio Cultural. CECI: Olinda, 2008, p.1-13. Disponível em: http://www.ct.ceci-br.org/ceci/br/publicacoes/textos-para-discussao/347-textos-para-discussao-v-37.html. Acesso em: 13 ago. 2018.

Publicado
2020-01-17
Como Citar
Villela, A. T., & Gutierrez, R. L. (2020). Fotogrametria como base para o reconhecimento de cronologias urbanas e arquitetônicas. Gestão & Tecnologia De Projetos, 15(1), 9-25. https://doi.org/10.11606/gtp.v15i1.149148