UMA PERSPECTIVA COMPARATIVA DA GESTÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES NO BRASIL E NA FRANÇA

  • Silvio MELHADO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo
  • Thérèse EVETTE École d'architecture de Paris-La Villette
  • Eric HENRY Université Pierre Mendès France
  • Márcio Minto FABRICIO Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo
  • Francisco SEGNINI Jr. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
  • François LAUTIER École d'architecture de Paris-La Villette

Resumo

A gestão de projetos, bem como a resolução dos conflitos entre os diversos agentes ocorrem de maneiras diferentes, segundo o contexto e as condições particulares de cada país, o que se demonstra a partir das particularidades da trajetória do desenvolvimento do setor da construção, da constituição das profissões e da cultura construtiva. Ainda assim, mesmo sendo sensivelmente diferentes os aspectos históricos, de mercado, a regulamentação e a organização dos empreendimentos e de seus agentes, constatam-se pontos em comum entre o Brasil e a França. Na França, nos grandes empreendimentos públicos e privados, o papel do empreendedor continua a ser forte, ainda que a programação e o projeto das obras sejam cada vez mais complexos. Em contrapartida, nos empreendimentos corriqueiros a situação não é a ideal e o empreendedor comum tem dificuldades, ainda mais que o número de agentes especializados que a construção exige está crescendo, trazendo interfaces adicionais para a sua gestão. Quanto aos arquitetos, pode-se observar uma forte tendência de ruptura entre o seu trabalho e a gestão dos canteiros de obras. No setor privado, seu papel é freqüentemente restrito ao estudo preliminar e ao projeto legal, visando à aprovação do projeto. No Brasil, como na Europa, as empresas incorporadoras e construtoras atualmente se vêem diante do desafio da integração de fortes exigências de desempenho e ambientais em seus empreendimentos. Quais serão os impactos para os agentes da construção de edifícios quanto à demanda de competências de projeto e de gestão, exigências contratuais e métodos de acompanhamento das obras? Este artigo se propõe a abrir a discussão em torno das questões da evolução da gestão de projetos de edificações, assim como das atividades dos profissionais de projeto e de construção nos dois países, contribuindo para uma melhor compreensão das diferenças e semelhanças entre as práticas brasileiras e francesas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio MELHADO, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo
Engenheiro Civil, Livre-Docente em Tecnologia de Processos Construtivos, Professor Associado da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Currículo LATTES
Thérèse EVETTE, École d'architecture de Paris-La Villette
Economista, Doutora em Sociologia – Responsável Científica da Rede de Pesquisa RAMAU (Réseau Activités et Métiers de l’Architecture et de l’Urbanisme) e Professora da École d'architecture de Paris-La Villette
Eric HENRY, Université Pierre Mendès France
Engenheiro Civil, Sociólogo – Coordenador de pesquisa do Centre de recherche "Innovation Socio-technique et Organisations" e Professor da Université Pierre Mendès France
Márcio Minto FABRICIO, Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo
Engenheiro Civil, Mestre em Arquitetura, Doutor em Engenharia Civil, Professor da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo Currículo LATTES
Francisco SEGNINI Jr., Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
Arquiteto e Urbanista, Doutor em Arquitetura, Professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo Currículo LATTES
François LAUTIER, École d'architecture de Paris-La Villette
Licenciado em Filosofia e em Sociologia, Doutor em Sociologia, Professor da École d'architecture de Paris-La Villette
Publicado
2006-09-29
Como Citar
MELHADO, S., EVETTE, T., HENRY, E., FABRICIO, M., SEGNINI Jr., F., & LAUTIER, F. (2006). UMA PERSPECTIVA COMPARATIVA DA GESTÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES NO BRASIL E NA FRANÇA. Gestão & Tecnologia De Projetos, 1(1), 1-22. https://doi.org/10.4237/gtp.v1i1.6
Seção
Artigos