Silêncio que se vai cantar o fado...

  • Cristina Rosal
Palavras-chave: Lisboa, Canção urbana, Música, Silêncio

Resumo

Tentarei explicar como acontece a estranha consistência de uma música que todos os portugueses reconhecem como sua, que o mundo inteiro reconhece como portuguesa – enquadramento social do fado, suas características mais marcantes, conteúdos cantados, base musical e instrumentos utilizados, fados tradicionais e improvisação. O silêncio também … Nem musicóloga, nem historiadora, sou uma cantadeira que fala do fado como se de um amigo fosse. Este texto serviu de base para uma comunicação apresentada no seminário “Processos composicionais na música brasileira – a musicalidade no lundum e no fado, na chula e no samba” (5ª Mostra de Música Leão do Norte, Sesc Santo Amaro – Recife, outubro de 2014). Darei alguns exemplos cantados (links propostos ao longo do texto). Neles, em modo "ensaio", juntaram-se gentilmente a mim António Queiroz, Nuno Siqueira (guitarra portuguesa) e Rui Silveira (viola), a quem muito agradeço. Agradeço ainda a Rodrigo Lacerda pelo apoio logístico à gravação dos vídeos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Rosal

Cristina Rosal, portuguesa, nascida em Moçambique em 1960, licenciada em Sociologia pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), vivendo em Bruxelas, Bélgica. Cantadeira quando a alma reclama e amante de fado.

Publicado
2018-07-23
Como Citar
Rosal, C. (2018). Silêncio que se vai cantar o fado. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 3(1). https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2018.143154
Seção
G.I.S - Gestos, Imagens e Sons