Lógica algorítmica-paramétrica e urbanismo: uma revisão teórica e de modelos computacionais para projetos urbanos

.

Palavras-chave: Lógica algorítmica-paramétrica, Projeto urbano computacional, Ferramentas computacionais, Revisão de modelos, Urbanismo paramétrico

Resumo

A utilização de recursos algorítmico-paramétricos no contexto do pensamento urbano constitui uma perspectiva relativamente nova para o planejamento e o projeto das cidades. No campo do urbanismo, estas aplicações, apesar de estarem em franca ascensão, ainda se encontram ou em menor quantidade, ou não tão desenvolvidas quanto aquelas voltadas ao campo da arquitetura. Neste contexto, o objetivo deste artigo é abordar diferentes modelos de aplicações computacionais orientados para contextos urbanísticos, de maneira a estabelecer um enquadramento sobre a aplicação destes recursos e de modelos computacionais orientados a soluções de questões urbanas, organizando um cenário de pesquisas já desenvolvidas nesta área e sistematizando-os por meio de um quadro comparativo. A análise comparativa dos modelos permitiu identificar as limitações, bem como as potencialidades e os contextos de aplicação de cada modelo. Assim, pode-se concluir a partir desta abordagem que os modelos analisados têm um grande potencial a ser explorado para gerir questões complexas do planejamento urbano, uma vez que permitem a construção de cenários e modificações no ambiente construído de forma paramétrica, ou seja, permitem a análise e a retroalimentação do projeto ainda no ambiente virtual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDER, C.; ISHIKAWA, S.; SILVERSTEIN, M. A Pattern Language: Towns, Buildings, Construction. Nova York: Oxford University Press, 1977.

AMORIM, A. Discutindo City Information Modeling (CIM) e conceitos correlatos. Gestão & Tecnologia de Projetos, v.10, n.2, p.87-100, 6 nov. 2015.

BEIRÃO, J. CItyMaker / Designing Grammars for Urban Design. 2012. 272 f. Tese (Doutorado em Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura, Delft University of Technology, Delft, 2012.

BREWSTER, M.; HURTADO, D.; OLSON, S.; YEN, J. Walkscore.com: A new methodology to explore associations between neighborhood resources, race, and health. APHA 137th Annual Meeting, Philadelphia: Penssylvania, 2009. Disponível em: https://apha.confex.com/apha/137am/webprogram/Paper205082.html. Acesso em 16 de jun. 2019.

DOGAN, T.; SAMARANAYAKE, S.; SARAF, N. Urbano: A New Tool to Promote Mobility-Aware Urban Design, Active Transportation Modeling and Access Analysis for Amenities and Public Transport. Proceedings of the Symposium for Architecture and Urban Design. Delft, Netherlands, 2018. DOI: 10.22360/simaud.2018.simaud.028.

DUARTE, J. P.; BEIRÃO, J. N.; MONTENEGRO, N.; GIL, J. City Induction: A Model for Formulating, Generating, and Evaluating Urban Designs. In: ARISONA, S.; ASCHWANDEN, G.; HALATSCH, J.; WONKA, P. (Eds.). Digital Urban Modeling and Simulation. Berlim: Springer Berlin Heidelberg, 2012. p. 73-98.

GIL, J.; BEIRÃO, J.; MONTENEGRO, N.; DUARTE, J. Assessing computational tools for urban design: Towards a “City Information Model”. FUTURE CITIES [28th eCAADe Conference Proceedings / ISBN 978-0-9541183-9-6] ETH Zurich (Switzerland) 15-18 September 2010, pp.361-369.

HENRIQUES, G. TetraScript: sistema de aberturas responsivo para controlar a luz, de acordo com fatores externos e internos. 2013. 448 f. Tese (Doutorado em arquitetura) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. 2013.

HENRIQUES, G.; BUENO, E. Geometrias complexas e desenho paramétrico. DROPS Ano 10, fevereiro de 2010. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/10.030/2109. Acesso em: 14 de jul. 2010.

HILLIER, B; HANSON, J. The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

KILKELLY, M. 5 razões para arquitetos aprenderem programação. Archdaily, 2015. Disponível em: http://www.archdaily.com.br/br/764687/5-razoes-de-porque-os-arquitetos-devem-aprender-a-programar-softwares. Acesso em 15 de jun. de 2019.

LIMA, F. Métricas Urbanas: Sistema (para)métrico para análise e otimização de configurações urbanas de acordo com métricas de avaliação de desempenho. Rio de Janeiro, 2017. Tese (Doutorado em Urbanismo) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

LIMA, F. T. A.; MONTENEGRO, N.; PARAIZO, R. C.; KÓS, J. R. Citymetrics: sistema (para)métrico para análise e otimização de configurações urbanas. Oculum Ensaios, v.16, n.2, p.409-427, 2019. http://dx.doi.org/10.24220/2318‑0919v16n2a4163.

MENGES, A. Instrumental Geometry. Architectural Design. Techniques and Technologies in Morphogenetic Design. Londres: Editorial Offices, v. 76, n. 2, 2006.

MINSKY, M. Semantic Information Processing. Cambridge: MIT Press, 1968.

MITCHELL, W. Computer-aided architectural design. Nova York: Van Nostrand Reinhold, 1977.

MITCHELL, W; McCULLOUGH, M. Digital Design Media. Nova York: Van Nostrand Reinhold, 1991.

MONTENEGRO, N. CityPlan: Contributo para o desenvolvimento de uma metodologia e ferramenta computacional para apoio ao desenho urbano. 2015. 440 f. Tese (Doutorado em Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura, Universidade de Lisboa, Lisboa. 2015.

NOURIAN, P.; REZVANI, S.; SARIYILDIZ, S.; HOEVEN, F. Configurbanist: Urban Configuration Analysis for Walking and Cycling via Easiest Paths. In: 33rd eCAADe CONFERENCE, 2015. Viena, Áustria. Anais da 33º Conferência eCAADe. Viena, Áustria: Universidade Técnica de Viena, 2015. 553-564.

OXMAN, R. Theory and design in the first digital age. Design Studies, 27, p. 229-265, 2006.

PICON, A. Foreword. In TERZIDIS, K. Algorithmic Architecture. Nova York: Routledge, 2006.

SCHEER, D. The death of drawing: Architecture in the age of Simulation. Nova York: Routledge, 2014.

SEVTSUK, A. Urban Network Analysis: Tools for Modeling Pedestrian and Bicycle Trips in Cities. Cambridge, MA: Harvard Graduate School of Design, 2018. Disponível em: https://www.dropbox.com/s/pr0g3r1j6x0m89y/UNA_user_guide_2018.pdf?dl=0. Acesso em 17 jul. 2019.

SEVTSUK, A.; KALVO, R. Urban Network Analysis Toolbox for Rhinoceros 3D. Singapore: City Form Lab, 2015. Disponível em: https://urbanterrainsdigitallab.files.wordpress.com/2015/11/cityformlab_una_eng.pdf. Acesso em 17 jul. 2019.

SEVTSUK, A.; MEKONNEN, M. Urban Network Analysis Toolbox. International Journal of Geomatics and Spatial Analysis, 22(2), 2012, 287–305. DOI:10.3166/RIG.22.287-305.

SILVA, R. Urbanismo paramétrico: parametrizando urbanidade. Recife: Editora UFPE, 2010.

SILVA, R.; AMORIM, L. Urbanismo paramétrico: emergência, limites e perspectivas de nova corrente de desenho urbano fundamentada em sistemas de desenho paramétrico. In V!RUS. N. 3. São Carlos: Nomads USP, 2010.

STEINØ, N.; VEIRUM, N. A Parametric Approach to Urban Design. In: 23rd eCAADe CONFERENCE, 2005. Lisboa, Portugal. Anais da 23º Conferência eCAADe. Lisboa, Portugal: Universidade Técnica de Lisboa, 2005. 679-686.

STINY, G.; GIPS, J. Shape grammars and the generative specification of painting and sculpture. In Information Processing 71, 1460–1465. North-Holland Publishing Company, 1972.

TEDESCHI, A. Algorithms-aided design: parametric strategies using grasshopper. Brianza: Le Penseur, 2014.

TERZIDIS, K. Algorithmic architecture. Nova York: Routledge, 2006.

VELTEN, K. Mathematical modeling and simulation: Introduction for scientists and engineers. Weinheim: Wiley-VCH, 2009.

VEREBES, T. Masterplanning: the adaptive city. Nova York: Routledge, 2014.

WOODBURY, R. Elements of parametric design. Nova York: Routledge, 2010.

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Lima, F., Costa, F., & Rosa, A. (2020). Lógica algorítmica-paramétrica e urbanismo: uma revisão teórica e de modelos computacionais para projetos urbanos. Gestão & Tecnologia De Projetos, 15(2), 84-97. https://doi.org/10.11606/gtp.v15i2.162710