O lado bricoleur de Pedro Costa

  • Kelen Pessuto Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Cinema português, Movimento punk, Bricoleur, Antropologia visual, “Não” atores

Resumo

Neste artigo, analisa-se a evolução do método de filmagem do cineasta português Pedro Costa. Grande admirador do movimento punk dos anos 1970, Costa não esconde a influência que o movimento exerce no seu modo de fazer cinema. A partir da ideia do DIY – do it yourself – o diretor torna-se um bricoleur ao se utilizar da técnica da colagem na realização de seus filmes, principalmente na pré-produção. Trata-se aqui da bricolagem enquanto técnica. Desde O Sangue (1989), primeiro longa-metragem de Costa, até Cavalo Dinheiro (2014), o processo de produção do diretor tem progredido em direção a uma maneira de filmar própria e que cada vez mais se aproxima da Antropologia. O termo bricolagem surge consagrado na Antropologia por Lévi-Strauss, ao se referir ao pensamento mítico, contrapondo-o ao científico. No cinema, a figura do bricoleur é representada, especialmente, por Jean-Luc Godard. Procura-se ainda analisar as etapas em que consiste o processo de Costa, seu modus operandi, a partir do material extrafílmico que permeia sua obra, como suas entrevistas, escritas e o curso ministrado pelo diretor. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelen Pessuto, Universidade de São Paulo
Doutora em Antropologia Social pela USP (2017). Mestre em Artes pela Unicamp. Possui graduação em Comunicação Social com habilitação em Cinema pela Fundação Armando Álvares Penteado - FAAP (2003). Atriz formada pelo Teatro-Escola Célia Helena. Trabalhou como Arte-Educadora na Casa do Teatro. É membro dos Grupos de Pesquisa: NAPEDRA - Núcleo de Antropologia, Performance e Drama (USP), GRACIAS (Grupo de Antropologia em Contextos Islâmicos e Árabes), na USP de Ribeirão Preto, CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia) e  GRAVI (Grupo de Antropologia Visual) no Departamento de Antropologia da USP. Suas pesquisas atuam principalmente nos seguintes temas: cinema iraniano, antropologia visual, antropologia da performance, islã e teatro.
Publicado
2018-07-23
Como Citar
Pessuto, K. (2018). O lado bricoleur de Pedro Costa. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 3(1). https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2018.142189
Seção
Artigos