A COORDENAÇÃO DE PROJETOS SUBCONTRATADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

  • Patricia Seiko Okamoto Universidade de São Paulo - Escola Politécnica
  • Mario Sergio Salerno Universidade de São Paulo - Escola Politécnica
  • Silvio Burrattino Melhado Escola Politecnica da USP Departamento de Engenharia de Construção Civil- Tecnologia e Gestão da Produção
Palavras-chave: Organização do trabalho, Processo de projeto, Subcontratação, Estratégia.

Resumo

Este trabalho de caráter qualitativo tem como finalidade destacar, por meio de um estudo de caso, as vantagens estratégicas e a importância da atividade de Coordenação de Projetos de Edifícios (CPE) em uma empresa incorporadora e construtora de edifícios dentro de um contexto de desenvolvimento de projetos subcontratados. Frente a este objetivo e procurando demonstrar a prática da atividade de CPE, realizou-se uma pesquisa de campo, na qual informações foram coletadas com a análise de documentos utilizados pela coordenação de projetos e com a realização de entrevistas em uma empresa especializada em empreendimentos residenciais. Verificou-se, neste estudo de caso, que a CPE possui grande relevância, uma vez que interfere na organização do trabalho, estimulando uma maior integração, colaboração e redução de prazos no desenvolvimento de projetos, propiciando um maior alinhamento das atividades de projeto e dos projetistas subcontratados com os interesses e necessidades da empresa contratante. Entretanto, ao final da pesquisa, concluiu-se que o desempenho de projetos terceirizados e as vantagens estratégicas potencialmente propiciadas pela CPE podem ser comprometidos pela maneira como as contratações de projetistas são formuladas e conduzidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Seiko Okamoto, Universidade de São Paulo - Escola Politécnica
Departamento de Engenharia de Construção Civil- Tecnologia e Gestão da Produção
Mario Sergio Salerno, Universidade de São Paulo - Escola Politécnica
Departamento de Engenharia de Produção
Silvio Burrattino Melhado, Escola Politecnica da USP Departamento de Engenharia de Construção Civil- Tecnologia e Gestão da Produção

Graduou-se em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo (1984), cursou mestrado em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo (1990) e doutorado em Engenharia Civil, também pela Universidade de São Paulo (1994), além de ter realizado pós-doutoramentos na França, no Canadá e na Inglaterra. Atualmente é livre-docente e Professor Associado da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Engenharia de Construção Civil, com ênfase em construção de edifícios, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão do processo de projeto, gestão de empresas de projeto, gestão da qualidade, sistemas de gestão e certificação de sistemas.

CV Lattes:  http://lattes.cnpq.br/6957733339061299


Referências

ADESSE, E. A liderança do coordenador no processo de projeto. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS, 4., 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: PROARQ/FAU/UFRJ, 2004. P.1-6.

______; MELHADO, S. B. A coordenação de projetos externa em empresas construtoras e incorporadoras de pequeno e médio portes. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS, 3., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: DEMC-EE-UFMG/ EPUSP/ EESC-USP, 2003. 1 CD-ROM.

AGUIAR, A., MONETTI, E. Subcontratação: uma opção estratégica para a produção. Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP (BT/PCC/311). São Paulo, 2002, 12p.

AMATO NETO, J. Reestruturação industrial, terceirização e redes de subcontratação. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.35, n.2, p. 33-42. 1995.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA – ASBEA, Manual de Contratação dos Serviços de Arquitetura e Urbanismo, 2ed. São Paulo. Editora PINI, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.575: Edifícações Habitacionais - Desempenho-Parte 1: Requisitos gerais. Rio de Janeiro, 2013. 71 p.

______. NBR 15.575: Edifícações Habitacionais - Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais. Rio de Janeiro, 2013. 31 p.

______. NBR 15.575: Edifícações Habitacionais - Desempenho - Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos internos. Rio de Janeiro, 2013. 42 p.

______. NBR 15.575: Edifícações Habitacionais - Desempenho - Parte 4: Sistemas de vedações verticais externas e internas. Rio de Janeiro, 2013. 63 p.

______. NBR 15.575: Edifícações Habitacionais - Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas. Rio de Janeiro, 2013. 73 p.

______. NBR 15.575: Edifícações Habitacionais - Desempenho - Parte 6: Sistemas hidrosanitários. Rio de Janeiro, 2013. 32 p.

BARROS NETO, J.P. Proposta de um modelo de formulação de estratégias de produção para pequenas empresas de construção habitacional. 1999. 326f. Tese (Doutorado em Administração) - Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1999.

BAIDEN, B. et al. The extent of team integration within construction projects. International Journal of Project Management, v. 24, n. 1, p. 13-23. 2006.

BENSAOU, M.; VENKATRAMAN, N. Configurations of interorganizational relationships: A comparison between U.S. and Japanese automakers. Management Science, v.41, n.9, p. 1471-1492. 1995.

BHALLA, G. How to plan and manage a project to co-create value with stakeholders. Strategy & Leadership. v. 42, n.2, p. 19-25, 2014.

BRADY. T. Creating and sustaining a supply network to deliver routine and complex one-off airport infrastructure projects. International Journal of Innovation and Technology Management. v. 8, n. 3, p. 469-481. 2011.

BRANDLI, L.L; MARTIGNAGO, G.; HEINECK, L.F.M.; CUNHA, C, J.C. Estratégias de Terceirização e Subcontratação na Construção Civil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 19., 1999, Rio de Janeiro. Anais... Santa Catarina: ABEPRO, 1999. 1 CD-ROM.

BRASIL, Lei ordinária nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964. Dispõe sobre o condomínio em edificações e as incorporações imobiliárias. Coleção de Leis da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4591.htm>. Acesso em 30 set.2012

CAIADO, V.; SALGADO;M. A gestão de contratos e sua influência na qualidade do processo de projeto: estudo de caso em construtoras do Rio de Janeiro. Gestão & Tecnologia de Projetos. v.1, n.1, p.58-75, 2006.

CHEUNG. S.O et al. Behavioral aspects in construction partnering. International Journal of Project Management, v.21, n.5, p.333-343, jul.2003.

DAS, T. K.; TENG, B.S. A resource-based theory of strategic alliances. Journal of Management, v. 26, n.1, p. 31-61. 2000.

FABRICIO, M. M.; MELHADO, S.B. Impactos da tecnologia da informação nos conhecimentos e métodos projetuais. In: SEMINÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL, 1., 2002, Curitiba. Anais…Curitiba: CONSTRUBUSINESS PARANÁ, 2002.1 CD-ROM.

______; ______. Projeto simultâneo e a qualidade na construção de edifícios. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL NUTAU 98: ARQUITETURA E URBANISMO: TECNOLOGIAS PARA O SÉCULO XXI, 1998, São Paulo. Anais... São Paulo: FAU/USP, 1998. 1 CD-ROM.

FARAH, M.F.S. Estratégias empresariais e mudanças no processo de trabalho na construção habitacional no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO (ENTAC), 5.,1993, São Paulo. Anais... São Paulo: ANTAC, 1993. p.17-19.

FIGUEIREDO, F; SILVA, V. Processo de Projeto Integrado e desempenho ambiental de edificações: os casos do SAP Labs Brazil e da Ampliação do CENPES Petrobras. Ambiente Construído, v. 12, n. 2, p. 97-119, abr./jun. 2012.

FIORE, A.; ALENCAR, L. Identificação e análise dos indicadores de desempenho para gestão de projetos na construção civil. In: ENEGEP 2011 – XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2011.Belo Horizonte. Anais...Belo Horizonte, 2011, 1 CD-ROM.

FRIGIERI JÚNIOR, V. Proposta de um Modelo de Análise da Integração Operacional em Empresas de Construção Civil. 2002. 138f. Tese (Mestrado em Engenharia) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

GERWIN, D. Coordinating new product development in strategic alliance. Academy of Management Review, v.29, n.2, p.241-257, 2004.

GIRARDI, D.M. A importância da terceirização nas organizações. Revista de Ciências da Administração, v.1, n.1, p.23-31.1999.

GRILO, L.M.; MELHADO, S. B. Alternativas para a melhoria na gestão do processo de projeto na indústria da construção de edifícios. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS, 3., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: DEMC-EE-UFMG/ EPUSP/ EESC-USP, 2003. 1 CD-ROM.

GULATI, R. Alliances and Networks. Strategic Management Journal, v.19, n.4, p.293-317.1998.

HAKANSSON, H; LIND, J. Accounting and network coordination. Accounting, Organizations and Society, v. 29, n.1, p.51-72. 2004.

IBRAHIM, K. et al. Key practice indicators of team integration in construction projects: a review. Team Performance Management. v.19, n.3/4, p.132-152. 2013.

INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL DA CONSTRUÇÃO. Ranking 10 ITC. Disponível em: <http://www. http://itc.etc.br.htm>. Acesso em 30 mar.2014.

KANTERS, J; HORVAT, M. The design process known as IDP: a discussion. Energy Procedia. v.30, p.1153-1162, 2012.

KIM, J.; WILEMON, D. Sources and assessment of complexity in NPD. R&D Management, v.33, n.1, p.15-30, 2003.

KOCK, C.; FIRMENICH.B. An approach to distributed building modeling on the basis of versions and changes. Advanced Engineering Informatics. v. 25, n. 2. P. 297-310. 2011.

LUO, C. et al. Collaborative product development: Exploring the role of internal coordination capability in supplier involvement. European Journal of Innovation Management.v.13, n.2, p.244-266. 2010.

MELHADO, S.B.et al. Coordenação de projetos de edificações. São Paulo: O Nome da Rosa, 2005. 120 p.

______. Uma perspectiva comparativa de gestão de projetos de edificações no Brasil e na França. Gestão & Tecnologia de Projetos, v.1, n.1, nov.2006.

MENG, X. The effect of relationship management on project performance in construction. International Journal of Project Management. v.30, n. 2,p. 188–198, feb.2012.

MESA, A. et al. Design management capability and product innovation in SMEs. Management Decision. v.51, n.3, p.547-565.2013.

MINTZBERG, H.; LAMPEL, J.; QUINN, J. B.; GHOSHAL, S. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 496 p.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2003. 334 p.

MOHR, J.J.; SPEKMAN, R.E. Characteristics of partnership success: Partnership attributes, communication behavior, and conflict resolution techniques. Strategic Management Journal, v.15, n.2, p. 135-152, 1994.

MORA E.M., MONTORO M.A., GUERRAS L.A. Determining factors in the success of R&D cooperative agreements between firms and research organizations. Research Policy, v.33, n.1, p.17-40, 2004.

NEVES, F.; GUERRINI, F. Modelo de requisitos e componentes técnicos para a formação e gerência de redes de cooperação entre empresas da construção civil. Gestão & Produção, v.17, n.1, p. 195-206, 2010.

NOBREGA JUNIOR, C.; MELHADO, S. Coordenador de projeto de edificações: estudo e proposta para perfil, atividades e autonomia. Gestão & Tecnologia de Projetos. v.1., n.8., p.69-89. 2013.

NOVAES, C. C. Ações para controle e garantia da qualidade de projetos na construção de edifícios. In: WORKSHOP NACIONAL DE GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS, 1., 2001, São Carlos. Anais... São Carlos: EESC/USP, 2001. 1 CD-ROM.

PALA, M. et al. Contractor practices for managing extended supply chain tiers. Supply Chain Management: An International Journal. v.19, n.1, p.31-45, 2014.

PALOS. S. et al. Future perspectives on product data management in building information modeling. Construction Innovation. v.14, n.1, p. 52-68. 2014.

PORTER, M.E. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, 409 p.

QUINN, J.B, HILMER, F.G. Outsourcing Strategic. Sloam Management Review. v. 35, n.4, p. 43-55, 1994.

REUER, J.J.; ARIÑO, A. Contractual renegotiations in strategic alliances. Journal of Management, v. 28, n.1, p. 47-68, 2002.

RUSSEL, R. S.; TAYLOR, B.W. Production and operations management: focusing on quality and competitiveness. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1995.944p.

SALERNO, M.S. Projeto de organizações integradas e flexíveis: processos, grupos e gestão democrática via espaços de comunicação-negociação. São Paulo: Atlas, 1999.

SERRA, S. M. B. Diretrizes para gestão dos subempreiteiros. 2001. 360 f. Tese (Doutorado em Engenharia) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

SEXTON, M.; BARRETT, P. Performance-based building and innovation: balancing client and industry needs. Building Research & Information, v.33 n.2, p.142-148, 2005.

SILVA, M.; NOVAES, C. A coordenação de projetos de edificações: estudos de casos. Gestão & Tecnologia de Projetos. v.3, n.1, p.44-78. 2008.

TACHIZAWA, T.; MENDES, G. Como fazer monografia na prática. 10. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006. 150 p.

THORPE.S. et al. Integrated Collaborative Design. Journal of Engineering, Design and Technology.v.5, n.1, p.7-22, 2007.

VELTZ, P.; ZARIFIAN, P. Vers de nouveaux modèles d'organisation? Sociologie du travail, v.35, n.1, p.3-25, 1993.

YIN,R.K. Estudo de caso – Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005. 212 p.

WALKER.D. et al. Project alliancing vs project partnering: a case study of the Australian National Museum Project, Supply Chain Management: An International Journal v. 7, n. 2, p. 83-91. 2002

WONG, K.; FAN Q. Building information modelling (BIM) for sustainable building design. Facilities.v.31, n.3/4. p.138-157. 2013.

Publicado
2015-02-03
Como Citar
Okamoto, P., Salerno, M., & Melhado, S. (2015). A COORDENAÇÃO DE PROJETOS SUBCONTRATADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Gestão & Tecnologia De Projetos, 9(1), 123-143. https://doi.org/10.11606/gtp.v9i1.68149
Seção
Artigos