Relendo "A musicológica Kamayurá" de Rafael José de Menezes Bastos: 40 anos para além de uma antropologia sem música e de uma musicologia sem homem

  • Tatyana de Alencar Jacques Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

Resumo

A obra de Rafael José de Menezes Bastos A Musicológica Kamayurá está prestes a completar 40 anos. Inicialmente, foi apresentada como Dissertação de Mestrado em outubro de 1976, ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de Brasília, orientada por Peter Silverwood-Cope, DavidPrice e Roque de Barros Laraia. Foi publicada pela primeira vez pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI) em 1978, com tiragem limitada que se esgotou rapidamente e, conforme Anthony Seeger, “circulou de mão em mão” e foi “guardada como tesouro por aqueles que puderam obter seu próprio exemplar” (Seeger 1999, 13). Em 1999, a obra recebeu sua segunda edição, segundo Menezes Bastos, quase ipsis litteris em relação à primeira, publicada pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, onde seu autor é professor desde 1984.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatyana de Alencar Jacques, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

Graduada em Música (piano) pela UDESC (2002), Mestre (2007) e Doutora (2014) em Antropologia Social pela UFSC e pesquisadora do Núcleo Arte, Cultura e Sociedade da América Latina e Caribe (MUSA) do PPGAS/UFSC.

Publicado
2016-06-23
Como Citar
Jacques, T. (2016). Relendo "A musicológica Kamayurá" de Rafael José de Menezes Bastos: 40 anos para além de uma antropologia sem música e de uma musicologia sem homem. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 1(1). https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2016.116379
Seção
T.E.R - Traduções, Entrevistas e Resenhas