Diretrizes para projeto de ambiente construído inclusivo (pessoas com deficiência auditiva)

Revisão sistemática

Palavras-chave: Acessibilidade, Inclusão, Surdo, Desenho Universal

Resumo

A Organização Mundial da Saúde – OMS estima que, até 2050, uma em cada dez pessoas, ou seja, mais de 900 milhões no mundo, apresentará quadros de perda auditiva incapacitante. Entretanto, os espaços públicos e privados existentes dificilmente estão preparados para absorver e atender essa parcela considerável da população. Para a construção de um ambiente acessível, verifica-se a necessidade da incorporação dos conceitos do Desenho Universal desde a concepção, mas a literatura oferece pouco suporte para isso. Nesse contexto, o objetivo desse estudo foi realizar uma revisão sistemática da literatura com o intuito de coletar e organizar informações acerca das particularidades das pessoas com deficiência auditiva, e assim, definir diretrizes de projetos destinadas ao projeto de espaços inclusivos para pessoas com deficiência auditiva. A revisão sistemática foi realizada de acordo com as diretrizes Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA). Inicialmente, foram encontrados 572 artigos na base de dados e, após a aplicação dos filtros, 8 artigos foram lidos e incluídos na revisão sistemática. Os resultados quantitativos mostraram a escassez de estudos sobre o tema e os resultados qualitativos foram compilados em uma tabela que apresentou as diretrizes de projetos sugeridas pelos artigos revisados, segundo os Cinco Preceitos do DeafSpace (BAUMAN, 2010). Por fim, um quadro-resumo foi idealizado a fim de servir de guia prático na concepção de futuros projetos arquitetônicos acessíveis para as Pessoas com Deficiência Auditiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Santana Oliveira, Universidade de Pernambuco

Estudante de Engenharia Civil da Escola Politécnica de Pernambuco da Universidade de Pernambuco e pesquisadora da Universidade de Pernambuco pelo Laboratório de Segurança e Higiene do Trabalho - LSHT.

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Norma Técnicas. NBR 9050/2015: Acessibilidade a edificações, mobiliários, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 2015. 148p.

BAUMAN, H. Deafspace Design Guideline, Working Draft. Washington, DC: Gallaudet University. 2010.

BOOTH, A.; PAPAIOANNOU, D.; SUTTON, A. Systematic Approaches to a Successful Literature Review. SAGE PublicationsLtd., Thousand Oaks, CA, United States, 2012.

BRASIL. Decreto n°7.000, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 dez. 2004. Seção 1. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2004/decreto-5296-2-dezembro-2004-534980-publicacaooriginal-21548-pe.html>. Acesso em: 23 mai. 2019.

BRASIL. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência / Luiza Maria Borges Oliveira / Secretariade Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional dePromoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistemade Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília : SDH-PR/SNPD, 2012. 32p.

EDWARDS, C; HAROLD, G. DeafSpace and the principles of universal design. Disability and Rehabilitation, v. 36, n.16, p. 1350-1359, 2014. DOI: 10.3109/09638288.2014.913710

FRANSOLIN, L. C; RODRIGUES, J. C.; ANTONINI, B.; BERNARDI, N.; KOWALTOWSKI, D. C. C. K.O Jogo Da Arquitetura: Discutindo a Acessibilidade Para Surdos. Blucher Design Proceedings, v. 2, n. 7, p. 517-258, 2016.

JESSON, J.K.; MATHESON, L.; LACEY, F.M. Doing Your Literature Review – Traditional and Systematic Techniques. SAGE Publications Ltd., Thousand Oaks, CA, United States, 2011

LIBERATI, A. et al. Annals of Internal Medicine Academia and Clinic The PRISMA Statement for Reporting Systematic Reviews and Meta-Analyses of Studies That Evaluate Health Care Interventions. Annals of Internal Medicine, v. 151, n. 4, 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. São Paulo, 2011. 334 p. ISBN: 978-85-64047-02-0.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. 1.1. billion people at risk of hearing loss. Fevereiro de 2015. Disponível em: <https://www.who.int/mediacentre/news/releases/2015/ear-care/en/>. Acesso em: 20 set. 2019.

SOLVANG, P. K.; HAUALAND, H. Accessibility and diversity: Deaf space in action. Scandinavian Journal of Disability Research, v. 16, n. 1, p. 1–13, 2014.

TYSIMBAL, K. A. Deaf space and the visual world – buildings that speak: an elementary school for the deaf. Thesis. School of Architecture Planning, and Preservation. Faculty of the Graduate School of the University of Maryland, College Park, EUA. 2010.

ARTIGOS DA RSL

GAUDIOT, D.M.F.; MARTINS, L.B. The Classroom Built Environment as an Inclusive Learning Process for the Deaf Students: Contribution of Ergonomics in Design. Springer Nature, p. 531–540, 2019. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-319-94706-8_56

HAYNES, S.; LINDEN, M. Workplace accommodations and unmet needs specific to individuals who are deaf or hard of hearing. Disability and Rehabilitation: Assistive Technology, v. 7, n. 5, p. 408-415, 2012. DOI: 10.3109/17483107.2012.665977

MARTINS, L. B.; GAUDIOT, D. M. The deaf and the classroom design: A contribution of the built environmental ergonomics for the accessibility. IOS PRESS, v. 41, p 3663-3668, 2012. DOI:10. 3233/wor-2012-0007-3663

MATHIASEN, N; FRANDSEN, A.K. Lighting Design as a Universal Design Strategy to Support Functional Visual Environments. Studies in Health Technology and Informatics, v. 256, p. 752-759, 2018. DOI: 10.3233/978-1-61499-923-2-752

OH, Y.; RYU, J.K. Acoustic design guidelines for houses for hearing impaired seniors – In the framework of Korean building code. Indoor and Built Environment, 2018. DOI: 10.1177/1420326X18789228

PRUETTIKOMON, S.; LOUHAPENSANG, C. A Study and Development of Workplace Facilities and Working Environment to Increase the Work Efficiency of Persons with Disabilities: A Case Study of Major Retail and Wholesale Companies in Bangkok. Scientific World Journal, v. 2018, article number 3142010, 2018. DOI: 10.1155/2018/3142010

RAHIM, A.A.; ABDULLAH, F. Access audit on universal design: The case of Kota Kinabalu Water Front. The International Journal of Interdisciplinary Social Sciences, v.4, 2009 ISSN:18331882

RENEL, W. Auraldiversity’: Defining a Hearing Centred Perspective to Socially Equitable Design of the Built Environment. Built Environment, v 44, p. 36-51, 2018. DOI: 10.2148/benv.44.1.36

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Vasconcelos, B., & Oliveira, V. (2020). Diretrizes para projeto de ambiente construído inclusivo (pessoas com deficiência auditiva). Gestão & Tecnologia De Projetos, 15(2), 98-112. https://doi.org/10.11606/gtp.v15i2.162777

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)